Pravda.ru

Desporto

Lendas: Raúl Cascaret, um rei mundial da luta cubana

11.12.2020
 
Lendas: Raúl Cascaret, um rei mundial da luta cubana. 34518.jpeg

Lendas: Raúl Cascaret, um rei mundial da luta cubana

Por Lemay Padrón Oliveros Havana, 9 dez (Prensa Latina) Considerado o pioneiro da luta em Cuba, Raúl Cascaret registrou seu nome como o primeiro campeão mundial de um esporte que traz inúmeras alegrias à maior das Antilhas em todas as modalidades.

 

Após 25 anos de sua partida física em conseqüência de um acidente de trânsito, Cascaret continua sendo o único gladiador capaz de vencer a votação anual da Prensa Latina em 1985, mas sua história começou muito antes, sob a orientação do técnico Hugo Shelton, na província oriental de Santiago de Cuba.

O expoente do freestyle percorreu toda a pirâmide de Alto Desempenho de seu país, quando estreou em 1975 nos Jogos Escolares, e depois passou pelos Juvenis e Seniores, categoria em que teve sua estreia internacional com prata nos Jogos Pan-americanos de San Juan 1979.

Apesar dos 17 anos, só cedeu na final da divisão de 52 quilos ao americano Andre Metzger, por isso o mundo da luta voltou os olhos para o prodigioso gladiador de Santiago, já comandado pelo técnico Gustavo Rollé.

No ano seguinte, ainda juvenil, ele alcançou um quarto lugar louvável nas Olimpíadas de Moscou de 1980, nos 62 quilos, ao cair nas semifinais contra o soviético Magomedgasan Abushev, que acabou sendo o vencedor.

Os Jogos Universitários Mundiais em Bucareste de 1981 deram a ele sua primeira coroa no mais alto nível, alcançada depois de vencer o sul-coreano In-Tak You na final da divisão de 68 quilos.

Sua progressão foi apreciada no mundial de 1982, realizado na cidade canadense de Edmonton, onde conquistou a medalha de prata, já que só cedeu ao soviético Mikhail Charatschura.

Com tal endosso, poucos se surpreenderam com sua coroação nos Jogos Pan-americanos de Caracas em 1983, quando liderou a seleção caribenha que pela primeira vez dominou o quadro de medalhas de estilo livre em eventos continentais.

Poucos meses depois, conquistou o ouro nos 74 quilos do estilo greco-romano no Campeonato Centro-Americano e Caribenho da modalidade, pois sua qualidade era tal que impunha respeito nos dois estilos.

Em 1984 ele também participou dos Jogos da Amizade em Sófia, Bulgária, onde conquistou a medalha de prata depois de ser derrotado na final pelo soviético Taram Magomadov, e na Copa do Mundo levou o bronze ao perder por 2-3 para o americano Lee Kemp.

Essa luta ainda é considerada por muitos como uma das melhores da história do wrestling amador, e apesar de ter caído para o tricampeão mundial do norte, isso lhe deu confiança para continuar subindo no palco mundial.

PARA A CONQUISTA DO MUNDO

A cidade de Budapeste reservou para ele o melhor sucesso em um Campeonato Mundial de 1985, após várias campanhas lado a lado com a elite de sua categoria.

Para obter o trono, derrotou uma lenda como o americano David Schultz, vitória que o deixou como primeiro campeão mundial da especialidade em Cuba e Melhor Atleta da América Latina pela pesquisa Prensa Latina.

Nenhum outro gladiador cubano havia conquistado a coroa universal neste esporte, dominado por americanos e europeus, e até então o destaque era a prata obtida por ele mesmo em Edmonton 1982.

Além disso, a capital húngara voltou a recebê-lo de braços abertos no ano seguinte, e mais uma vez Cascaret foi coroado na competição mundial, desta vez ao derrotar o soviético Adlan Varayev na final de 74 quilos.

Nessa temporada, agregou um ouro que faltava em suas vitrines, o dos Jogos da América Central e do Caribe, ao dominar o evento organizado na cidade dominicana de Santiago de los Caballeros. Quando estava saboreando os melhores momentos de sua carreira, veio 1987, e com ela derrotas na final do Campeonato e nos Jogos Pan-americanos de Indianápolis para o anfitrião Schultz, e um inesperado quinto lugar na Copa do Mundo realizada em Clermont-Ferrand, na França.

Esses resultados o afetaram muito do ponto de vista psicológico e estava prestes a se aposentar, mas com apenas 27 anos decidiu voltar e subiu para 82 quilos, peso com que continuou a reinar em Cuba e alcançou o bronze na Copa do Mundo de 1989.

Porém, poucos meses depois, no Pan-americano da disciplina, sediado em Colorado Springs, Estados Unidos, perdeu para o local Royce Alger.

O resultado encerrou sua carreira profissional, embora a cerimônia oficial de aposentadoria tenha ocorrido durante a comemoração em Havana dos Jogos Pan-americanos de 1991.

Cascaret, talvez, poderia ter abraçado a glória olímpica, ou pelo menos subido ao pódio nessas competições magníficas, mas a ausência de Cuba nos eventos de verão de Los Angeles-1984 e Seul-1988 vetou essa possibilidade. Após a aposentadoria, atuou como treinador de wrestling em Havana, sem perder o vínculo com a seleção nacional, até que em 26 de março de 1995 morreu um consequência de um acidente de trânsito, quando se preparava para cumprir uma missão de colaboração no Panamá.

Porém, sua qualidade técnica, combatividade e dedicação o guardam na memória da torcida cubana, que o premiou ao selecioná-lo entre os 100 melhores atletas da ilha no século XX.

jdg / fg / lpo / hb

(O texto faz parte da seção Lendas, que revive histórias de atletas latino-americanos relevantes)

 

https://www.prensalatina.com.br/index.php?o=rn&id=36770&SEO=lendas-raul-cascaret-um-rei-mundial-da-luta-cubana