Pravda.ru

Notícias » CPLP


Enfermeiros de Bragança denunciam precariedade e alertam para cansaço

07.02.2021 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Enfermeiros de Bragança denunciam precariedade e alertam para cansaço. 34872.jpeg

Enfermeiros de Bragança denunciam precariedade e alertam para cansaço

Numa acção frente ao Hospital de Bragança, o SEP chamou a atenção para as condições de trabalho dos enfermeiros na Unidade Local de Saúde do Nordeste e reivindicou a resolução de problemas que se arrastam.

 

Os enfermeiros de Bragança confrontam-se com más condições de trabalho, agravadas pela pandemia, e com problemas que se arrastam CréditosGlória Lopes / JN

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP/CGTP-IN) realizou, esta sexta-feira, uma conferência de imprensa em frente ao Hospital de Bragança, em que abordou as condições de trabalho e os problemas com que se deparam os profissionais de Saúde nos três hospitais e 14 centros de saúde integrados da Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste, que servem todo o distrito de Bragança.

Alfredo Gomes, dirigente nacional do SEP, destacou que os mais de 700 enfermeiros a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde (SNS) nesta região se confrontam com más condições de trabalho, agora «agravadas» pela pandemia, e com problemas que vêm desde 2018.

A organização sindical propõe uma «justa e correcta» atribuição dos pontos para efeitos de progressão na carreira, situação que se arrasta desde Janeiro de 2018 e que, denuncia o sindicato, o Ministério da Saúde não teve em conta.

Reivindica, além disso, a resolução das «inúmeras injustiças» criadas pela reformulação, em 2019, da Carreira de Enfermagem e a Compensação do Risco e Penosidade da profissão, informa o JN.

«O Governo não resolveu os problemas com o descongelamento de carreiras. Nesta instituição, temos vários colegas que ainda não foram reposicionados na carreira, outros não transitaram para a nova carreira, como enfermeiros especialistas, e a outros ainda não lhes foram atribuídos pontos para efeitos de descongelamento, ou nem sequer têm homologada a avaliação de desempenho», afirmou Alfredo Gomes na conferência de imprensa.

Aumento da precariedade e problemas agravados com a pandemia

Os contratos de trabalho precário - outra preocupação abordada pelo SEP - «foram transformados em contratos sem termo às pinguinhas».

O contrato de «todos os enfermeiros admitidos na ULS do Nordeste até 31 de Julho passará a contrato sem termo até 31 de Março, mas todos os outros que foram admitidos posteriormente cessam o seu contrato quando terminar», disse Alfredo Gomes. «E ainda há contratos de substituição, apesar de o Governo ter assumido que ia encontrar uma solução em Dezembro e até hoje não saiu legislação nenhuma para regularizar isto», acrescentou, citado pelo JN.

Os problemas dos profissionais de Saúde aumentaram com a pandemia. «Agora, temos estes problemas agravados e criados outros, nomeadamente as condições de trabalho», declarou o dirigente do SEP, que se referiu ainda às condições da tenda instalada junto à Urgência do hospital, onde são atendidos os doentes com Covid-19 e que, defendeu, «não tem condições de trabalho, chove lá e a climatização é deficiente. Os colegas fazem turnos de 12 horas e têm que mudar de calçado porque molham os pés, faz frio».

Referiu-se igualmente à situação nos Cuidados Intensivos. «Os colegas fazem 12 horas metidos naqueles fatos, o que é uma desgraça e nem têm água fornecida pela instituição para se hidratarem», denunciou.

«Os turnos de 12 horas que nos são exigidos são ilegais. Criaram turnos extraordinários com um valor fixo e não respeitam a regulamentação da carreira», acrescentou Alfredo Gomes, tendo sublinhado que os enfermeiros «estão cansadíssimos».

 

https://www.abrilabril.pt/trabalho/enfermeiros-de-braganca-denunciam-precariedade-e-alertam-para-cansaco

Foto: Por Tradimus - Obra do próprio, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=14911148

 

 
5064