Pravda.ru

Mundo

Massacres e repressão são narrados por suas vítimas na Bolívia

23.03.2021
 
Massacres e repressão são narrados por suas vítimas na Bolívia. 35107.jpeg

Massacres e repressão são narrados por suas vítimas na Bolívia

La Paz, (Prensa Latina) Testemunhos de vítimas dos massacres de Sacaba (Cochabamba) e Senkata (La Paz), da perseguição política durante o governo de fato na Bolívia hoje monopolizam as manchetes no meio do processo judicial contra ex-autoridades golpistas.

A hashtag #SomosDemocracia constitui uma aliança da mídia estatal boliviana para comemorar os infelizes acontecimentos que causaram luto a várias famílias e expõe à opinião pública detalhes da repressão contra aqueles que rejeitaram o golpe contra o então presidente Evo Morales em novembro de 2019.

Gloria Quisbert, presidente das vítimas de Senkata, contou ao canal estatal Bolívia TV como um contingente militar atirou em um helicóptero e a negligência médica de alguns médicos deixou feridos para morrer por considerá-los do Movimento ao Socialismo (MAS).

 

Por sua vez, Gonzalo Mamani, vítima do mesmo incidente, contou como os policiais queimaram as bandeiras de Whipala, atiraram gás lacrimogêneo contra mulheres e crianças e agiram com violência por considerarem pessoas ligadas a esse movimento.

Da mesma forma, María Cristina Quispe Mamani, disse à mesma mídia que seu marido perdeu a vida por causa dos disparos de soldados quando ele só ia receber seu salário.

A estratégia de comunicação surge em meio ao processo judicial promovido pelo Ministério Público contra a ex-presidente de fato Jeanina Áñez e ex-membros de seu Gabinete, atualmente em prisão preventiva, processo descrito pela direita boliviana como 'caça às bruxas 'apesar desses testemunhos contundentes.

Por outro lado, o Fórum Latino-Americano de Direitos Humanos (Foladh) lembrou no dia anterior em nota que Áñez cometeu graves violações de direitos humanos, principalmente contra dirigentes e militantes do MAS e grupos vulneráveis, bem como crimes contra a humanidade e criminalizou os protestos sociais .

Foladh denunciou que mais de 150 líderes e membros desse movimento foram submetidos a julgamentos sob acusações de suposta sedição e terrorismo, incluindo acusações contra o líder aimará, todas sem fundamentos plausíveis, como parte de uma campanha de perseguição e exclusão política da principal força opositora.

Além disso, rejeitou a atitude intervencionista da OEA, que mais uma vez defendeu Áñez e seu gabinete, e qualificou essa organização como promotora de cenários de desestabilização e aberta parcialidade.

O Itamaraty denunciou a ingerência daquela organização e assegurou que Luis Almagro, seu secretário-geral, não tem autoridade moral ou política para se referir à Bolívia e favorece interesses privados e políticos, esquecendo as violações, mortes e perseguições cometidas pelo regime de fato.

'Suas ações custaram vidas humanas e ele deve ser responsabilizado por seu comportamento tendencioso e imparcial', denuncia o texto, referindo-se às declarações de Almagro sobre a prisão de Áñez e de vários membros de seu gabinete.

 

https://patrialatina.com.br/massacres-e-repressao-sao-narrados-por-suas-vitimas-na-bolivia/