Pravda.ru

Sociedade » Curiosidades

Por que não desejo Feliz Natal

18.12.2008
 
Por que não desejo Feliz Natal

São muitos os que perguntam o porquê de em minhas mensagens não seguir um desejo de Feliz Natal. Quando muito, são votos de Boas Festas! O dia de Natal é uma data de tristezas. Uma criança que veio ao mundo, segundo alguns, predestinada a morrer. Um dia de dar presentes, o dia de ficar bonzinho. E nos demais, um ser humano nada humano?

Quanto paradoxo desejar felicidade a alguém justamente no dia em que nasceu o menino que cresceu e desejou a felicidade para todos! Talvez eu devesse desejar um Feliz Natal a todos os cristãos. Também seria egoísmo, pois Jesus não pregou felicidade só para os que o seguiam. Falou a todos.


Natal é indicador de nascimento. E se não nascermos para uma realidade, só teremos um frívolo 25 de dezembro, pior do que os demais dias. Pior porque será data de martírio para os demais 364 dias. Martiriza-me, e creio que há muitos também, ver a fome batendo à porta do irmão mais pobre e eu engessado nos meus limites, nada de relevante podendo fazer, no máximo ofertar um dízimo. A festa e o colorido são belezas que acho bonitas, mas nelas não cultivo o nascimento do Salvador, ao qual não damos espaço para que nos salve da vaidade de escolher, quando deveríamos nos sentir escolhidos. E o homem escolheu um dia para ser o Natal.

Por Seu Pedro*


Um dia ingrato, que nos obriga ao sacrifício de gastar mais do que seria justo para presentear o comércio, a indústria e afins, que mais lucram nesta data nada feliz aos olhos dos que enxergam a dura realidade, dos que olham ao seu redor. Tudo isto dentro da minha ótica, de um cristão que parece pensar como um ateu. Mas eu que creio na divindade de Cristo e, seguindo a hereditariedade, nos vejo divinos, já que somos filhos de Deus. Olho nosso irmão Jesus entristecido conosco, que nos negamos a seguir a essência dele.


Estarei normal, como a quase totalidade, andando pela praça, vendo, maravilhado, a obra de artesanato manifestada pela mão do artesão. Entenderei que político desejou agradar seu povo com o belo presépio. Verei sorridente o vendedor de pipocas cuja a renda se multiplica nestes dias, e contribuirei para isto, comprando a guloseima para a criançada. Meu dinheiro sacrificado ficará nas lojas, que me entregarão os presentes revestidos por um papel enfeitado, protegidos por sacola plástica que não se decompõe, ameaçando o futuro de nossos herdeiros. E como querem que eu diga Feliz Natal? Ou felicidade é destruir? Por isto, desejo Boas Festas, sem compromisso de dar presentes. Dou a quem precisa ou mereça o que posso, em um dia qualquer.

(*) Seu Pedro é o jornalista Pedro Diedrichs, editor do jornal Vanguarda, de Guanambi, Bahia.

Fonte: Comunique-se

http://www.guiasaojose.com.br/novo/coluna/index_novo.asp?id=1996


Loading. Please wait...

Fotos popular