Pravda.ru

Negόcios

Cuba em sua atual conjuntura

06.12.2020
 
Cuba em sua atual conjuntura. 34486.jpeg

Cuba em sua atual conjuntura

Por Victor M. Carriba Havana (Prensa Latina) Ser ou não ser é hoje a alternativa mais clara para compreender a atual situação econômica e social que Cuba atravessa devido à forte intensificação da hostilidade dos Estados Unidos contra a ilha.

Essa primeira frase do monólogo de Hamlet na obra do dramaturgo inglês William Shakespeare contém a real dimensão dos problemas que a ilha enfrenta ao analisar as declarações do vice-primeiro-ministro Alejandro Gil sobre a situação atual do país.

O contexto geral apresentado pelo também Ministro da Economia é marcado por uma cadeia de problemas interligados sob a pressão do extremo reforço do bloqueio imposto pelos Estados Unidos.

 

Um cerco que dura quase 60 anos e agora se intensificou com mais de 120 medidas decretadas desde 2019 pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contra Havana e o impacto da pandemia Covid-19.

'O bloqueio dos Estados Unidos é assassino', disse Gil para mostrar o verdadeiro caráter dos ataques que visam estrangular a economia cubana e, consequentemente, uma população de mais de 11 milhões de habitantes.

Os custos desse bloqueio pela primeira vez ultrapassaram os cinco bilhões de dólares no ano passado, revelou o ministro.

Entre as novas pressões de Washington contra a ilha estão a implacável perseguição financeira aos bancos, medidas para impedir a entrada de combustível em Cuba, a suspensão de cruzeiros e voos dos Estados Unidos ao país e o ataque às missões médicas cubanas no exterior.

A mais recente foi a proibição do envio de remessas à ilha em meio à nova pandemia de coronavírus SARS-CoV-2, cujo combate até agora consumiu mais de 100 milhões de dólares, para evitar a entrada de recursos importantes em moeda estrangeira.

'Nos encontramos em um cenário totalmente excepcional: fechamento de fronteiras, paralisação de parte importante da atividade produtiva, trabalhadores interrompidos, aumento considerável dos gastos com saúde em moeda estrangeira e em moeda nacional, paralisação de boa parte do setor não estatal e do turismo ', frisou Gil.

Explicou que 'não íamos responder a esse cenário com medidas neoliberais ou de choque', mas buscou-se uma forma de reordenar a economia e enfrentar a situação protegendo a população.

Com esse objetivo, os recursos se concentraram basicamente na aquisição de medicamentos, alimentos e produtos de higiene, bem como na garantia da geração de energia elétrica para evitar apagões. Referindo-se à decisão de criar as chamadas lojas em moeda livremente conversível, um dos principais alvos das atuais campanhas midiáticas contra Cuba, a manchete dizia que é 'uma das formas de sobreviver, de manter a vitalidade da economia nacional e proteger sua população. '

Ele revelou que o país estava perdendo cerca de três bilhões de dólares com uma espécie de mercado paralelo estabelecido por pessoas físicas que viajavam para o exterior e traziam produtos que o país não tinha condições de oferecer.

'Tínhamos que encontrar uma forma de atraí-los e ter um nível de oferta no mercado nacional', disse.

Assegurou que estas lojas permitem um nível de oferta apesar de nem toda a população poder aceder, captam divisas devido à limitação das exportações por falta de abastecimento e redistribuem essas divisas nas produções e serviços nacionais.

Do contrário, como poderíamos ter financiado os recursos de que o país precisa para manter, ainda que em patamar mínimo, as ofertas nas lojas em moeda nacional ?, questionou Gil.

E refletiu: como seriam financiadas as despesas com eletricidade e medicamentos? Como poderíamos gastar mais de cem milhões de dólares na Covid-19? Quantos PCR (testes para detecção de coronavírus) fazemos? Quanto custa? Qual cubano é cobrado?

Da mesma forma, reiterou a validade do princípio da Revolução Cubana de não aplicar medidas neoliberais ou de choque e de buscar uma forma de reordenar a economia e enfrentar o cenário atual protegendo a população.

Essa é a pergunta, Hamlet respondeu em seu solilóquio histórico.

 

 

http://www.patrialatina.com.br/cuba-em-sua-atual-conjuntura/