Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Estados Unidos da América, a cultura que celebra a violência

30.08.2019
 
Estados Unidos da América, a cultura que celebra a violência. 31640.jpeg

Estados Unidos da América, a cultura que celebra a violência

Pôster do filme Deadpool (Massacre) The Hollywood Reporter.

Quando se trata de massacres em massa, os Estados Unidos têm números recordes; houve mais tiroteios neste país do que em qualquer outro lugar do mundo

Por: Raúl Antonio Capote | informacion@granmai.cu

JORDAN e Andre Anchondo foram às compras em uma loja Walmart em El Paso, Texas. Eles queriam comprar material escolar para seus três filhos. Estavam no estabelecimento quando um jovem entrou armado com um rifle de assalto e começou a atirar contra as pessoas. Jordan e Andre morreram tentando proteger seu bebê de dois meses com seus corpos.

Mais de 20 mortos em poucos minutos foi o saldo. Menos de 24 horas após este incidente, outro tiroteio em massa, desta vez na cidade de Dayton, Ohio, deixou nove fatalidades; a tragédia parece interminável.

Quando se trata de massacres em massa, os Estados Unidos têm números recordes; houve mais tiroteios neste país do que em qualquer outro lugar do mundo. A diferença fundamental é que esses eventos não ocorrem em uma zona de guerra, perto de quartéis ou bases militares, acontecem em escolas, centros de recreação, em locais de culto religioso, em uma praça pública, em qualquer dia, o mais quieto e pacífico dos dias.

Os EUA são um país que incorporou desde o seu nascimento, como parte fundamental de sua construção como nação, a cultura da crueldade, da barbárie, da espoliação e da morte, a cultura norte-americana é uma cultura que celebra a violência.

Quem são os assassinos: «O atirador texano Crazy Clay», o louco Clay; os «gatilhos felizes»; Jesse James, «Billy The Kid»; bandidos que corriam rios de tinta e quilômetros de celulóide; os soldados do 7º Regimento de Cavalaria, liderado pelo coronel James W. Forsyth, autores da chacina de Wounded Knee, em 29 de dezembro de 1890; o mistificado «assassino do zodíaco» ou talvez tenha sido Rambo ou qualquer um dos personagens dos videogames, onde metralhar pessoas faz com que você ganhe pontos e aumente os níveis?

A nação do Norte tem mais armas do que qualquer outro país. Existem cerca de 310 milhões de armas circulando. Com uma população de 319 milhões, isso significa que quase todo norte-americano tem uma arma.

Em 31 de maio de 2019, 11 pessoas morreram em um tiroteio em Virginia Beach, e em 7 de novembro de 2018, 12 pessoas morreram em um tiroteio em um bar em Thousand Oaks, Califórnia. Em novembro de 2017, 25 pessoas e um bebê em gestação foram mortos em uma igreja em Sutherland Springs, Texas. Um mês antes, um homem atirou de um hotel de Las Vegas para os frequentadores de um show e matou 58 pessoas. Em junho de 2016, Omar Seddique Mateen abriu fogo em um bar gay na cidade de Orlando, deixando 50 mortos.

A exaltação do racismo, do ódio, em uma sociedade alienada e disfuncional, onde a insegurança prevalece, são ingredientes explosivos, especialmente quando qualquer um pode ter uma arma.

Ao mundo dói que novamente pessoas inocentes morram em uma espécie de oferta ao Moloch do dinheiro.
Quando as armas deixarem de ser um negócio lucrativo, a estrada começará a clarear, as canções da morte e o hino macabro dos tiros cessarão.

FONTE: JAIRO ANTONIO MELO FLÓREZ, «A HISTÓRIA DO CRIME NOS ESTADOS UNIDOS» NA HISTÓRIA, CRIME E JUSTIÇA, 05/11/2015

 

http://www.patrialatina.com.br/estados-unidos-da-america-a-cultura-que-celebra-a-violencia/

 


Loading. Please wait...

Fotos popular