Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Hegel: Leituras alternativas

29.03.2014
 
Hegel: Leituras alternativas. 20066.jpeg

Neste breve escrito ofereço leituras alternativas para dois temas centrais do pensamento de G. W. F. Hegel. Por um lado, considero as possíveis relações entre Matéria e Razão, por outro, contemplo o relacionamento entre Ser e Conhecer. Apresento um texto condensado e simples cuja intenção básica é meramente didática.

 

Para Nina, amiga inseparável.

Iraci del Nero da Costa *

 

1. MATÉRIA E RAZÃO.

Nós nos encontramos em face de duas posturas ou soluções  alternativas.

1a. Com base em nossa consciência, que a reconhece e chega a conhecê-la mediante o estudo da necessidade, a matéria (que não tem em si nenhum elemento de consciência) chega a tomar conhecimento de sua própria existência. Temos pois: matéria -> consciência tomando conhecimento da necessidade -> a matéria se reconhecendo (com base na consciência) como existente. Neste caso a consciência não se confunde com a matéria, pois representa tão somente a expressão da matéria. Aqui o ser é a matéria, e a razão (consciência) é apenas sua expressão na mente humana. A matéria precede a razão (enquanto consciência), mas é inteiramente regida por leis racionais, e justamente por isso a consciência pode chegar a reconhecer a matéria como o ser. Se optarmos por esta forma de ver o mundo podemos ler  Hegel como se ele fosse um materialista. 

1b. Com base na consciência e nos seus movimentos que vão da aparência à essência, a razão (que num primeiro momento só domina a aparência) chega, com base na crítica dos movimentos (momentos) da consciência, a reconhecer-se como o ser absoluto (vale dizer, absolutamente indeterminado, ou absolutamente determinado por si mesmo). Em outros termos: a razão, criticando os momentos da consciência, se reconhece como a única entidade existente (se reconhece como o ser). Se optarmos por esta forma de pensar o mundo temos de ler Hegel como um idealista, e neste caso estaremos mais próximos do que Hegel pensava de sua própria filosofia. Mas, como anotado abaixo, Hegel "enganou-se" sobre os fundamentos de sua filosofia, a qual, no entanto, pode ser tomada como básica para entendermos o movimento do pensamento (do saber, ou do espírito, se quisermos usar termos paralelos).

 

2. IDENTIDADE ENTRE O SER E O CONHECER.

Para Hegel, o ser é a razão, pois foi a ela que ele chegou observando o que se coloca à nossa volta.

Há duas maneiras de interpretar tal afirmação de Hegel.

2a. Uma idealista, o ser confunde-se com o saber, assim, o subjetivo (saber) iguala-se "ao que haveria fora da consciência" (ser, ou razão); a matéria se esvai e só resta o espírito. Esta é uma maneira de interpretar a afirmação de Hegel segundo a qual o saber se identifica com o ser.

2b. A outra maneira supõe que o ser não se iguala à razão, mas esta última é a expressão, em nosso pensamento, do ser. Nesse sentido o ser não se confunde com o que "existe materialmente", mas o que existe materialmente é "regido" pela razão, não pode fugir à "razão", daí, para Hegel, a razão definir-se como o "ser". Poderíamos dizer que Hegel não considerou que para ser possível chegar ao homem pensante, o universo material que o contém teria de ser estável o bastante de sorte a propiciar, com o passar do tempo, a emergência de uma entidade capaz de pensar. Ora, um universo equilibrado tem de estar sujeito a leis rígidas (caso contrário, tornar-se-ia instável, presa do aleatório); destarte, tem de se submeter ao que podemos chamar de lógica estrita, ou razão. Ele viu a "razão" que rege o material e a tomou como o "ser", não percebendo que a matéria é "racional", não podendo ser "substituída" pela razão, a qual, efetivamente, pode ser confundida com o saber. Ademais, pode-se dizer que a "razão" deriva de leis de caráter material (leis que se assentam no material); assim, tais leis (que em conjunto podem ser tomadas como a razão) são uma expressão do material, mas não se confunde (não se iguala) ao material. 

Esta segunda interpretação nos permite ler Hegel como um materialista e não como um idealista (o que, tudo indica, pretendeu ser).

 

* Professor Livre-docente aposentado da Universidade de São Paulo.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular