Pravda.ru

Notícias » Mundo


IN MEMORIAM: Andre Vltchek, 1962-2020

24.09.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
IN MEMORIAM: Andre Vltchek, 1962-2020. 34044.jpeg

IN MEMORIAM: Andre Vltchek, 1962-2020

O corpo do jornalista de investigação, cineasta e filósofo Andre Vltchek foi encontrado sem vida na madrugada de dia 22 num automóvel em Istambul.

Flávio Gonçalves, Pravda.ru

A notícia chegou-nos como um choque, para vos sermos sinceros estamos ainda em negação à espera de receber um qualquer relato contraditório em como houve um erro de identificação e Andre Vltchek ainda se encontra vivo, perpetuamente em viagem a relatar os crimes e as injustiças do Império, sempre imparável, um verdadeiro titã na defesa dos oprimidos.

Os leitores das edições em língua inglesa e em língua portuguesa do Pravda.ru estavam familiarizados com o seu nome, em Portugal os seus textos eram também publicados nos portais libertaria.pttiremasmaosdavenezuela.com e resistir.info, vários deles traduzidos por mim para publicação no Pravda.ru e posteriormente reencaminhados para reprodução em portais como o do Centre for Research on Globalization, era também presença habitual nos canais de televisão da iraniana PressTV, da russa RT e até da venezuelana TeleSUR, isto nos tempos de glória deste ambicioso projecto chavista.

Foi uma das primeiras vozes internacionais a defender Lula, publicando inclusivamente a obra "Por Lula: O Brasil de Bolsonaro, O Novo Tubarão Num Mar Infestado de Tubarões" em 2018, sendo que aquando da segunda edição em Abril de 2019 me pediu inclusivamente para interceder junto do núcleo do Núcleo de Lisboa do Partido dos Trabalhadores para determinar se alguém poderia fazer com que um exemplar fosse entregue ao próprio.

Ainda não foram divulgadas as causas da sua morte, não nos surpreenderiam se não fossem naturais do mesmo modo que não será qualquer surpresa se o forem. O último ano foi particularmente intenso e cruel para com Andre Vltchek, tanto física como psicologicamente, quem o seguia nas redes sociais testemunhou quão frustrado se sentia com a generalizada falta de apoio ao seu trabalho, com milhares de seguidores e dezenas ou até mesmo centenas de milhar de leitores em todo o mundo, em língua portuguesa, inglesa e castelhana, a verdade é que contava com menos de uma trintena de patronos.

Migalhas Para um Revolucionário

Desabafava frequentemente que os seus leitores ocidentais só estavam interessados em borlas, em lê-lo talvez por mero entretenimento político ou alívio de consciência, mas que todos os elogios, traduções e partilhas e gostos não se repercutiam em qualquer apoio directo e que tampouco compravam os seus livros, o seu Patreon contava apenas com 26 patronos, sendo um deles este que aqui vos escreve. No último ano contraiu uma infecção que o deixou febril e parcialmente cego numa das suas passagens pela Ásia, na altura pediu-me conselhos de tratamento uma vez que eu próprio no início de 2019 também contraí uma infecção que me deixou parcialmente cego durante uma semana em Lisboa.

Após uma estadia forçada no Chile - que aproveitou para nos deliciar com reportagens em primeira mão sobre os movimentos sociais locais - seguiu para a Venezuela e depois para a Europa após várias jornadas que o levaram a colapsar em Berlim de exaustão. Era uma máquina viva o nosso Andre, sempre em movimento viveu por largas temporadas no Líbano, no Chile - que considerava o seu segundo lar -, no Japão e até no coração do Grande Satanás, os EUA, onde obteve cidadania.

Embora sendo um revolucionário comunista ortodoxo que se deleitava com as conquistas sociais da China, do Vietname, de Cuba e até da Coreia do Norte, o seu coração era imenso o suficiente para aceitar como companheiros de viagem e de luta anarquistas, socialistas diversos, até gente do outro extremo político, desde que nestes testemunhasse uma mesma ética, uma mesma moral, uma mesma vontade de transformar o mundo num sítio melhor para as próximas gerações ou até para as actuais. Estava ainda a 'dever-lhe' uma dezena de traduções e já me tinha oferecido para traduzir para língua portuguesa um ou mais dos seus livros, sem quaisquer custos e publicados pela sua editora, a PT. BADAK MERAH SEMESTA (RINOCERONTE VERMELHO em tradução livre).

Fomos camaradas internacionalistas, colegas em vários projectos jornalísticos e cúmplices no combate por um mundo melhor, chorei literalmente com a notícia da sua morte, era um titã irredento, nunca se rendeu, nunca se vendeu, combateu com todas as suas forças até ao último suspiro, nunca adiando uma viagem ou reportagem por miudezas irrelevantes e reaccionárias como o perigo de vida ou uma infecçãozinha insignificante.

Até sempre camarada, dado o imenso volume da tua obra ainda te iremos manter vivo em língua portuguesa por uns largos meses e aquela entrevista eternamente adiada ficará para quando nos revermos no Grande Pub Celestial, a maior de todas as redacções.

Flávio Gonçalves, Pravda.ru

 

Foto: selfie da autoria do próprio Andre Vltchek 

Flávio Gonçalves é cronista, crítico e difusor literário na edição em língua portuguesa do jornal digital Pravda.ru, diretor da revista "Libertária", tradutor, autarca, membro do Conselho Consultivo do Movimento Internacional Lusófono, sócio fundador do Instituto de Altos Estudos em Geopolítica e Ciências Auxiliares, ativista do Conselho Português para a Paz e Cooperação e das campanhas internacionais Tirem As Mãos da Venezuela e Hands Off Syria Coalition, é colaborador do Centre for Research on Globalization (Canadá) e do Center for a Stateless Society (EUA), ex-jornalista na revista "Your VIP Partner" e no semanário "O Diabo".

 

 

 
7011

Fotos popular