Pravda.ru

Sociedade » Incidentes

Epitáfio político de George W. Bush: Ninguém vai ter saudades

17.01.2009
 
Epitáfio político de George W. Bush: Ninguém vai ter saudades

Durante oito longos anos, eu guardei informações pensando precisamente na elaboração deste epitáfio final, enquanto assistia o presidente (pequeno p) dos Estados Unidos da América agindo como um animal numa armadilha, com cada movimento a piorar sua situação. No entanto, não sendo o tipo de pessoa que gosta de espancar quem esteja em baixo, vou ignorar as resmas de papel visadas pelo regime assassino e arrogante de Bush e vou tentar apresentar uma avaliação equilibrada do presidente de quem ninguém vai sentir saudades, o presidente que teve tanto êxito, que os Democratas ganharam as eleições de forma esmagadora.

Nesta coluna há oito anos atrás, declarei que George W. Bush não era o homem para o posto, aliás, que ele era o homem errado no lugar errado na hora errada e que a sua política externa seria um desastre. Antes de ele tomou posse, revelei a Condoleeza Rice a fazer comentários depreciativos sobre a Rússia. No entanto, no primeiro ano da sua presidência, eu identifiquei-me com o povo do E.U.A. após os terríveis acontecimentos de 9/11 e entendi plenamente o lançamento do ataque contra o regime Talebaan no Afeganistão, embora lembrando que os Mujaheddin tinham sido lançados debaixo do olhar atento de pessoas como Cheney e Rumsfeld, um movimento que se morfou nos Talebaan, que destruiu o governo socialista progressista do Afeganistão e jogou o seu povo cinco séculos para trás em termos de desenvolvimento.

Na época, oito anos atrás, afirmei que a mídia internacional deveria esquecer os rumores e dar ao novo presidente um livro branco sobre qual ele poderia escrever. E escreveu! Começou com os bombardeamentos de precisão sobre festas de casamento afegãs, que virou um política externa do tipo "Ooops! Ha! Ha! Desculpa!" logo depois de Colin Powell ser castrado por Rumsfeld. Continuou com a invasão ilegal do Iraque (meses antes desta violação do direito internacional, esta coluna afirmou que um monumental erro estava prestes a ser feito) e culminou com a insolência e pura arrogância exibida na face de Moscovo, enquanto o aliado de Washington, Geórgia, foi perpetrar actos de chacina na Ossétia - espelhando a política de massacre realizado pelas tropas do regime Bush no Iraque.

George W. Bush é um presidente (pequeno p) de quem ninguém vai ter saudades. O facto que os últimos dias da sua presidência foram gastos fazendo troça da sua própria estupidez e desesperadamente tentando girar a noção de que ele tentou fazer a coisa certa, é uma tentativa tão pueril de auto-justificação como a da Condoleeza Rice, a "boa menina" que foi tocar Bach perante uma Rainha Elizabeth II bocejante no Palácio de Buckingham.

No estágio internacional, George W. Bush é um presidente de quem ninguém sentirá a falta. Seu turno é sinónimo com a câmara de tortura de Abu Ghraib, o campo de concentração na baía de Guantanamo (a pior violação dos direitos humanos na história da ilha de Cuba), quebra dos direitos humanos e da lei internacional, desrespeito pela Carta da ONU, crimes de guerra, chacina…

George W. Bush é um presidente de quem ninguém sentirá saudades.

A defesa do seu regime dos tantos massacres perpetrados por Israel (um “país” que reivindicou que as vítimas civis de suas campanhas de assassino “não devem ter estado lá ") era um lembrete que o centro nervoso central de Washington e da OTAN estão situados em Tel Aviv. Na sua presidência os EUA bateram registos históricos do desemprego, a economia de mundo chegou a fundir-se e os fundamentos básicos do capitalismo foram revelados por serem disparates.

Por isso, obrigado, George W. Bush. Em oito anos, curtos, você fez aquilo que gerações de académicos tinham tentado fazer há séculos. Os únicos que sentirão tua falta são aqueles que odeiam os Estados Unidos da América, porque cada circo precisa de um palhaço.

Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular