Pravda.ru

Notícias » Ciência


O tempo da Terra

03.06.2009 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Pages: 12

Na Semana Mundial do Meio Ambiente discutem-se os problemas, cada vez mais graves, que ameaçam a vida da Terra – mas não o planeta em si, que se recuperaria em alguns milhares ou milhões de anos, coisa pouca em termos astronômicos.

Recordo-me do tempo em que o leite era entregue à porta de casa em embalagem de vidro, juntamente com o pão, embrulhado em papel. A indústria do petróleo já prosperava e logo vieram embalagens plásticas, no começo ainda retornáveis.

Sim, as garrafas PET de refrigerantes eram devolvidas aos supermercados, que ainda embalavam as compras em sacolas de papel. Sabe-se lá se por quais interesses comerciais, praticidade ou corte de custos, de repente as sacolas passaram a ser feitas de plástico e as garrafas se tornaram descartáveis. E as fraldas, e as seringas, e as caixas de leite, e quase tudo o mais. Até os aparelhos de telefonia celular.

Mas tudo isso são bobagens perto dos crimes ambientais perpetrados em Alberta, no Canadá, onde se retira óleo de areias betuminosas, das quais o país tem reservas gigantescas, seis vezes maiores que as da Arábia Saudita, em petróleo-equivalência.

O processo de retirada do óleo impregnado na areia consome gigantescas quantidades de água e gás natural, em uma operação realizada a inclementes temperaturas de até -40º C. Somente a holandesa Shell pretende extrair 500 mil barris diários, de um total de 1,2 milhão, ininterruptamente durante 50 anos. A Imperial Oil, conhecida no Brasil como Esso, terá uma cota de 300 mil barris diários pelo mesmo meio século, investindo US$ 7,1 bilhões.

O trabalho, extremamente árduo e sujo, é feito por imigrantes de vários países.

A chuva ácida resultante das atividades destrói a vegetação, e enormes lagos artificiais de águas envenenadas por hidrocarbonetos carcinogênicos e metais pesados completam o cenário pré-apocalíptico.

Estima-se que as areias canadenses contenham 180 bilhões de barris de óleo-equivalente, e a conversão de betume em óleo cru sintético contribui entre três e cinco vezes mais para o efeito estufa do que a extração tradicional de petróleo. A transformação de um barril de areia betuminosa em petróleo sintético para uso em refinarias comuns consome 14 m³ de gás natural e muita água.

A Rede para a Conservação da Natureza (WWF) observa que estas atividades poderão levar o mundo a um processo irreversível de mudanças climáticas.

Com a recuperação da economia mundial a demanda crescente por energia redundará na continuidade e ampliação de novas e perigosas formas de obtenção de hidrocarbonetos, presentes em grande quantidade também sob o leito submarino do Ártico.

Mas este velho mundo sempre colocou os interesses político-econômicos à frente de questões cruciais para a humanidade, e não há sinais de mudanças no horizonte. A Terra tem tempo de sobra pela frente, uns cinco bilhões de anos até a extinção do Sol, mas a humanidade e os animais não suportarão meros cem anos de exacerbação do efeito estufa.

Ainda assim, os homens parecem tomados por uma inarredável paralisia. O último encontro internacional sobre o clima, em Siracusa, Itália, terminou sem nenhum compromisso para enfrentar as mudanças climáticas.

Além dos países do G-8, participaram como convidados Brasil, China, Índia, México, Indonésia, África do Sul, Austrália, Coreia do Sul e Egito.

Na reunião, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, pediu aos membros do G-8 que reduzam suas emissões de CO2 em 20% até 2017 e em 25% até 2022.

Bem antes, em maio de 2007, Roger Agnelli, presidente da Vale, defendia a utilização das usinas termoelétricas a carvão no Brasil, argumentando que se fossem tão danosas, ineficientes e sujas, os Estados Unidos não estariam construindo mais de 150, como se o então governo Bush estivesse minimamente preocupado com o problema.

Há alguns anos as grandes potências já disputam as reservas de gás e petróleo do Ártico, cerca de 25% do total mundial, e agora temos o pré-sal, que deve também existir no outro lado do Atlântico, na costa de Angola.

Não é realista acreditar que fontes alternativas possam substituir grande parte do consumo diário mundial de 85 milhões de barris de petróleo, além do carvão, fonte de 70% da energia gerada na China, que pretende construir mais 500 termoelétricas a carvão na próxima décad. Segundo a China Coal Industry Development Research and Consulting, a demanda carbonífera do país em 2002 atingiu 1, 37 bilhão de toneladas!

Portanto, com o perdão da desestimulante franqueza, creio que a humanidade continuará emitindo quantidades cavalares de gás carbônico e metano, e a prova disso são os enormes investimentos em poços de petróleo no pré-sal, nas areias canadenses, nas usinas térmicas a carvão, gás natural ou óleo combustível, e a crescente disputa pelas reservas de hidrocarbonetos do Ártico.

Mas nem por isso deixaremos de seguir lutando contra a geração de energia por fontes sujas. A queniana Wangari Maathai, Nobel da Paz, segue combatendo o desflorestamento, desta vez no Congo, a segunda maior floresta tropical depois da Amazônica. Ela diz: nós sabemos o que é preciso fazer; por que não o fazemos? E aduz: “Os políticos, em todos os lugares, estão pondo o imediato à frente do longo prazo”. O planeta em si dispõe de bilhões de anos até se extinguir; a vida não.

 
Pages: 12
6900