Pravda.ru

Sociedade » Incidentes

RD Congo: 300.000 mulheres violadas

13.02.2009
 
RD Congo: 300.000 mulheres violadas

UNICEF está dando início de uma volta a cinco cidades dos Estados Unidos cujo objetivo é destacar os horrores enfrentados por milhares de vítimas congolesas de violação, apelando para um fim à impunidade para os perpetradores dos piores tipos de violência sexual.

Simples tarefas diárias, como a recolha de madeira e de ir buscar água, expõe milhares de raparigas e mulheres a abusos na região leste da República Democrática do Congo (RDC), "onde a violação é utilizada como uma arma de guerra", disse a Diretora Executiva da UNICEF, Ann M. Veneman.

Sra. Veneman lembrou uma viagem que fez à região oriental da RDC, onde teve conversas com as vítimas brutalmente violadas por vários homens, incluindo um inesquecível encontro com uma moça de 12 anos que tinha sido violada por quatro homens.

"Isso é o que estamos a falar: essas mulheres, as raparigas, as crianças que tenham sido objecto do pior, pior tipo de violência sexual, muitas vezes deixadas na floresta, a serem deixadas para morrer ", ela disse aos jornalistas no lançamento da campanha conjunta UNICEF e V-Day, Parem de violar o nosso maior recurso: Poder para as Mulheres e Meninas da RDC.

A campanha começa com uma excursão às cidades de Nova Iorque, Los Angeles, San Francisco, Atlanta, e Washington, DC, com o objetivo de destacar os horrores enfrentados pelas vítimas, e apela a medidas para pôr termo à impunidade para os autores de abusos contra as mulheres, bem como uma maior independência económica e social para as mulheres e meninas para que elas possam assumir a liderança na prevenção da violência sexual.

A volta será liderada por Eve Ensler, premiada dramaturga de "monólogos da vagina" e fundadora do V-Day, um movimento global para pôr fim à violência contra mulheres e meninas, com Denis Mukwege, fundador do Hospital Panzi onde sobreviventes de violação na República Democrática do Congo são tratadas.

Durante as conversas com Ms. Ensler, Sr. Mukwege irá expor a femicida e as torturas sexuais das mulheres na República Democrática do Congo veiculando as histórias de mulheres sobreviventes no terreno, que se reúnem para quebrar o silêncio, e ele irá descrever suas experiência realizando cirurgias para salvar milhares de mulheres e meninas congolesas destruídas por estupro e mutilações.

"Eu acho que eu nunca acreditei que iria viver para ouvir histórias que foram tão atrozes e horrendas e com a completa indiferença - para ser honesto - da comunidade mundial", disse a Sra. Ensler.

"Deixamos acontecer essas atrocidades entre 10 e 12 anos. Vimos perto de 200.000 e 300.000 mulheres sendo violentadas", disse ela. "Nós temos sangue nas nossas mãos essencialmente".

Fonte: ONU

Acácio BANJA

PRAVDA:Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular