Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Camões no país dos mal-educados

03.12.2019
 
Camões no país dos mal-educados. 32219.jpeg

Camões no país dos mal-educados
                                                                                 Adelto Gonçalves (*)
                                                           I
        A iniciativa não passa de uma gota no oceano, como admite o poeta Anderson Braga Horta, organizador de Camões na Rua, uma antologia com alguns dos versos mais famosos do vate Luís Vaz de Camões (c. 1524-1580), mas constitui também um inocente protesto contra a situação de descalabro a que chegou a educação no País, a ponto de a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) já ter concluído que o Brasil precisará de mais de um século para atingir o nível de leitura dos países economicamente mais favorecidos.


Trata-se de um reconhecimento cabal de que a nossa e as gerações anteriores fracassaram na tentativa de dotar o País de uma estrutura educacional que fizesse do brasileiro um ser humano mais educado. E o nivelamento não se dá por baixo, apenas com as classes menos favorecidas, mas em todos os níveis, como são provas as manifestações diárias de ignorância, marcadas por ofensas ao vernáculo, que partem da maioria dos homens e mulheres em cujos ombros repousa a responsabilidade de administrar a Nação.


Principal baluarte que impediu a dissolução do País em pequenas nações, a exemplo do que ocorreu na América espanhola, a Língua Portuguesa tem sofrido, nos últimos anos, o mais cerrado combate daqueles que a querem degradar de vez, a pretexto de adaptar o Brasil à modernidade, que hoje se traduz na utilização de novas tecnologias de comunicação em que o idioma pátrio é violentamente agredido.


A situação é tão dramática que não se consegue sequer imaginar o que será o País daqui a 15 ou 20 anos quando as crianças de hoje tiverem de entrar no mercado de trabalho. Foi o que este articulista pensou quando, há poucos dias, sentado na sala de estar de um salão de beleza, à espera da esposa, viu o livro que tinha nas mãos chamar a atenção de uma criança de presumíveis cinco anos de idade como se fosse algo muito estranho. Não é preciso dizer que a criança tinha nas mãos um tablet de jogos eletrônicos.
                                               II
Ainda que não passe de um quixotesco combate contra moinhos de vento, esta antologia de poemas de Camões constitui um solitário protesto contra "os germes de dissolução, que tendem a pulverizar o ordenamento fora do qual o pensar pode tornar-se uma falácia, o belo uma coisa irreal, ininteligível ou piegas", como observa o seu organizador no estudo introdutório que escreveu para esta edição. Ou seja: Braga Horta reconhece que, nas atuais circunstâncias, só nos resta "recorrer a Camões e os outros clássicos das literaturas lusógrafas, ao invés de sepultá-los com pretextos de modernidade, não para uma in ú til e tola tentativa de deter as transformações linguísticas inevitáveis, sim como um dique à degradação pseudoatualizadora e pseudoliberal promovida pelas novas tecnologias de comunicação".


Autor da ideia de se imprimir uma antologia destinada ao público não especializado, o editor  e livreiro Victor Alegria, um português de Arouca que em 1963 emigrou para o Brasil em fuga das perseguições do regime salazarista (1933-1974), no texto de apresentação deste volume, lamenta o profundo desprezo que, nas duas últimas décadas, tem se verificado no País pela ideia de melhorar o incentivo à língua bem falada.


Como exemplo, lembra que, no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016, cerca de 1,3 milhão de crianças tiraram nota zero nas disciplinas de Português e Matemática. E acrescenta: "O custo social desse descalabro praticamente ficou no esquecimento". Por isso, espera que a publicação desta antologia signifique "um ponto de partida e de reflexão para um esforço patriótico e afirmativo da língua que falamos".


                                               III
Para fazer esta edição, Braga Horta coligiu textos da Antologia da Poesia Portuguesa (Porto, Lello & Irmão Editores, 1977), organizada por Alexandre Pinheiro Torres (1923-1999), e das Obras Completas (Lisboa, Livraria Sá da Costa, v. I, 1954, e IV e V, 1947), organizadas por Hernâni Cidade (1887-1975), todos atualizados ortograficamente. A edição abre com três redondilhas, seguidas por 31 sonetos, dos quais talvez o mais conhecido seja este:


            Alma minha gentil, que te partiste
                        Tão cedo desta vida, descontente,
                        Repousa lá no Céu eternamente
                        E viva eu cá na terra sempre triste.
            Se lá no assento etéreo, onde subiste,
                        Memória desta vida se consente,
                        Não te esqueças daquele amor ardente
                        Que já nos olhos meus tão puro viste.
            E se vires que pode merecer-te
                        Algüa cousa a dor que me ficou
                        Da mágoa, sem remédio, de perder-te,
            Roga a Deus, que teus anos encurtou,
                        Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
            Quão cedo de meus olhos te levou.
                                                IV
Metade da edição está dedicada a fragmentos de "Os Lusíadas", o mais conhecido poema da Língua Portuguesa, obra composta por dez cantos, 1.102 estrofes e 8.816 versos que são oitavas decassílabas. A ação central do poema é a descoberta do caminho marítimo para a Índia pelo navegador Vasco da Gama (1469-1524), à volta da qual se vão descrevendo outros episódios da História de Portugal, glorificando o povo português. Um desses fragmentos é o "LII" do Canto IX ("A Ilha dos Amores"), que recupera a passagem do poeta pela Ilha de Moçambique, na contracosta do continente africano:


            De longe a ilha viram, fresca e bela,
            Que Vênus pelas ondas lha levava
            (Bem como o vento leva branca vela)
            Pera onde a forte armada se enxergava;
            Que, por que não passassem sem que nela
            Tomassem porto, como desejava,
            Pera onde as naus navegam a movia
            A Acidália, que tudo enfim podia.


                                               V
Nascido em Lisboa, Luís Vaz de Camões, provavelmente, teve sólida educação, tendo estudado história, línguas e literatura. Estudos indicam que era indisciplinado e que supostamente teria ido a Coimbra para estudar, mas não há registros de que tenha cursado a universidade. Foi um poeta lírico na corte de dom João III (1502-1557). Ainda jovem, teria passado por uma desilusão amorosa, razão pela qual decidiu ingressar no exército da Coroa em 1547 e, no mesmo ano, embarcou como soldado para a África, onde combateu os celtas, no Marrocos. Foi ali que perdeu o olho direito.


Voltou em 1552 a Lisboa, mas, no ano seguinte, embarcou para as Índias, onde participou de várias expedições militares. Estudos apontam que ele foi preso tanto em Portugal como no Oriente. Foi durante uma de suas prisões que ele escreveu "Os Lusíadas". Quando retornou a Portugal, resolveu publicar sua obra. À época, teria recebido recursos do rei dom Sebastião (1554-1578). Só depois de sua morte é que passou a ser reconhecido como grande poeta, a ponto de hoje ser considerado um dos maiores escritores da Língua Portuguesa. Seu nome é conhecido em todo o mundo.


________________________
Camões na Rua: antologia, de Luís de Camões, com estudo introdutório de Anderson Braga Horta (organizador) e prefácio de Victor Alegria (editor). Brasília: Thesaurus Editora, 140 páginas, 2019. E-mail: financeiro@thesaurus.com.br Site: www.thesaurus.com.br
­­­­­­­­­­­­_________________________________
(*) Adelto Gonçalves é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage - o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/Academia Brasileira de Letras, 2012),  Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015), Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Ja neiro, L ivraria José Olympio Editora, 1981; Taubaté-SP, Letra Selvagem, 2015) e O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2019), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

 


Fotos popular