Pravda.ru

Sociedade » Cultura

George W. Bush: Patriota ou traidor?

20.04.2010
 
Pages: 12
George W. Bush: Patriota ou traidor?

George W. Bush foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América por duas vezes, uma vez através da manipulação do sistema de voto (um número incontável de eleitores foram impedidos de votar no Estado-chave da Florida) e uma vez através da manipulação do medo, (Osama bin Laden fazendo uma aparição-chave semanas antes da eleição). Uma análise dos oito anos do regime de Bush vai determinar se este pária da comunidade internacional foi um patriota ou um traidor.


Os Estados Unidos da América precisava de um amigo, na virada do novo milénio, depois de os anos Clinton começar a divorciar Washington dos corações e mentes da comunidade internacional, virando-se selvaticamente contra a Sérvia, que havia lutado contra bin Laden e os terroristas albaneses na Bósnia e no Kosovo. Bin Laden, agora transpirou, até tinha um passaporte da Bósnia e foi provado que o KLA foi uma organização terrorista, atacando alvos civis, apesar de ser tão popular nos wine bars do Capital Hill.


No entanto, o regime de Bush acabou por ser ainda pior. Washington descobriu por si mesmo o que significava o terrorismo internacional logo após a tomada de posse de Bush e seu Conselheiro de Segurança Nacional, Condoleeza Rice, que não forneceu segurança nenhuma, preferindo pegar nos restos de 9 / 11 e transformá-los em proveito próprio, usando a infelicidade de 3.000 pessoas para promover a sua agenda própria no setor de energia no Iraque.


Neste processo, foi calculado pelo Centro de Integridade Pública e o Fundo pela Independência no Jornalismo, duas organizações jornalísticas sem fins lucrativos, que Bush e os membros de seu regime, mentiram mais de 532 vezes, um feito “orquestrado por uma campanha para efetivamente galvanizou a opinião pública, e ao fazê-lo, levou a nação à guerra baseado em falsos pretextos”.


Estas grosseiras mentiras alegaram que Sua Excelência Saddam Hussein no Iraque tinha armas de destruição em massa e que seu governo tinha laços com a Al-Qaeda. Charles Lewis e Mark Reading-Smith escrevem em seu resumo do estudo que “A verdade é que a administração de Bush levou um país à guerra com base em informações erradas, que propagou estas metodicamente e que culminou em uma ação militar contra o Iraque em 19 de março de 2003”.


Os membros do regime mencionado no relatório foi o ex-Presidente George W. Bush, o vice-Presidente Richard Cheney, a pior Conselheira de Segurança Nacional de sempre (ela não protegeu seu país) Condoleeza Rice e, em seguida, pior ainda Secretária de Estado (ela passou anos a insultar os corações e mentes da comunidade internacional, divorciando o seu país da comunidade das nações, o Secretário de Defesa Donald "Waterboarding "Rumsfeld, o primeiro Secretário de Estado Colin “Magnífica Inteligência” Powell (que mentiu entre os dentes na ONU), o Sub-secretário de Defesa, Paul Wolfowitz, e Assessores de Imprensa da Casa Branca Ari Fleischer e Scott McClellan.


Bush mentiu nada menos que 259 vezes, segundo o relatório, enquanto Powell veio em segundo lugar (224).


O efeito concreto dessas mentiras e sua propagação por uma mídia internacional, que parecia seguir o axioma "Se você não está connosco, está contra nós", foi a destruição total do Estado do Iraque, que levou diretamente à morte de centenas de milhares de pessoas, políticas de tortura e até mesmo a sua institucionalização por Washington, e tudo isso em quebra do direito internacional.


George W. Bush é sinónimo de tortura, com o fracasso militar (os Taleban estão reivindicando a vitória em crescentes zonas do Afeganistão e o Iraque está num estado de limbo só porque Washington compra grande parte dos activistas, como Saddam Hussein fez, a diferença é que Washington tem mais vínculos com a Al Qaeda de que o ex-presidente do Iraque).


Se Saddam Hussein assinou 148 sentenças de morte, George W. Bush assinou 152. Se Saddam Hussein invadiu a RI Irã, foi porque ele foi instigado a fazê-lo por Washington, se Saddam Hussein invadiu o Kuwait, foi porque este país estava a roubar o petróleo iraquiano por técnicas de perfuração cruzada, contra a qual Bagdá tinha queixado repetidamente.


Na frente económica e financeira, o regime de Bush é sinónimo com o colapso do sistema bancário e económico, supervisionando uma vez por todas a derrota da abordagem monetarista capitalista liberal da economia de mercado, nefasta para a gestão das finanças do setor público e privado, realçando a fundamental necessidade subjecente de intervencionismo, que é o que os seus adversários ideológicos vêm dizendo durante a maior parte do século.
Em resumo, George W. Bush lançou as bases para o colapso da credibilidade do seu país na comunidade internacional, George W. Bush entra para a história como o presidente que fez o seu melhor para ridicularizar a comunidade internacional, desrespeitar o direito internacional e insultar a ONU, George W. Bush criou as condições para a catastrófica crise económica que custou tanto para milhões de cidadãos norte-americanos. Patriota então, não pode ser.


O fato de que no seu discurso de despedida, ele poderia alegar que ele pode olhar no espelho e se sentir bem sobre si mesmo é uma declaração revelando que aqui temos um intolerante, insensível e arrogante presunçoso, que serviu apenas como o exemplo mais clássico para destacar todos os males que seus inimigos tinham atirado contra os Estados Unidos da América.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular