Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Primeiro governo Lula chega ao final com avaliação positiva de 76%

Às vésperas da conclusão do primeiro mandato, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é avaliado positivamente por 76% do eleitorado, segundo pesquisa feita pela Fundação Perseu Abramo nos dias 27 e 28 de novembro e divulgada neste sábado (16).

A pesquisa, de responsabilidade do Núcleo de Opinião Pública da Fundação, mostra que 55% dos entrevistados acham o governo bom ou ótimo, contra apenas 11% que o consideram ruim ou péssimo. Para 32%, a administração federal é regular. Destes, 21% dizem que é “regular para boa”, daí o total índice positivo de 76%.

O trabalho também indicou um aumento da simpatia do eleitorado pelo PT, que foi a 29% e aproximou-se dos níveis do final de 2002, quando o índice atingiu 32%.

Percepções sobre a reforma política

Tais avaliações constam dos dados preliminares do levantamento, destinado, na verdade, a medir a percepção dos eleitores sobre a reforma política – tema do seminário realizado pela mesma fundação entre ontem e hoje.

Foram ouvidas 2.400 pessoas acima de 16 anos em todas as regiões do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Uma das principais constatações do trabalho, segundo o coordenador Gustavo Venturi, foi de que a discussão sobre a reforma política e todas as demais – embora amplamente apontadas como fundamentais por muitos setores da sociedade – ainda não entrou no cotidiano da população.

Nas respostas espontâneas à pergunta sobre qual deve ser a reforma prioritária ao país, a política aparece na última colocação, ao lado de “Saúde” e Previdência, todas com apenas 4%. A principal reforma lembrada pelos entrevistados, espontaneamente, foi a Agrária, mas também com baixo nível de citação: 7%.

No questionário estimulado, a reforma política fica na quarta colocação, sendo apontada por somente 17% como prioridade máxima. Apesar disso, a mudança nas regras que envolvem partidos, eleições etc. é considera “muito importante” para 73% das pessoas – e só 4% acham que ela não tem qualquer importância.

Em relação aos pontos específicos da reforma, o de maior aceitação é que se refere à fidelidade partidária. A troca de partido deve ser punida com a cassação do mandato, para 38% dos entrevistados. Outros 38% acham que o parlamentar deve manter-se fiel por até 2 anos. E 23% concordam que se mantenha a “liberdade” para o troca-troca e legendas.

Quanto à reeleição de presidente, governadores e prefeitos, 52% acham que deve ficar como está (mandato de 4 anos, com reeleição). Outros 25% preferem o mandato de 4 anos, sem reeleição; enquanto, para 15%, a possibilidade de reeleição deve ser extinta, desde que os mandatos sejam ampliados para 5 ou 6 anos.

A partir daí, a pesquisa apresenta algumas “surpresas”, principalmente para os que defendem mudanças mais profundas. A maioria dos eleitores (55%), por exemplo, defende o financiamento privado das campanhas, contra 32% que optam pelo financiamento público.

Da mesma maneira, 63% querem que o sistema de votação para os parlamentos permaneça como está, ou seja, com voto diretamente no candidato (ou em lista aberta). Somente 5% são favoráveis à lista fechada (vota-se no partido e este decide, a partir de uma relação prévia, quem irá ocupar as cadeiras), enquanto outros 14% defende, um sistema misto.

A pesquisa também traz um resultado inusitado em relação ao número de partidos que o Brasil deveria ter. Embora 75% defendam a pluralidade, para 12% dos eleitores, o país estaria melhor se tivesse apenas um partido, enquanto outros 10% vão mais longe ainda e acha que o ideal seria não haver partidos.

Venturi, no entanto, não considera este dado como um traço de autoritarismo. Para ele, a maioria das pessoas que dá este tipo de resposta o faz por desinformação e devido a uma certa “ingenuidade” quanto à complexidade das relações políticas.

Pesquisa: Ibope confirma altos índices de aprovação ao primeiro governo Lula

Nova pesquisa de opinião pública divulgada nesta segunda-feira (18) confirma os altos índices de aprovação ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, faltando menos de um mês para o término de seu primeiro mandato.

Levantamento do Ibope, feito sob encomenda da CNI (Confederação Nacional da Indústria), mostra que 57% dos entrevistados acham o governo Lula bom ou ótimo, maior índice desde o início do mandato, em janeiro de 2003. A nota média dada ao governo (7) também é maior dos quatro anos.

Na outra ponta, apenas 13% consideram a administração federal ruim ou péssima. Para 28%, ela é regular.

Já a aprovação à maneira de o presidente governar chegou a 71%, marca só superada pelo índice obtido em março de 2003 (75%).

Na mesma linha, 68% disseram confiar em Lula, contra 28% que não confiam. A diferença entre um e outro índice (40 pontos) é a maior desde dezembro de 2003.

Expectativas

O Ibope ouviu 2.002 eleitores de 140 cidades, entre os dias 7 e 10 de dezembro, e perguntou também sobre a expectativa em relação ao segundo mandato.

Para 68% dos entrevistados, o segundo governo será ótimo ou bom, enquanto 11% esperam que seja ruim ou péssimo. Para 17%, será regular.

Os eleitores disseram ainda que as prioridades, a partir de agora, devem ser saúde (52%), emprego (39%), combate à violência (26%), educação (26%), combate à fome e à pobreza (16%), combate à corrupção (10%) e combate à inflação (5%).

Quando a pergunta se refere aos temas que exigem “atenção especial da sociedade”, as prioridades mudam. Nesse caso, o combate à corrupção aparece em primeiro lugar, com 27%, seguido por segurança pública (23%), melhoria da qualidade da educação (20%), desenvolvimento econômico (9%) e redução dos gastos públicos (7%).

Política e reforma

A pesquisa mostrou que a 90% das pessoas nunca participaram de atividades ligadas a partidos políticos, enquanto 71% jamais militaram na defesa das idéias em que acreditam.

A igreja e a escola dos filhos, de acordo com o levantamento, ainda são os locais onde as pessoas mais participam de atividades sociais. Na primeira, 35% disseram ter participação ativa. Na segunda, 27%.

As perguntas específicas sobre reforma política revelaram que 54% dos entrevistados são contra o voto obrigatório, apenas 16% defendem o financiamento público de campanhas, 52% querem a fidelidade partidária e 58% aprovam o instituto da reeleição

Ler o relatório na íntegra

http://portal.cni.org.br/cni_publishing_agencia_cni.nsf/all/A8FE2EA43B02F654832572480045BB47/$File/CNI%20IBOPE%20-%20DEZ%202006.pdf?OpenElement

Datafolha: Lula é o melhor presidente da história do Brasil

Pesquisa Datafolha realizada no último dia 13 de dezembro aponta que Luiz Inácio Lula da Silva é o presidente mais bem avaliado da história do Brasil. O levantamento, divulgado na edição deste domingo (17) do jornal Folha de S.Paulo, aponta ainda que há uma forte expectativa positiva para o próximo mandato: 59% esperam que o governo será ótimo/bom.

O principal legado do primeiro mandato, segundo o levantamento, é uma diminuição na percepção de problemas relacionados à miséria e ao desemprego. Háum aumento relativo de dificuldades em outras áreas, como saúde, educação e corrupção.

Lula é apontado espontaneamente por 35% dos entrevistados como o melhor mandatário que o Brasil já teve. O percentual equivale a praticamente o dobro da preferência obtida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) no final de 2002 (18%), quando o tucano encerrou seu segundo mandato.

Na pesquisa atual, enquanto Lula tem 35%, FHC caiu para 12%. Os próximos mais bem avaliados são Juscelino Kubitscheck (11%), Getúlio Vargas (8%; 21% entre os com mais de 60 anos) e José Sarney (5%).

Ainda segundo o Datafolha, Lula também encerra o primeiro mandato com 52% dos brasileiros considerando seu governo ótimo/bom, o maior patamar entre quatro presidentes avaliados pelo Datafolha desde a redemocratização. O melhor índice até aqui (53%) pertence ao próprio Lula, obtido às vésperas do 2º turno eleitoral de 2006.

Os resultados praticamente coincidem com levantamento divulgado ontem pela Fundação Perseu Abramo, segundo o qual o governo Lula é avaliado como ótimo ou bom por 55% do eleitorado.

Expectativa
A expectativa para o segundo mandato de Lula, que começa em 1º de janeiro, é mais positiva que a sua atual avaliação: 59% esperam que ele faça um governo ótimo/bom. Nesse ponto, porém, há uma diminuição das esperanças depositadas em Lula. Antes da posse em 2003, 76% aguardavam um governo ótimo/bom -um recorde.

No caso de FHC, apenas 41% esperavam um governo ótimo/bom dias antes da transição do primeiro para o segundo mandato, no final de 1998. Na época, enquanto o país mergulhava em uma crise que levou a uma forte desvalorização do real em 99, apenas 35% avaliavam FHC como ótimo/bom.

A pesquisa Datafolha, feita no dia 13 de dezembro entre 2.178 brasileiros em 111 municípios de 23 Estados e do Distrito Federal, tem margem de erro de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Desemprego
Embora a falta de trabalho permaneça no topo das preocupações, caiu de 31% no início de 2003 para 27% agora o total dos que afirmam espontaneamente ser o desemprego o principal problema. O índice chegou a 49% em março de 2004.

Criados 5 milhões de novos empregos com carteira assinada e obtida uma melhor distribuição de renda entre 2003 e 2006, os brasileiros apontam agora para outros problemas.

Eles são relacionados à qualidade da saúde (6% apontavam como problema em 2003, contra 17% agora), da educação (subiu de 4% para 9%) e à existência de corrupção no governo (2% para 6%, o maior percentual do primeiro mandato).

Também de forma espontânea, a saúde é avaliada como a área de pior desempenho no primeiro mandato de Lula. Subiu de 4% para 18% o total dos que avaliam mal a área entre 2003 e 2006.


Já o combate à corrupção teve o pior desempenho para 8% dos entrevistados na pesquisa da semana passada. No início do governo, era 1%.

A avaliação do desempenho do governo Lula em outras áreas de grande interesse da população, como trabalho e segurança, ficou praticamente estável entre 2003 e agora.

PT

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter