Pravda.ru

Notícias » CPLP


Brasil: Aconteceu há 66 anos

25.08.2020 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Brasil: Aconteceu há 66 anos. 33855.jpeg

Brasil: Aconteceu há 66 anos


Dia 24 de agosto de 1954, há 66 anos atrás, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, Getúlio Vargas frustrou o golpe que unia os militares, políticos da UDN, aos interesses dos Estados Unidos, se matando com um tiro no peito nas primeiras horas da manhã.

 

Sua carta testamento explicava o gesto extremo:
"Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida", dizia a carta, que concluía: "Serenamente dou o meu primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar para a história."


Pela primeira vez na história do Brasil, o povo saiu espontaneamente às ruas para clamar contra os que lutaram desde o início contra os projetos sociais de Vargas e a defesa da riqueza nacional.

 

Principalmente no Rio de Janeiro e e em Porto Alegre os alvos foram a mídia corrupta dos Diários e Emissoras Associados e os representantes do capital americano, inclusive aqui em Porto Alegre o consulado dos Estados Unidos, invadido pelos manisfestantes. Didaticamente, Getúlio explicara porque o golpe contra o seu governo: "Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci.

 

Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso.

 

Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero.

 

Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente.


Marino Boeira é jornalista, formado em História pela UFRGS

 

 
2608

Fotos popular