Pravda.ru

Mundo

Vade retro Bush, o empresário corrupto

24.11.2008
 
Pages: 123


Banco dos criminosos e vigaristas
Mas ele não desistiu e conseguiu realizar, oito anos depois, uma façanha na política dos EUA ao eleger seu filho para presidente – houve apenas outro caso na história do país, na eleição de John Quincy Adams. Mas a imagem do filho era bem diferente da cultivada pelo pai, um ex-piloto condecorado pelos serviços prestados na guerra e um homem de negócios bem sucedido. Já seu filho, George W. Bush, ficou famoso por fugir do exército durante a guerra do Vietnã, valendo-se da influência do pai, e ainda por suas prisões por dirigir embriagado e até por porte de cocaína na sua fase de universitário. Já no mundo dos negócios, o incompetente atual presidente manteve a tradição da dinastia do envolvimento em casos suspeitos.


Antes de levar à falência três empresas de petróleo – Arbusto, Spectrum e Harken – e virar administrador do time de beisebol Rangers, ele esteve metido em várias falcatruas. A Harken foi processada por fraude contábil, sonegação fiscal e vínculo com o Bank of Commerce & Credit International. O BCCI, apelidado de banco dos criminosos e vigaristas (criminal and crooks) da sigla, promoveu um dos maiores escândalos financeiros da história dos EUA. Ele atolou bilhões de dólares em lavagem de dinheiro do narcotráfico, contrabando de material nuclear e tráfico de armas. Entrou em colapso em 1991, quando sumiram US$ 5 bilhões utilizados no suborno de governantes de 78 países e de 28 senadores e 108 deputados dos EUA.


A família Bush sempre manteve relações estreitas com a direção do BCCI. Richard Helmns, ex-diretor da CIA e embaixador no Irã no tempo do ditador Reza Pahlevi, foi quem apresentou o principal operador do banco nos EUA, Mohammed Rahim Irvani, ao presidente Bush-pai. Antes disso, seu filho já havia virado amigo, durante seu “serviço militar” na Guarda Nacional do Texas, de outro pistolão do BCCI, James Bath. Em 1977, através deste contato, o banco financiou a primeira empresa de petróleo de baby-Bush, então com 31 anos, a Arbusto. Bath, que era representante no Texas da Bin Laden Brothers Construction, também foi o responsável pelo primeiro contato do atual presidente com a família de Osama bin Laden.

 
Apoio dos executivos-ladrões
Outro antigo contato da dinastia Bush que beneficiou o atual presidente foi com o Grupo Carlyle, um dos principais fornecedores do Pentágono. Antes de ser governador do Texas, Bush-II integrou o conselho de direção de uma das subsidiárias deste grupo, a CaterAir. As indústrias deste grupo fabricam, entre outras coisas, o tanque Bradley e as peças do helicóptero Apache. A guerra declarada por George Bush “contra o terrorismo” usa as armas fabricadas pelas empresas do Grupo Carlyle. Outra ironia da história é que a família Bin Laden também é uma poderosa acionista desta corporação transnacional.


Estas intrincadas relações com o “complexo industrial-militar” é que levaram George W. Bush ao poder. Em maio de 2004, quando vários escândalos colocaram no banco de réus os executivos-chefes de várias empresas, a revista Time revelou que sua reeleição teve o apoio financeiro de 261 destes criminosos; 31 contribuíram para seu adversário democrata, John Kerry. Entre as corporações que entraram em colapso por fraudes contábeis estava a Enron, a sétima maior multinacional do mundo na lista da revista Fortune, e a Arthur Andersen. Ambas foram as principais financiadoras de Bush. Ken Lay, o corrupto presidente da Enron, acompanhou-o desde o início da carreira política, ajudando-a a se eleger governador do Texas.


A maior parte da equipe do atual presidente também presta serviços ao “complexo militar-industrial”. O vice-presidente Dick Cheney presidiu a Halliburton Industries, a empresa de petróleo maior beneficiária da ocupação do Iraque; sua esposa, Lynne Cheney, participa do conselho de direção do maior fabricante de armas dos EUA, a gigante Lockheed; o procurador-geral John Ashcroft foi advogado da Monsanto e da AT&T; o ex-secretário de defesa Donald Rumsfeld pertenceu à direção da General Instrument, Sears e Kellogg’s; já o secretário de saúde Tommy Thompson foi, ironicamente, acionista da empresa de fumo Philip Morris; e a atual secretária de Estado, Condoleezza Rice, foi do conselho da Chevron – um dos maiores petroleiros desta empresa foi batizado com o seu nome pelos relevantes serviços prestados.


Máfia dos gusanos cubanos
Como se nota, a dinastia Bush mantém ótimas amizades. Os três irmãos do atual presidente também estão envolvidos em negócios ilícitos. Jeb Bush, governador da Flórida, mantém estreitas relações com a máfia dos exilados cubanos, os gusanos (vermes). Tão logo chegou a Miami, nos anos 80, ele virou sócio do “empresário” Armando Codina – processado por vários casos de corrupção. Depois, passou a freqüentar os luxuosos jantares e a voar no jatinho particular de Alberto Duque – que também foi condenado a 15 anos de prisão por fraudes, mas conseguiu “fugir” da cadeia. O outro vigarista com quem manteve relação foi Hiram Martinez, que também teve prisão domiciliar decretada por especular no ramo imobiliário.

Pages: 123

Fotos popular