Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Apostas explosivas no tabuleiro de xadrez da Armênia-Azerbaijão

03.10.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Apostas explosivas no tabuleiro de xadrez da Armênia-Azerbaijão. 34092.jpeg

Apostas explosivas no tabuleiro de xadrez da Armênia-Azerbaijão 

1/10/2020, Pepe Escobar, Asia Times (traduzido com autorização do autor)


LEGENDA: Militar do Exército de Defesa de Carabaque dispara contra as posições azeris durante o combate na região separatista de Alto Carabaque, 28/9/2020. Foto: Ministério da Defesa da Armênia/AFP

 

"Jogar Rússia contra Turquia permite ao Império aumentar a pressão sobre Síria, Líbia, o Mediterrâneo Oriental - para nem citar Bielorrússia e o gasoduto Nord Stream 2. Quem se beneficia? Os Atlanticistas.
Atenção, portanto, à ARMADILHA ATLANTICISTA".
(2/10/2020, Pepe Escobar, pelo Facebook)*

 


Poucos pontos de relevância geopolítica em todo o planeta rivalizam em complexidade com o Cáucaso, aquela implacável Torre de Babel tribal, conflituosa encruzilhada, ao longo da história, de impérios do Levante e nômades das estepes da Eurásia. E complica-se ainda mais, quando se adiciona a névoa da guerra.

Para tentar lançar alguma luz sobre o atual confronto Armênia-Azerbaijão, cruzemos os fatos básicos e alguns antecedentes profundos essenciais.

No final do mês passado, Ilham Aliyev [biog. ing.], proverbial "homem forte" do Azerbaijão, no poder desde 2003, iniciou guerra de facto no território do Alto Carabaque[1] [ing. Nagorno-Karabakh], controlado pela Armênia.


Mapa


No colapso da URSS, Alto Carabaque tinha população mista de xiitas azeris e cristãos armênios. No entanto, mesmo antes do colapso, o Exército do Azerbaijão e os independentistas armênios já estavam em guerra (1988-1994), que gerou saldo sombrio de 30 mil mortos e cerca de um milhão de feridos.

A República do Alto Carabaque declarou independência em 1991, mas a independência não foi reconhecida pela "comunidade internacional". Finalmente, houve um cessar-fogo em 1994 - e Alto Carabaque entrou na área cinzenta/terra de ninguém, como "conflito congelado".

Problema é que em 1993 as Nações Unidas aprovaram nada menos que quatro resoluções - 822, 853, 874 e 884 - pelas quais se estabeleceu que a Armênia teria de se retirar do que foi estimado como cerca de 20% do território do Azerbaijão. Esse é o cerne da lógica de Baku, na luta contra o que define como exército estrangeiro de ocupação.

Para Erevã [capital e sede do governo da Armênia], contudo, as quatro resoluções são nulas, porque em Alto Carabaque vive população de maioria armênia que quer separar-se do Azerbaijão.

Historicamente, Artsaque é uma das três antigas províncias da Armênia - com raízes que chegam pelo menos até o século V a.C. e finalmente estabelecida em 189 a.C. Os armênios, com base em amostras de DNA de ossos encontrados em escavações arqueológicas, argumentam que estão estabelecidos em Artsaque há pelo menos 4.000 anos.

O Artsaque - ou Alto Carabaque - foi anexado ao Azerbaijão por Stálin em 1923. E assim se preparou o cenário de barril de pólvora que inevitavelmente explodiria.

É importante lembrar que não havia nenhum estado-nação "Azerbaijão" até o início dos anos 1920. Historicamente, o Azerbaijão é território no norte do Irã. Os azeris estão muito bem integrados dentro da República Islâmica. Portanto, a República do Azerbaijão na verdade tomou seu nome emprestado dos vizinhos iranianos. Na história antiga, o território da que seria nova república do século 20 era conhecido como Atropatene e Aturpakatan, antes do advento do Islã.

Como a equação mudou

O principal argumento de Baku é que a Armênia está bloqueando uma nação azeri contígua, pois basta examinar o mapa para ver que o sudoeste do Azerbaijão está dividido de facto até a fronteira iraniana. E isso nos obriga a mergulhar muito mais fundo no contexto.

