Pravda.ru

CPLP » Brasil

Brasil: Pesquisa de Esporte

09.05.2006
 
Pages: 123

Embora o quadro esportivo na rede estadual de ensino fosse bem melhor do que o da rede municipal – na qual apenas 12% das escolas possuíam alguma instalação esportiva -, ainda pode ser considerado elevado o número de escolas públicas estaduais sem infra-estrutura física para a prática esportiva.

As percentagens de escolas estaduais com instalações esportivas por unidade da federação.

São Paulo concentra 21% do pessoal ocupado no esporte nos governos estaduais

Em média, 2.608 pessoas encontravam-se ocupadas na atividade de esporte nos governos estaduais, número que somente foi superado pelas 7.914 e 4.717 pessoas ocupadas nas regiões Sudeste e Sul respectivamente.

Do total de 67.799 pessoas ocupadas nos governos dos estados na atividade de esporte, 46,7% concentravam-se na região Sudeste. Em seguida vinham as regiões Sul (20,9%) e Nordeste (14,8%). São Paulo (14.204), Minas Gerais (8.310) e Rio de Janeiro (7.287) foram os estados que determinaram a maior participação do Sudeste no total de pessoal ocupado no esporte, com São Paulo respondendo por 21%.

Quanto à composição do pessoal ocupado no esporte por regime de contratação4, as médias nacionais foram de 69,3% de estatutários, 9,2% de celetistas, 1,1% de somente comissionados e 20,4% sem vínculo. O pessoal sem vínculo empregatício em relação ao total apresentou participações relevantes nas grandes regiões, com exceção da Sul (2,8%): Norte (12,0%), Centro-Oeste (17,4%), Nordeste (23,4%) e Sudeste (29,4%). Merecem destaque as participações do pessoal sem vínculo em relação ao total nos seguintes estados: Roraima (27,7%), Amapá (18,6%), Amazonas (18,4%), Bahia (47,0%), Ceará (35,9%), Pernambuco (29,6%), Paraíba (21,1%), São Paulo (54,4%), Rio de Janeiro (20,6%), Mato Grosso (35,4%) e Goiás (23,0%).

Na grande maioria desses estados, o pessoal sem vínculo empregatício reunia especialmente professores de educação física sob contrato temporário, trabalhando na rede pública estadual de ensino e, num plano inferior, técnicos, instrutores e monitores não-graduados de educação física e pessoal de apoio, contratados por tempo determinado.

Os professores e profissionais graduados em educação física respondiam por percentuais próximos ou superiores a 90% do pessoal ocupado no esporte nos governos estaduais de cada uma das grandes regiões. Uma exceção foi a região Nordeste (78,5%), fortemente influenciada pelo expressivo percentual dos profissionais não-graduados da Bahia (45,5%), o que, por sua vez, guarda uma estreita relação com a percentagem de pessoal sem vínculo empregatício (47,0%). Havia ainda expressivas participações dos profissionais não-graduados no Piauí (36,3%), Espírito Santo (32,7%), Santa Catarina (23,4%), Goiás (19,8%) e Roraima (16,5%). Por último, apenas Alagoas (12,7%) e Goiás (10,8%) apresentaram participações merecedoras de registro de estagiários não-graduados ocupados na atividade de esporte em relação ao total de pessoal de cada estado respectivamente.

Quanto à distribuição do pessoal técnico dos governos dos estados segundo as manifestações do esporte, era expressiva a concentração no esporte educacional, em razão do elevado número de professores e profissionais graduados em educação física lotados nas escolas públicas estaduais. Os percentuais do pessoal técnico alocado no esporte educacional variaram de 88,8% na região Norte a 99,0% na Sul, sendo expressivos também em todos os estados.

Enquanto Tocantins (13,6%) e Distrito Federal (9,9%) merecem destaque pela participação de pessoal técnico no esporte de rendimento (de competição); Amazonas (16,5%), Amapá (11,9%), Rio de Janeiro (11,0%), Goiás (9,9%) e Tocantins (9,7%) tiveram alguma expressão no pessoal técnico alocado no esporte e lazer.

1 Exclusive aqueles de propriedade do estado e que se encontravam sob a gestão das prefeituras, que foram objeto de investigação do Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC).

2 Exclusive as quadras de propriedade do estado e que se encontravam sob a gestão das prefeituras, que foram objeto de investigação do Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC).

3 Por eles executados e/ou que contaram com sua participação.

Pages: 123