Pravda.ru

CPLP » Brasil

Lava Jato - um cadáver insepulto

17.02.2021
 
Lava Jato - um cadáver insepulto. 34931.jpeg

Lava Jato - um cadáver insepulto

 

                                                                                                                                      Por Wil Prado

 

Como nas peças teatrais de Shakespeare, o fantasma da Lava Jato ainda vagueia, assustando alguns e repugnando a outros.

 

Dou a mão à palmatória e confesso que fui um lavajatista de primeira hora. Desses que vestem a camisa, como se diz. Uma operação para erradicar a endêmica e crônica corrupção brasileira, essa velha senhora que há mais de 500 anos campeia impune pelas nossas instituições, surrupiando aqui e ali, mas nunca punida, pois blindada pelos poderosos de plantão. Uma força-tarefa para investigar e botar na cadeia não apenas os bandidos comuns, que agem às escuras, mas também os de colarinho branco, que dão expedientes em luxuosos gabinetes (particulares ou governamentais) à luz do dia - não era esse o anseio de todos os brasileiros que pagam seus impostos em dia?!

E a operação, que ganharia esse nome por ter começado investigando postos de gasolina e Lava jatos que vinham servindo para lavar dinheiro de doleiros, logo evoluiria para grandes empresas nacionais, como Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia, empreiteiras com um histórico de décadas de corrupção, e já ramificadas em outros países aqui da América do Sul.  E, fato inédito, pela primeira vez, víamos a detenção de grandes empreiteiros, até então intocáveis. Por outro, funcionários públicos do alto escalão, diretores de estatais, como o da Petrobrás, eram detidos em ações cinematográficas, com escolta e holofotes. Aplaudíamos eufóricos: o Brasil estava sendo passado a limpo.

A grande mídia desde o início encampou a causa: cobertura farta e espetaculosa, com helicópteros, drones e o escambau!  E no encalço das investigações (em alguns casos, mesmo, à frente), estouravam as manchetes de apoio à operação que salvaria o Brasil da corrupção! Contudo, em momento algum - como é praxe jornalística - ela parou para analisar e questionar se o assunto estava sendo tratado com absoluta lisura; se havia um correto procedimento jurídico, provas factuais, requisitos esses inarredáveis no exercício das democracias.  Ao que parece, para a mídia corporativa isso não era o fundamental, até porque sempre se poderia dar um jeitinho - afinal, os fins não justificam os meios?     

A reboque, e empolgados, passamos a acompanhar o estardalhaço dos telejornais, as manchetes das revistas, sempre de olhos e ouvidos atentos, esperando o próximo capítulo, o próximo escândalo. Os procuradores da Lava-Jato, em sua maioria, jovens de classe alta e bem aparentados (homens brancos, claro), alçados ao pedestal de vestais pela mídia, da noite para o dia se viram transformados em verdadeiros heróis, incansáveis e imbatíveis no combate à corrupção. Cá no meu canto, eu achava tudo aquilo um pouco exagerado. Mas, vá lá, também estava feliz: era o preço a pagar para resgatar  nosso Brasilzão das garras da corrupção!                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      

Mas, como diz o velho ditado popular, "Alegria de pobre dura pouco", e meu encanto, como de grande parte da população, logo se transformaria em desencanto. À medida que avançava a operação, surgiam os primeiros vícios e mazelas: linhas de investigações que pareciam promissoras eram abandonas em prol de outras sem fundamento, tudo de acordo com interesse político-partidários. E o pior, com o tempo ficou notória a tendência seletiva das investigações: esse pode, aquele não pode; omite isso, ressalta aquilo. A esquerda abriu a boca, denunciou o direcionamento das investigações. Mas a mídia empolgava os cidadãos, e, como é sabido, não se mexe em time que está ganhando.

E onde estavam as instâncias superiores - Supremo Tribunal Federal e Procuradoria Geral da República, responsável pela decisão de abertura e coordenação de todas as operações? Driblados pelos garotos expertos, que preferiam tratar diretamente com alguns delegados da Polícia Federal escolhidos a dedo, o próprio MPF-PR e o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, à época Sérgio Moro, uma espécie de tutor da operação.

E a turma da República de Curitiba (qualquer semelhança com a República do Galeão, que acossou Getúlio até o suicídio, não é mera coincidência) palpitava nas redes sociais para desestabilizar o governo nacionalista de Dilma, abrindo caminho para o seu objetivo maior: atrelar a nação aos interesses do neoliberalismo internacional, com a Petrobrás enfraquecida e o pré-sal dividido em cotas vendidas em leilões internacionais, nossa indústria naval sucateada e as grandes construtoras falidas, acumulando milhares e milhares de desempregados. Desserviço que tivera início com o governo entreguista de Fernando Henrique, vendendo estatais a preço de banana na xepa, como foi o caso da Valle do Rio doce, que logo em seguida seria uma das responsáveis pelas tragédias de Mariana e Brumadinho. Vendas que seriam devidamente interrompidas pelo governo nacionalista de Lula. 

