Pravda.ru

Sociedade » Incidentes

8.000 mulheres violadas na RD Congo

09.02.2010
 
8.000 mulheres violadas na RD Congo

Na situação das 8.000 mulheres estupradas na República Democrática do Congo no último no se resume a questão mais ampla da situação deplorável que muitas mulheres enfrentam em uma base diária. Quase metade das mulheres do mundo sofrem algum tipo de violência física e/ou sexual pelo menos uma vez nas suas vidas, enquanto em alguns países, o número chega a 87 por cento.


As mulheres e meninas que vivem no leste da RD Congo, não têm para onde ir, porque as três forças armadas na área, Lord's Resistance Army (LRA) no norte do país, os rebeldes hutus das Forces Democráticas de Libertation du Ruanda (FDLR), no leste e as Forças Armadas da RD Congo (FARDC) no oeste e sul têm uma coisa em comum: eles estupram e torturam mulheres.


Entre eles, estupraram uma média de 160 mulheres nas províncias de Kivu em cada semana, enquanto grande parte da milhão de pessoas deslocadas em 2009 também são mulheres, assim como a maioria das 1.500 pessoas raptadas pelo LRA.


Proporções de Pandemia
Enquanto a comunidade internacional tenta elaborar universalmente legislação reconhecida e depois implementada (por exemplo, a CEDAW, a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres), a realidade sugere que os níveis de violência contra meninas e mulheres tem alcançado proporções de pandemia.


Em uma escala global, até 60 por cento das mulheres experimentam pelo menos um incidente de violência física e/ou sexual nas suas vidas, enquanto que a prevalência varia entre os 15 por cento no mínimo (centros urbanos) e 87 por cento no máximo (Afeganistão). A média é entre 30 a 60 por cento, sendo o ponto médio 45%.


De acordo com um levantamento realizado pela Organização Mundial de Saúde, para meninas e mulheres com idades entre 16 e 44, o estupro e a violência doméstica mostrou-se mais perigosa do que câncer e acidentes de viação, enquanto que existe uma ligação direta entre estupro e incidência do HIV/SIDA.


O menor denominador comum: Homens
Essa violência causa danos irreparáveis físicas e psíquicas e se espalha por todos os continentes, todas as profissões, a cidade e o campo, todas as faixas etárias e classes profissionais. O denominador comum é uma palavra de seis letras: Homens. Esta violência de gênero afeta a produtividade, o desenvolvimento, bem-estar, aumenta a pobreza endêmica e reduz o crescimento económico. Só nos E.U.A., o Center for Disease Control estima que a violência perpetrada pelo parceiro íntimo cria um custo de quase 6 bilhões de dólares por ano.


Progresso e futuro
Pr ogresso está sendo feito. Maiores níveis de educação entre as mulheres e mudança de atitudes entre os homens estão a reduzir a propensão para a violência de gênero nos centros urbanos. 89 estados têm algum tipo de legislação que protege especificamente as mulheres e um número crescente de países tem planos de acção. No entanto, em 53 países, o estupro conjugal não é um delito e 102 países não têm legislação contra a violência doméstica.


UNIFEM tenta combater a desigualdade de gênero através da criação de parcerias com governos, sociedade civil e do sistema da ONU, apoiando a recolha de dados sobre violência de gênero, através da implementação de prevenção a nível das bases e apoiando campanhas como Diga NÃO à Violência contra Mulheres.


Num mundo em que a globalização dos valores é agora uma realidade, é altura para todas as mulheres se mobilizarem e fazerem valer os seus direitos básicos de nascimento, e cabe aos homens garantir que aqueles que cometem violência contra a mulher são tratados como os indesejáveis que são….aliás, não são homens.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular