Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Putin sobre Covid-19

19.12.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Putin sobre Covid-19. 34571.jpeg

Lições de Putin diante da Covid-19 (+Foto)

Por Antonio Rondón García Moscou, 19 dez (Prensa Latina) O presidente russo, Vladimir Putin, apresentou a estratégia de seu país na luta contra a Covid-19 e na defesa dos interesses nacionais na política externa em sua entrevista coletiva anual.

 

A pandemia introduziu mudanças na maneira como Putin se reúne com a imprensa este ano. Fê-lo de forma semi-isolada, pois, embora separado dos meios de comunicação que o assistem, foi acompanhado na sua residência em Novoe Ogariovo por jornalistas credenciados no Kremlin.

Só em Moscou, pouco mais de 700 órgãos de imprensa e canais de televisão participaram do evento, realizado na quinta-feira, 17, onde puderam ver Putin em uma telona, ​​enquanto outros nove pontos foram criados com cerca de 70 jornalistas cada. Tudo isso ligado a questionamentos da população.

O tema mais tocado, é claro, foi a resposta do país à pandemia, com a construção de 40 centros hospitalares desde março último, 30 pelo Ministério da Defesa e 10 construídos pelas próprias regiões russas.

Putin reconheceu que nenhum sistema de saúde do mundo foi preparado com antecedência para enfrentar um desafio como a pandemia. No entanto, afirmou, a saúde nacional conseguiu criar, aos poucos, um fundo de mais de 270 mil leitos especializados para atendimento de pacientes com Covid-19.

O Governo destinou recursos e foi possível promover e envolver diversos setores na fabricação de meios de proteção como máscaras, antissépticos e na fabricação de aparelhos de respiração artificial, além de iniciar a produção de sua própria vacina.

Paralelamente a isso, Putin descreveu, o governo russo desenvolveu um amplo programa de apoio ao empreendedorismo, aviação, turismo e pequenas e médias empresas para evitar uma desaceleração abrupta da economia, como aconteceu em outras nações.

Em 2020, a contração do Produto Interno Bruto foi de 3,6 por cento, abaixo das reduções de outros países europeus, assim como a indústria, que caiu três pontos, embora no período novembro-dezembro tenha registado um crescimento de 1, 1 por cento, esclarecido.

A agricultura, apesar de todos os altos e baixos da crise econômica mundial, conseguiu crescer 1,8%, embora, ele opinou, possa terminar 2020 acima de 2%.

O desemprego atingiu 6,3 por cento da população ocupada, ante 4,7 em 2019, mas espera-se que até 2021 seja possível baixar o parâmetro do ano passado, estimou o chefe de estado.

Mas nesta entrevista coletiva, Putin teve que esclarecer aspectos relacionados ao mito do perigo e da agressividade em seu país, com o qual a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) tenta justificar o aumento de sua presença perto da fronteira russa.

Em comparação com os membros da OTAN, pode-se dizer que a Rússia é 'limpa', pois foi o bloco que ignorou completamente seu compromisso verbal na década de 1990 de que nunca se expandiria para as fronteiras desta nação.

Putin considerou que o Ocidente impôs uma nova corrida armamentista a partir do momento em que os Estados Unidos decidiram, em 2002, abandonar o Tratado de Defesa Antimísseis, que obrigou a Rússia a buscar meios de evitar o cancelamento de sua capacidade de resposta nuclear.

A Rússia, sexta colocada no mundo em gastos com defesa, superada pelos Estados Unidos, Reino Unido, França, Japão e China, alcançou com 46 bilhões de dólares resultados em armas que outras nações ainda não conseguiram.

O presidente russo afirmou que seu país possui armas hipersônicas como o míssil Avangard, o foguete Kinzhal, além do Tsirkon, que pode ser instalado em navios de superfície e submarinos, com alcance de mil quilômetros que abrem novas possibilidades de defesa para o país.

Além disso, nosso trabalho em questões militares será criar armas de proteção contra futuras armas hipersônicas criadas por outras nações.

Outra direção futura da defesa nacional seria a criação de uma resposta ao uso em outros estados da inteligência artificial em armamentos, algo a que Putin se referiu em uma recente reunião do Conselho de Segurança Nacional.

Mesmo assim, os desafios do desarmamento continuam. Putin busca um diálogo com o novo governo americano de John Biden, mas os presságios de Moscou não são muito promissores.

Por enquanto, a Rússia de Putin continua em plena capacidade a luta contra a pandemia, onde também enfrenta desafios às suas tentativas de internacionalizar o uso de sua vacina Sputnik V em face da forte competição do Ocidente.

agp/to/bj/gdc

https://www.prensalatina.com.br/index.php?o=rn&id=36993&SEO=licoes-de-putin-diante-da-covid-19-foto

fedr

 

 
5798