Pravda.ru

Sociedade » Cultura

A eleição presidencial e os seus riscos

18.05.2010
 
Pages: 12
A eleição presidencial e os seus riscos

Paulo Passarinho

Formalmente, não entramos ainda na fase de campanha eleitoral. Mas, levando-se em conta a legislação, temos os chamados pré-candidatos e, particularmente, os candidatos extra-oficiais, arbitrados pela imprensa dominante. As páginas dos jornais de grande circulação, os telejornais e outros programas televisivos, além de estações de rádios, já deram início à fase de cobertura jornalística da dita corrida presidencial, restringindo a disputa a apenas três postulantes à presidência da República.

Dilma Rousseff, José Serra e Marina Silva foram os eleitos pelo oligopólio que controla a mídia, coerente com os interesses de quem financia predominantemente esses meios de comunicação, e que, coincidentemente, também se constituem como os principais financiadores das campanhas eleitorais. São bancos, construtoras, seguradoras, mineradoras, siderúrgicas, empresas ligadas ao agronegócio, além de transnacionais de outras áreas.

Esses setores vão jogar dinheiro nesses candidatos, pois todos eles oferecem sólidas garantias de manutenção de todo o arcabouço jurídico-institucional que se construiu no país, a partir dos governos de FHC, bem como da política macroeconômica sob controle de bancos e instituições financeiras.

Desses três diferentes candidatos, duas são mulheres - ex-ministras do governo Lula - e o outro é o tucano postulante à presidência, já derrotado uma vez, em 2002.

Dilma é a candidata do governo; Serra seria a oposição à direita; e Marina, correndo por fora, a alternativa verde, com seu programa eco-capitalista, independentemente do que possamos entender o que isso significa.

Para os mais críticos, essa disputa teria uma natureza meio Lexotan , possibilitando doses cavalares de sono, além da garantia - já percebida pelos financiadores de campanha - de que tudo, em suas linhas gerais, continuará na mais perfeita ordem dos que dominam o país.

Contudo, muitas vezes o inusitado acontece, nem que seja por conta do próprio sono ou pelo horário matinal das entrevistas realizadas com esses candidatos.

Foi o que ocorreu com o tucano Serra, nesta última segunda-feira, dia 10 de maio.

Entrevistado pela rádio CBN, de propriedade das Organizações Globo, Serra se envolveu em uma discussão com a jornalista Miriam Leitão, por conta de suas opiniões em relação ao Banco Central, espécie de bunker da política econômica recomendada pelos tais setores dominantes, financiadores da mídia e dos políticos de confiança do mundo do capital.

Serra criticou a condução da política monetária, as altas taxas de juros e, especialmente, a ação do Banco Central no segundo semestre de 2008, em meio à crise financeira global.

Questionado pela jornalista se, caso eleito, iria respeitar a autonomia do Banco Central, Serra se mostrou bastante irritado, respondendo que seria uma grande bobagem um presidente observar que o seu banco central erra e nada fazer. O tucano chegou a afirmar que "o Banco Central não é a Santa Sé" - como se suas medidas não pudessem ser questionadas -, ponderando, entretanto, que isso não significa não dar condições de autonomia e trabalho à instituição.

Foi o suficiente para que as editorias dos jornais encontrassem, nessas declarações, a centelha que faltaria para esquentar o debate entre os presidenciáveis eleitos pelos donos da mídia dominante. O jornal O Globo chegou a estampar uma manchete, no dia seguinte à entrevista, veiculando o brado de Serra de que Igreja e Banco Central não devem ser confundidos.

Esforço em vão e destaque imerecido. Na própria segunda-feira, na parte da tarde, Serra já procurava esclarecer a sua posição, afirmando que a sua relação com o Banco Central, caso ele venha a ganhar as eleições, seria idêntica à conduta assumida por FHC e Lula frente à instituição. E aproveitou a ocasião para atribuir ao horário da entrevista na rádio CBN - 8h da manhã - a sua irritação, ou falta de bom humor, nas respostas dadas à jornalista da emissora, de quem se declarou "um grande admirador".

Será difícil, assim, a imprensa dominante tentar esquentar a polêmica entre os seus candidatos, a partir da oralidade de Serra.

O dado curioso dessa falsa polêmica foi a rapidez com que as ex-ministras de Lula - Marina e Dilma - procuraram se posicionar, afastando qualquer tentativa de crítica à atuação do Banco Central. A "alternativa" Marina não somente destacou que "a experiência brasileira mostra que foi acertada a autonomia do Banco Central", como aproveitou para defender o tripé da política macroeconômica: superávit primário, câmbio flutuante e metas de controle de inflação.

A depender dos três candidatos da mídia dominante, além do palpitante clima Lexotan da campanha, teremos esse mantra liberal a embalá-la. Haja resistência a tanta mesmice!

Porém, a vida pelo mundo afora nos mostra que essas certezas desses três candidatos - com relação à predominância do setor financeiro na condução dos nossos destinos - pode nos produzir surpresas desagradáveis.

Pages: 12

Loading. Please wait...

Fotos popular