Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Filme israelense com ator palestino

12.08.2014
 
Filme israelense com ator palestino. 20710.jpeg

Filme israelense com ator palestino   

(DANCING ARABS)

 

Momento mais atual não se poderia ter: o governo de Israel continua bombardeando a Faixa de Gaza, enquanto o movimento palestino Hamas ganha a guerra midiática e a ONU imita a Suíça, condenando tanto o Hamas por usar a população civil como escudo humano como Israel por causar vítimas civis ao destruir os túneis, protegidos por escudos humanos, de onde partem os mísseis do Hamas sem atingir alvos.

 

É dentro desse contexto que foi exibido na Piazza Grande o filme israelense com roteiro e principal ator palestinos, tendo por título Dancing Arabs. Esse é o mesmo título do livro bestseller de Sayed Kashua, árabe fazendo parte dos 20% e árabes que vivem em Israel,  mesmo porque Kashua dirige um programa cômico na televisão israelense com alto Ibope em termos de espectadores. O título do livro era uma referência às danças de regozijo quando caiu um míssel em Israel, no início da guerra louca de Bush contra o Iraque. Situação igual também ocorrera depois do ataque dos dois aviões sequestrados e transformados em bombas contra o World Trade Center, de Nova Iorque, onde morreram três mil vítimas civis.

 

Como se percebe é preciso muita ousadia para se lançar na adaptação de um livro de autor árabe palestino, no qual se fala de paz e entendimento entre palestinos e israelenses, quando o ódio é agora moeda corrente entre essas duas populações e mesmo se exportou para todo o mundo. Não deve haver tema mais controvertido e gerador de discórdias, divergências e mesmo vias de fato, quando Israel continua criando novas colônias nos territórios ocupados a ponto de inviabilizar a criação de dois Estados e quando o Hamas rejeita qualquer possibilidade de aceitar a existência de Israel.

 

Ora, o filme Dancing Arabs entra nesse terreno minado e mostra a intolerância de ambos os lados, com a personagem de um jovem palestino brilhante em matemática no secundário, pelo que foi aceito a frequentar um prestigioso colégio interno israelense, mesmo tendo um pai considerado terrorista por ter participado das manifestações que precederam a primeira Intifada, ainda na época de Yasser Arafat.

 

Eyad tem duas experiências importantes nessa sua nova vida, depois de ter deixado os pais e ido viver no internato - se apaixona por uma colega israelense, Naomi, e tem como melhor amigo um jovem israelense, Jonathan, sofrendo de distrofia muscular, que vive numa cadeira de rodas e logo entra numa fase terminal sem movimentos.

 

Quando Naomi tenta sondar sua mãe sobre qual seria sua reação caso namorasse um palestino, ouve a seguinte resposta - "preferiria que você fosse lésbica ou tivesse um câncer". Do lado da família de Eyad, a reação não seria diferente.

 

Por fim, a própria Naomi rompe o namoro para poder ter uma vida normal dentro da sociedade israelense, mesmo se Eyad tivesse abandonado o colégio para protegê-la. Em todo caso, Eyad tinha percebido a impossibilidade de se prosseguir com o namoro, evitando-se assim um repetir de Romeu e Julieta.

 

Logo depois, Jonathan morre e a opção tomada por Eyad, proposta pelo autor Sayed Kashua, é a de renunciar à sua nacionalidade palestina para assumir a nacionalidade israelense de seu amigo Johathan, com o qual tinha semelhança física possibilitando uma simples troca dos documentos de identidade.

 

Para não haver dúvidas futuras, a mãe de Jonathan aceita que seu filho seja enterrado segundo o rito muçulmano com o nome de Eyade que, por sua vez, assume a nacionalidade israelense do amigo.

 

Esse o ponto fraco do filme, mesmo se seu realizador Eran Riklis, é autor de outros filmes sobre as relações entre israelenses e palestinos - a opção de trocar a nacionalidade palestina pela israelense ou a perda de identidade palestina é inaceitável na busca da paz entre israelenses e palestinos.

 

Porém, Eran Ricklis deixa claro ter seguido o livro original. Mas essa solução de perda da identidade talvez tenha sido ironia do autor, mostrando qual é, no momento, a única solução possível de paz, no contexto atual  entre israelenses e palestinos.

Rui Martins

 


Loading. Please wait...

Fotos popular