Pravda.ru

Mundo

Parlamento Europeu vota contra inclusão de Julian Assange na Redacção Final do Relatório Sobre Direitos Fundamentais

27.11.2020
 
Parlamento Europeu vota contra inclusão de Julian Assange na Redacção Final do Relatório Sobre Direitos Fundamentais. 34435.jpeg

Parlamento Europeu vota contra inclusão de Julian Assange na Redacção Final do Relatório Sobre Direitos Fundamentais

Flávio Gonçalves

Todas as menções a Julian Assange foram retiradas do relatório mais recente sobre os direitos fundamentais na União Europeia, apesar de todos os esforços em contrário por parte de eurodeputados como a irlandesa Clare Daly.

O Parlamento Europeu aprovou a versão final do relatório sobre os direitos fundamentais referentes a 2018-2019 a 25 de Novembro, excluindo todas as menções ao encarcerado editor e fundador do WikiLeaks, Julian Assange. Uma proposta de alteração para a inclusão de uma referência ao Sr. Assange foi chumbada com 408 votos contra a inclusão, 191 votos a favor e 93 abstenções.

Chris Williamson, ex-deputado do Partido Trabalhista e apoiante de longa data do Sr. Assange, lamentou o voto final afirmando que:

"É um dia triste para a democracia europeia, para a liberdade de expressão e para os direitos humanos. O Parlamento Europeu não conseguiu fazer jus à sua retórica no que diz respeito à defesa dos direitos fundamentais. Demonstrou não ser mais que um tigre de papel que se contenta em ser um poodle do governo dos EUA."

A redacção original do relatório sobre os direitos fundamentais continha uma passagem que afirmava que "a detenção e o processo criminal contra Julian Assange criam um precedente perigoso para os jornalistas como constatado pela Assembleia Parlamentar do Conselho Europeu".

Mas, de acordo com a eurodeputada irlandesa Clare Daly, um comité constituído por eurodeputados do Partido Popular Europeu (PPE), dos Socialistas & Democratas (S&D) e do Renovar a Europa votaram a favor da retirada dessa menção do relatório, no passado dia 23 de Novembro.

O grupo de eurodeputados de esquerda (Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde) e a Srta. Daly, que tinham sido incumbidos de preparar o esboço original do relatório, bateram-se arduamente para que esta citação fosse reintroduzida na redacção final.Num vídeo publicado a 23 de Novembro, a Srta. Daly apelava aos cidadãos da UE para que contactassem os seus eurodeputados e os incentivassem a reinserir o parágrafo que mencionava o Sr. Assange, por via da Emenda 44, na votação final.

"Creio que nenhum relatório sobre a situação dos direitos fundamentais na União Europeia poderá ser levado a sério se falhar em mencionar a perseguição radical e perigosa por parte da administração Trump contra um jornalista por este levar a cabo um trabalho jornalístico importante dentro da União Europeia", afirmava a Srta. Daley na sua mensagem.

Esperava-se que a votação ocorresse a 24 de Novembro, mas foi alterada para a tarde do dia seguinte.

Depois de publicados os resultados da votação ao final da tarde, a Srta. Daly recorreu ao Twitter para denunciar o que considera ter sido uma "falhanço" por parte da UE na defesa da liberdade de imprensa.

Não há teste mais básico sobre se nos importamos com a liberdade de imprensa - protegida pelo Artigo 11 da Carta [dos Direitos Fundamentais da União Europeia] - do que o nosso relatório sobre esses direitos fundamentais conseguir empregar palavras que descrevam o que está a ser feito a Julian Assange.

Hoje o Parlamento Europeu chumbou nesse teste.

Em Setembro, mais de 167 actuais e ex-chefes de Estado, ministros e deputados assinaram uma carta na qual criticavam a detenção e o julgamento do Sr. Assange, apelando à sua libertação.

O jornalista e editor premiado permanece encarcerado na prisão de segurança máxima de Bermarsh enquanto aguarda uma decisão por parte da juíza Vanessa Baraitser quanto à sua extradição para os Estados Unidos. O Sr. Assange enfrenta uma pena de até 175 anos de prisão com base em várias queixas que têm por base a publicação por parte do WikiLeaks de documentos secretos dos EUA que tornaram públicos crimes de guerra, crimes contra a humanidade e outras formas de corrupção e má conduta.

A juíza Baraitser afirmou que iria deliberar até 4 de Janeiro de 2021, embora se espere que tanto a Acusação como a Defesa apelem da decisão ao Tribunal da Relação e depois ao Supremo Tribunal de Justiça do Reino Unido.

-

Mohamed Elmaazi é jornalista, residente em Londres, director do The Interregnum, colaborador da Sputnik News, de The Canary e do The Grayzone entre outros órgãos de comunicação social independente.

© Sputnik News, todos os direitos reservados.

Tradução: Flávio Gonçalves, Pravda.ru | Libertaria.pt

Texto publicado ao abrigo da licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 3.0, pode ser livremente republicado e partilhado com a devida atribuição ao autor, publicação de origem e tradutor.  

Foto: By Elekhh - Own work, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=12276216

 


Fotos popular