Para esclarecer as coisas, não encontraríamos guia mais confiável que um especialista em Cáucaso, que compartilhou sua análise comigo por e-mail, mas não quer ter seu nome citado. Para nós, aqui, será Mr. C. 

Mr. C. observa que, "durante décadas, a equação permaneceu a mesma e as variáveis na equação permaneceram mais ou menos as mesmas". Assim foi, apesar de a Armênia ser democracia instável em transição e de o Azerbaijão ter ter-se mantido no topo por muito mais tempo".

Todos devemos estar cientes de que "o Azerbaijão perdeu território logo no início da restauração de seu estado, quando basicamente não passava de estado falhado governado por amadores nacionalistas de poltrona (antes de Heydar Aliyev, pai de Ilham, chegar ao poder). E a Armênia também era confusão, embora menor, se se considera que recebia forte apoio russo, diferente do Azerbaijão, que nada tinha.

Naquela época, a Turquia ainda era Estado secular com exército que parecia ocidental e levava a sério a filiação à OTAN. Desde então, o Azerbaijão construiu sua economia e viu aumentar a população. Por isso, continuou a se fortalecer. Mas suas forças armadas ainda tinham desempenho abaixo do esperado".

Isso começou a mudar lentamente em 2020: "Basicamente, nos últimos meses viram-se violações quase diárias e muito mais intensas do cessar-fogo (violações quase diárias não são novidade: ocorrem há anos). Mas as coisas explodiram em julho, com troca de tiros que durou alguns dias. Depois, todos novamente se acalmaram".

Durante todo esse tempo, algo importante desenvolvia-se no segundo plano: O primeiro ministro armênio Nikol Pashinyan, que chegou ao poder em maio de 2018, e o presidente Aliyev começaram a conversar: "O lado azeri supôs que as conversas indicariam que a Armênia estaria pronta para um acordo (tudo isto começou quando a Armênia passou por uma espécie de revolução, com a chegada do novo primeiro-ministro, com mandato popular para limpar a casa). Por alguma razão ainda não esclarecida, não foi assim."

O que de fato aconteceu foi o tiroteio e a guerra de julho.

Não se esqueçam do Oleogasodutostão [ing. Pipelinestan]

O primeiro ministro armênio Pashinyan pode ser descrito como globalista liberal. A maioria de sua equipe política é pró-OTAN. Pashinyan atacou furiosamente o ex-presidente armênio (1998- 2008) Robert Kocharian, que antes disso tudo era - detalhe importantíssimo - presidente de facto do Alto Carabaque.

Kocharian, que viveu anos na Rússia e é próximo do Presidente Putin, foi acusado de ter-se envolvido numa nebulosa tentativa de "derrubar a ordem constitucional". Pashinyan tentou metê-lo na cadeia. Mas ainda mais crucial é o fato de que Pashinyan recusou-se a seguir um plano elaborado pelo Ministro das Relações Exteriores russo Sergey Lavrov para resolver afinal a confusão Artsaque/Alto Carabaque.

Sob o nevoeiro da guerra, as coisas estão ainda mais confusas. Mr. C. enfatiza dois pontos: "Primeiro, a Armênia pediu proteção à Organização do Tratado de Segurança Coletiva [ing. Collective Security Treaty Organization CSTO] e levou uma bofetada, dura e em público; segundo, a Armênia ameaçou bombardear oleodutos e gasodutos no Azerbaijão (há vários, todos eles funcionam paralelamente, e abastecem não apenas a Geórgia e a Turquia, mas agora os Bálcãs e a Itália). O Azerbaijão disse basicamente: se fizerem isso, bombardearemos seu reator nuclear".

O ângulo do Oleogasodutostão é de fato crucial: durante anos acompanhei no Asia Times essas miríades de novelas em que se cruzam petróleo e gás, especialmente a rota BTC (Baku-Tblisi-Ceyhan), concebida por Zbigniew Brzezinski para contornar o Irã. Fui até "detido" por um veículo 4X4 da British Petroleum quando seguia o oleoduto, por uma estrada lateral paralela do enorme terminal de Sangachal. E assim se provou que British Petroleum era na prática o verdadeiro chefe, não o governo do Azerbaijão.

Em suma, chegamos agora ao ponto em que, segundo Mr. C., "O agitar dos sabres armênios tornou-se mais agressivo". As razões, do lado armênio, parecem ser principalmente domésticas: erros terríveis ao enfrentar o Covid-19 (em contraste com o Azerbaijão), e o estado lamentável da economia. Assim, diz Mr. C., chegamos a uma soma tóxica de circunstâncias: ao responder duramente ao Azerbaijão, a Armênia desviou-se dos próprios problemas; mas, para o Azerbaijão, foi além da conta.

Trata-se sempre da Turquia

De qualquer ângulo que se examine o drama Armênia-Azerbaijão, o principal fator de desestabilização, agora, é a Turquia.

Mr. C. observa como, "durante todo o verão, a qualidade dos exercícios militares turco-azeris aumentou (tanto antes como depois dos eventos de julho). Os militares azeris melhoraram muito". Além disso, desde o quarto trimestre de 2019, o Presidente do Azerbaijão vem-se livrando de elementos (supostos) pró-russos que ocupassem posições de poder". Por exemplo, aqui.

Não há como confirmar a informação nem com Moscou nem com Ancara, mas Mr. C. crê que o Presidente Erdogan pode ter dito aos russos: "Entraremos diretamente na Armênia se a) o Azerbaijão começar a perder; b) a Rússia entrar ou aceitar que a CSTO seja invocada, ou algo parecido; ou se c) a Armênia atacar os oleodutos. Todas essas são linhas vermelhas razoáveis para os turcos, especialmente se se considera o fato de que turcos não gostam muito de armênios, e consideram os azeris como irmãos.

É crucial lembrar que, em agosto, Baku e Ancara realizaram duas semanas de exercícios militares conjuntos aéreos e terrestres. Baku comprou drones avançados da Turquia e de Israel. Pelo menos até aqui ainda não apareceu a arma do crime, mas Ancara pode ter contratado até 4.000 jihadistas salafistas na Síria para lutar - esperem e verão - a favor do Azerbaijão xiita, provando mais uma vez que o "jihadismo" tem tudo a ver com fazer dinheiro rápido.

O Centro Unido de Informação Armênia, assim como o posto curdo em Afrin, informaram que Ancara abriu dois centros de recrutamento - em escolas de Afrin - para mercenários. Aparentemente, foi movimento bastante bem-sucedido entre os locais, porque Ancara reduziu os salários dos mercenários sírios enviados para a Líbia.

Há um ângulo extra e profundamente preocupante não apenas para a Rússia, mas também para a Ásia Central. Segundo o ex-ministro das Relações Exteriores de Alto Carabaque, Embaixador Extraordinário Arman Melikyan, mercenários portadores de documentos azeri de identidade, emitidos em Baku, podem conseguir infiltrar-se no Daguestão e na Chechênia e, via o Cáspio, chegar a Atyrau no Cazaquistão, de onde podem facilmente chegar ao Uzbequistão e ao Quirguistão.

Esse é o pior pesadelo da Organização de Cooperação de Xangai - do qual partilham Rússia, China e os "-stões" da Ásia Central: uma ponte jihadista por terra - e mar (Cáspio) - do Cáucaso até a Ásia Central e, mesmo, até Xinjiang.

Qual o objetivo desta guerra?

Então, o que acontece a seguir? Impasse. Um impasse quase intransponível, como Mr. C. o esboça:

1. "As conversações de paz não vão a lugar algum, porque a Armênia recusa-se a ceder (pôr fim à ocupação de Alto Carabaque e de mais sete regiões circunvizinhas, por etapas ou todas de uma vez, com as garantias usuais para os civis, até mesmo os colonos. - Observe que quando chegaram no início dos anos 90, 'limparam' aquelas terras de, literalmente, todos os azeris, algo entre 700 mil e 1 milhão de pessoas)".

2. Aliyev tinha a impressão de que Pashinyan "estaria disposto a ceder; e já começara a preparar seu povo; depois, quando nada disso aconteceu, ficou com cara de quem leva ovada na testa".

3. "A Turquia deixou bem claro que apoiará incondicionalmente o Azerbaijão, e fez o que disse que faria".

4. "Em tais circunstâncias, a Rússia foi superada - no sentido de que haviam conseguido com bastante sucesso jogar a Armênia contra o Azerbaijão e vice-versa, ajudando a mediar conversações que não chegaram a lugar algum, preservando o status quo que efetivamente favoreceu a Armênia".

E isso nos leva à questão crucial. Qual é o objetivo desta guerra?

Mr. C: "Ou conquistar o máximo possível antes que a "comunidade internacional" [neste caso, o Conselho de Segurança da ONU] peça/exija um cessar-fogo; ou fazê-lo como impulso para reiniciar conversações que realmente avancem. Em ambos os cenários, o Azerbaijão acabará com ganhos, e a Armênia com perdas. Quanto e sob quais circunstâncias (o status e a questão de Alto Carabaque são diferente do status e da questão dos territórios armênios ocupados em torno de Alto Carabaque) ainda não se pode saber: isto é, no campo de batalha, ou na mesa de negociações, ou numa combinação de ambos. Seja como for, no mínimo o Azerbaijão conseguirá manter o que libertou em combate. Esse será o novo ponto de partida. E suspeito que o Azerbaijão não fará nenhum mal aos civis armênios que ficarem. Serão libertadores modelo. E levarão tempo para trazer de volta os azeris civis (refugiados/IDPs, Deslocados Internos) para suas casas, especialmente em áreas que se tornem mistas, como resultado do retorno".

Então, o que Moscou pode fazer nestas circunstâncias? Não muito, "exceto ir ao Azerbaijão propriamente dito, o que eles não farão (não há fronteira terrestre entre a Rússia e a Armênia (mapa); assim, embora tenha uma base militar na Armênia com mil ou mais soldados, a Rússia não pode - dada a geografia - abastecer a Armênia à vontade, com armas e tropas)".

Fator crucial, Moscou privilegia a parceria estratégica com a Armênia - que é membro da União Econômica da Eurásia (EAEU) - enquanto controla meticulosamente todo e qualquer movimento da Turquia, membro da OTAN: afinal, eles já estão em lados opostos na Líbia e na Síria.

Assim, para dizer de forma branda, Moscou caminha no fio de uma navalha geopolítica. A Rússia precisa exercer contenção e investir em um ato de equilíbrio cuidadosamente calibrado entre Armênia e Azerbaijão; deve preservar a parceria estratégica Rússia-Turquia; e deve estar atenta a todas as táticas possíveis do "Dividir para Governar", dos EUA.

Por dentro da guerra de Erdogan

Então, afinal, esta seria mais uma guerra de Erdogan?

A análise do "Siga o dinheiro", inescapável, diria que sim. A economia turca é confusão absoluta, com alta inflação e uma moeda que se deprecia. Baku é riquíssima em petróleo-gás que poderia tornar-se prontamente disponível - ampliando o sonho de Ancara, de converter a Turquia também em país fornecedor de energia.

Mr. C acrescenta que ancorar a Turquia no Azerbaijão levaria à "criação de bases militares turcas de pleno direito e à inclusão do Azerbaijão na órbita de influência turca (a tese "dois países - uma nação", com a Turquia assumindo a supremacia) no quadro do neo-Otomanismo e da liderança da Turquia no mundo de língua turca".

Acrescente-se a isso o ângulo importantíssimo da OTAN. Mr. C. vê a questão essencialmente com Erdogan, habilitado por Washington, prestes a empurrar a OTAN para o leste, enquanto estabelece aquele imensamente perigoso 'canal jihadista' para a Rússia: "Esta não é aventura local de Erdogan. Compreendo que o Azerbaijão é em grande parte o Islã xiita e isso complicará as coisas. Mas não tornará impossível a aventura".

Isto está totalmente ligado a um notório relatório RAND que detalha explicitamente como "os Estados Unidos poderiam tentar induzir a Armênia a romper com a Rússia" e "encorajar a Armênia a passar plenamente para a órbita da OTAN".

É mais que óbvio que Moscou observa com extremo cuidado todas essas variáveis. O cuidado reflete-se, por exemplo, no modo como a irrepreensível porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, no início desta semana, introduziu um aviso diplomático muito sério: "A derrubada de um SU-25 armênio por um F-16 turco, como alega o Ministério da Defesa da Armênia, parece complicar a situação, pois Moscou, com base no Tratado de Tashkent, é obrigada a oferecer assistência militar à Armênia".

