Pravda.ru

CPLP » Brasil

Maior colapso hospitalar da história do Brasil

18.03.2021
 
Maior colapso hospitalar da história do Brasil. 35079.jpeg

Maior colapso hospitalar da história do Brasil

Por Altamiro Borges

Enquanto Jair Bolsonaro parece zombar de milhares de mortos e "passa os dias a contar piadas no Palácio", segundo notinha venenosa da revista Veja, um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) concluiu que o Brasil vive "o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história".

De acordo com o levantamento, divulgado na terça-feira (16), 24 estados e o Distrito Federal já estavam com taxas de ocupação de leitos públicos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes de covid-19 igual ou superior a 80%. Destes, 15 tinham taxas iguais ou superiores a 90%.

 

O estudo mostra que a situação é semelhante nas capitais: 25 das 27 estão com ocupação de UTIs públicas igual ou superior a 80%; em 19 delas, a taxa está acima de 90%. As porcentagens mais altas são as de Porto Alegre (RS), com 103%; Porto Velho (RO), 100%; Rio Branco (AC), 100%; Cuiabá (MT), 100%; e Palmas (TO), Teresina (PI), Curitiba (PR) e Florianópolis (SC), todas com 98%.

Para os pesquisadores da Fiocruz, os números confirmam o colapso do sistema de saúde - que o governo do genocida insiste em negar - e devem piorar ainda mais nos próximos dias. A situação mais preocupante é a do Rio Grande do Sul, que já registra 100% de ocupação dos leitos de UTI.

Fiocruz sugere medidas duras de contenção

Diante da gravidade do quadro, a Fiocruz apresentou várias sugestões concretas e imediatas para conter o avanço do número de casos e mortes e para diminuir as taxas de ocupação dos leitos hospitalares As medidas são duras, não brincam com a morte - como faz o genocida Jair Bolsonaro. Vale citar algumas delas:

- Suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação do país;

- Proibição de eventos presenciais, como shows, congressos, cultos religiosos e eventos esportivos em todo território nacional;

- Toque de recolher nacional a partir das 20h até as 6h e durante os finais de semana;

- - Fechamento de praias e bares;

- Instituição de barreiras sanitárias nacionais e internacionais, considerando o fechamento dos aeroportos e do transporte interestadual;

- Adoção de medidas para redução da superlotação nos transportes coletivos urbanos;

- Ampliação da testagem e acompanhamento dos testados, com isolamento dos casos suspeitos e monitoramento dos contatos.

O exemplo da cidade de Araraquara

Conforme realça o site UOL, "para comprovar a eficácia das medidas restritivas, a Fiocruz cita como exemplo a cidade de Araraquara, no interior de São Paulo, que vivia um colapso no sistema de saúde. Entre 1º e 6 de fevereiro, a taxa de ocupação de leitos no município saltou de 56% ("baixa") para 84% ("crítica"), chegando a 100% em 15 de fevereiro".

Diante do colapso, a prefeitura adotou de forma corajosa uma série de restrições para atividades não essenciais e para circulação de pessoas. O lockdown foi decretado em 21 de fevereiro. Nem o transporte público funcionou e os supermercados atenderam apenas por delivery durante seis dias, retornando em 27 de fevereiro.

"Com as restrições, a cidade conseguiu reduzir a transmissão do coronavírus e, consequentemente, o número de infectados: entre 21 de fevereiro e 10 de março, a média móvel diária de novos casos de Covid-19 foi de 189,57 para 108 - uma queda de 43,02%", relata o site.

"O município de Araraquara é um dos exemplos atuais de como medidas de restrição de atividades não essenciais podem não só evitar o colapso ou mesmo prolongamento desta situação nos serviços e sistemas de saúde, resultando na redução da transmissão, casos e óbitos, protegendo a vida e saúde da população", enfatizam os pesquisadores da Fiocruz.

 

https://patrialatina.com.br/maior-colapso-hospitalar-da-historia-do-brasil/