Atrelada a interesses internacionais, sobretudo dos EUA (país visitado várias vezes por Moro, e que, em contrapartida, enviaria pelo menos 17 agentes do FBI para Curitiba, sem o conhecimento do Judiciário, como manda a lei), ao fim e ao cabo as denúncias redundariam em bilhões de dólares pagos pela Petrobrás como indenização aos acionistas americanos. Só aí já cabia um processo pelo crime de lesa-pátria.

Mas eles fariam mais. Comprometeriam grande parte da indústria pesada da construção civil que, paralisada, trariam milhares de desempregos.

Denúncias contra a Lava-Jato alertavam que, manipulada por interesses político-partidários, agiam com estranha independência, e à socapa, instrumentalizando o Poder Judiciário e o Ministério Público Federal, como se, independentes, pudessem ter um Código de Processo Penal próprio. Mas a mídia corporativa relativizava as denúncias, blindando a Operação.

Paralelo a isso, correndo em outra raia, o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, mesmo acossado por poderosos, fazia o seu papel, ainda que com menos aplauso da mídia.  E foi pelas mãos dele que, como em uma peça de Shakespeare, iríamos presenciar, na telinha, cenas dantescas gravadas por um delator: negociatas em porões de palácios, na calada da noite ("Faça isso, viu?"), para comprar o silêncio de um importante político; assessor correndo para o aeroporto com mala de dinheiro; parentes (irmã e primo) detidos com bolsas de repletas de cédulas. Ah, naturalmente que, presos em flagrante, amargariam uns bons anos de cadeia! - rejubilávamos todos nós. Ledo engano. Sairiam dias depois, livrinhos como pássaros que sobrevoam os gramados da Esplanada.

E a operação, que já havia cometido várias irregularidades, descambaria de vez para a ilegalidade. Os procurados, coordenados por Dallagnol e orientados pelo próprio Moro (que devia ser imparcial), forjariam um PowerPoint onde acusavam Lula de ser o chefe de uma quadrilha, mas sem apresentar quaisquer provas. Aliás, em um momento de fraqueza, eles próprios admitiriam: "Não temos provas, temos convicções", como se a Justiça pudesse abrir mão de provas e condenar um réu por convicções pessoais dos seus acusadores.  

A essas alturas não havia mais a menor dúvida de que o objetivo imediato da nefasta operação era incriminar o PT e impedir Lula de ser o próximo presidente do Brasil, como indicavam todas as pesquisas. Para tanto, forjaram açodadamente um julgamento "tabajara", em que o ex-presidente teria supostamente recebido como propina um apartamento que nunca foi seu, jamais teve a posse das chaves, e onde ele nem ao menos dormiu uma noite - imóvel esse, à época, registrado em nome da Construtora OAS. Lula, ironicamente, protestara: se o tal triplex era dele, por que não passavam para o seu nome?  Ao ter início o tal julgamento, logo a primeira fala de Lula fora emblemática: ele questionaria Moro se vinha a Curitiba para prestar depoimento a um juiz imparcial. Moro gaguejou e saiu pela tangente, como lhe é peculiar.

E se fora totalmente irregular o julgamento em primeira instância (renegando importantes testemunhas elencadas pela defesa), mas vergonhoso seria em segunda instância, engolindo todos os prazos processuais para que a sentença saísse antes da oficialização da candidatura do réu para presidente.

Cúmulo dos cúmulos, alterariam casuisticamente as leis para que Lula, condenado em segunda instância, fosse apenado, dispensando, inconstitucionalmente, as outras duas instâncias, como é direito de qualquer cidadão brasileiro.

Embora injusta - e mesmo criminosa -, Lula cumpriu sua pena de 580 dias, de cabeça erguida, sem pedir arrego, pois, como bravo nordestino, sabe que o bom cabrito não berra. Não aceitou regalias nem qualquer tipo de negociações para cumprir a pena em regime aberto (Ser humilhado por uma tornozeleira? Esse gosto ele não daria aos seus algozes). Até porque isso seria admitir que teria cometido algum crime, ele que sempre jurou um dia provar sua inocência.

Um fato novo mudaria o rumo da História. O Intercept Brasil, em um golpe de sorte - não apenas para o órgão noticioso, mas também para toda a Democracia -, foi contactado clandestinamente por hackers, que afirmavam ter interceptado conversas telefônicas nada republicanas entre o juiz Moro e o coordenador da Operação Lava Jato de Curitiba. O escândalo estourou com grande repercussão, abalando não apenas os meios políticos, mas também os meios jurídicos. Moro, já então Ministro da Justiça do governo que ajudara a eleger - afastando Lula -, alegou que as gravações eram falsas. Não imaginava que o que viera à tona fora apenas a ponta do iceberg, e que o pesado ainda estava por vir. De fato, uma avalanche de gravações comprometedoras - depois de cuidadosa checagem jornalística - viriam a ser publicadas, periodicamente e em série, compondo o dossiê denominado de Vaza-Jato, que mais tarde viria a ser partilhado pela Folha de São Paulo e a revista Veja, ainda que através de um filtro de conveniências.

E o Intercept revelaria verdadeiras pérolas trocadas entre os membros da Lava Jato, que deveriam dar manchetes, mas seriam discretamente reduzidas a notas de rodapé, como se diz, pela imprensa corporativa. Peguemos apenas uma como exemplo: "Olhem que legal. Sexta vou dar palestra para a Neoway..." , exclamava um eufórico Dallangnol. "Top Delta!!!  De repente, se conseguir um espaço para conversarmos com ele e tentarmos algo para trazer uma solução para agregar ao LinA, seria massa tb!", aplaudia um não menos eufórico procurador Noronha.  Agora, um detalhe: a Neoway, em questão, é uma empresa de informática investigada pela própria Lava Jato por corrupção. Por essa palestrinha (hospedado com a família em resort de luxo com todas as despesas pagas), nosso procurador recebeu uma bagatela de 33 mil reais.

E mais: a operação pleiteava soma bilionária para gerir um "fundo anticorrupção". Fico a imaginar o que planejavam fazer com essa verba esses mimados garotos.

Estranhamente, a Polícia Federal, comandada por Moro, nada investigava, interessada apenas em capturar os hackers, como se invasão de celulares fosse um crime maior do que armações judiciais. Como previsto, presos, confessariam tudo, mas o caso seria abafado. Por outro lado, embora Moro e Dallangnol sempre alegassem que as gravações exibidas pelo Intercept eram forjadas, nunca apresentaram quaisquer provas em suas defesas, como, por exemplo, o registro nos aparelhos invadidos. Ao contrário, foram escondidos à sete chaves. Estranho. Dizem que "quem não deve não teme".

Moro, agora alçado a Ministro da Justiça pelos bons serviços prestados à campanha de Bolsonaro, dificultava as investigações. E, mesmo depois de brigar com o chefe e cair em desgraça, o ex-juiz ainda tinha influência junto ao STF, conseguindo manter viva a Orcrim - Organização Criminosa - como a ela se refere Gilmar Mendes.

Dizem que "a Justiça tarda, mas não falha". E isso mais uma vez se comprovou: finalmente a casa caiu. Dallangnol, o coordenador, foi afastado, Moro está prestes a ser enquadro pelo STF por suspeição pela sua atuação parcial no "julgamento" do Lula.  E desde o dia 1º desse mês a PGR decretou a extinção da Lava-Jato, absorvida pela CAEGO.

 Recentemente um deles tentou justificar a trapalhada alegando que eram diálogos descontraídos, "conversas de botequim", como se isso servisse de plena justificativa para as tramoias arquitetadas. É como se, flagrados na "Farra do Boi", seus adeptos alegassem que era apenas uma brincadeira. Não. Assim como é crime a "Farra do Boi", é crime a "Farra da Lava Jato".

Resumo da ópera: empresários e delatores estão em casa, com suas contas bancárias forradas, enquanto milhões de brasileiros, que perderam seus empregos nessas empresas, estão nas ruas, ou nas esquinas do subemprego, lutando com unhas e dentes pelo pão nosso de cada dia.

Mas nem tudo está perdido. Continuamos confiando nas instituições judiciais. Que o exemplo da Lava Jato sirva de alerta para que a Justiça nunca se deixe cair na tentação de se politizar, fenômeno que chamamos de "Lawfare" (mau uso das leis para coagir adversários políticos). Soberana e independente, que assuma seu trabalho de forma autônoma e imparcial, sem os erros grosseiros praticados pela extinta Operação. E sempre focada na plena normalização democrática do País, defendendo o estado de direito, prerrogativas constitucionais e direitos civis, tão ameaçados atualmente, pois o Brasil depende, espera e aguarda impoluta atuação de toda a estrutura do Judiciário.

A força-tarefa de Curitiba é hoje um cadáver insepulto, e que, como os fantasmas do dramaturgo inglês, vagueia pelos meandros da Justiça, assustando a uns e repugnando a outros, com seus miasmas contaminantes, aguardando enterro definitivo.

Lamentavelmente, concluímos que não foi dessa vez. Mas o Brasil ainda espera a sua verdadeira Operação Mãos Limpas, aos moldes, talvez, da italiana.  Aliás, o juiz daqui declarou ter se inspirado naquele. Talvez. Vá se saber. O fato é que, por ambição pessoal ou outros inconfessáveis interesses, ao invés de passar o país a limpo, como todos esperávamos, ele desguiou seus caminhos, imiscuiu-se com políticos, chafurdou na lama, e terminou sujando as mãos, a consciência e a própria biografia.

Wil Prado é autor de "Sob as sombras da agonia", Chiado Editora, e "Um vulto dentro da noite", disponível em formato ebook na Amazon.

Foto: By Sb2s3 - Own work, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=44188845