Não é de se admirar que Baku e Erevã tenham captado a mensagem e estejam negando firmemente que algo tenha acontecido.

O fato principal é que enquanto a Armênia propriamente dita não for atacada pelo Azerbaijão, a Rússia não invocará o Tratado de Segurança Coletiva [ing. Collective Security Treaty Organization CSTO] e não intervirá. Erdogan sabe que essa é a linha vermelha que lhe diz respeito. Moscou tem tudo o que é preciso para pôr Erdogan em sérios problemas - como fechar o fornecimento de gás para a Turquia. Moscou, entretanto, continuará a ajudar Erevã com informações e equipamento - trazido por ar, do Irã. Reina a diplomacia - e o alvo final é mais um cessar-fogo.

Trazer de volta a Rússia

Mr. C. avança a forte possibilidade - da qual ouvi ecos de Bruxelas - de que "a UE e a Rússia encontrem uma causa comum para limitar os ganhos do Azerbaijão (em grande parte porque Erdogan não é o favorito de ninguém, não apenas por causa disso, mas também por causa do Mediterrâneo Oriental, Síria, Líbia)".

Com tudo isso, volta à tona a importância renovada do Conselho de Segurança da ONU, na imposição de um cessar-fogo. O papel de Washington no momento é bastante intrigante. Naturalmente, Trump tem agora coisas mais importantes a fazer. Além disso, a diáspora armênia nos EUA pende drasticamente a favor dos democratas.

E, amarrando tudo isso, há a importantíssima relação Irã-Armênia. Aqui, uma tentativa contundente de expô-la em perspectiva.

Como salienta Mr. C, "o Irã favorece a Armênia, o que à primeira vista é contraintuitivo. Portanto, os iranianos podem ajudar os russos (encaminhando suprimentos). Mas por outro lado, têm bom relacionamento com a Turquia, especialmente no negócio do contrabando de petróleo e gás. E, se o Irã aparecer muito claramente como apoiador, Trump terá um casus belli para envolver os EUA. E os europeus podem não gostar de acabar do mesmo lado que russos e iranianos. Não parece correto. E os europeus odeiam parecer incorretos".

Volta-se inevitavelmente ao ponto de todo o drama poder ser interpretado a partir da perspectiva de um golpe geopolítico da OTAN contra a Rússia - de acordo com algumas análises que circulam no Parlamento Russo.

A Ucrânia é absoluto buraco negro. Há o impasse na Bielorrússia. Covid-19. O circo Navalny. A "ameaça" ao gasoduto Ramo Norte (Nord Stream) 2.

Atrair a Rússia de volta ao drama Armênia-Azerbaijão significa atrair a atenção de Moscou para o Cáucaso, o que dará mais liberdade de ação para a Turquia em outros teatros - no Mediterrâneo Oriental contra a Grécia, na Síria, na Líbia. Ancara - insensatamente - está envolvida em guerras simultâneas em várias frentes, e praticamente sem aliados.

O que isto significa é que ainda mais do que para a OTAN, monopolizar a atenção da Rússia no Cáucaso pode ser lucrativo para o próprio Erdogan. Como salienta Mr. C, "nesta situação, a alavancagem, 'o trunfo' de Alto Carabaque nas mãos da Turquia seria útil para as negociações com a Rússia".

Não há dúvidas: o sultão neo-Otomano nunca dorme.*******

 


* Epígrafe acrescentada pelos tradutores.

[1] Seguimos nessa tradução a toponímia definida para o português de Portugal. No Brasil, não encontramos NENHUM estudo linguístico prestável nesse campo. Nagorno-Karabakh é traduzido ao português de Portugal como "Alto Carabaque" (CORREIA, Paulo (Outono de 2008). «Geografia do Cáucaso» (PDF). Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. A Folha - Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 28): 11-13. ISSN 1830-7809. Consultado em 1/10/2020 [NTs].

 

 

 

 

 

By I, Ondřej Žváček, CC BY 2.5, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=11932616

 

 
25941

Fotos popular