Pravda.ru

Sociedade » Cultura

Animação portuguesa vence em Espanha

02.10.2006
 
Animação portuguesa vence em Espanha

A curta-metragem de animação portuguesa «História trágica com final feliz», uma co-produção da Ciclope Filmes (Portugal) Folimage (França) e Office National du Film (Canadá), de Regina Pessoa, ganhou sábado o principal prémio do Festival de Curtas--metragens de Barcelona.

O prémio Mecal à melhor curta-metragem internacional, no valor de 1200 euros, foi atribuído ex aequo à polaca «Melodrama», de Filip Maeczekiski (2005). Ao todo, concorreram ao prémio 49 curtas-metragens de ficção de diferentes países. «História trágica com final feliz» (35 MM, 2005), é uma co-produção da Ciclope Filmes (Portugal) Folimage (França) e Office National du Film (Canadá).

A animação conta a história de uma menina com um coração que, por bater muito depressa, faz tanto barulho que incomoda as outras pessoas. O filme narra em sete minutos a evolução da relação entre a personagem e a sociedade que a rejeita. “A ideia metafórica de um coração que molesta os outros é brilhante. E é muito clara. Tinha que ser premiada”, afirmou o realizador catalão Kikke Maílo, que destacou a “sensibilidade” e o “interesse formal” da animação.

Também integraram o júri da secção Internacional Dawn Sharpless, directora da distribuidora britânica «Dazzle», e o jornalista catalão especializado em cinema catalão Ferran Auberni. Todos destacaram a qualidade das curtas-metragens de animação apresentadas no certame. “É o género que está a dar mais renovação ao cinema”, explicou Ferran Auberni à Agência Lusa. “É onde se vêem as propostas mais criativas, a nível técnico e de ideias”, sublinhou. “Se renuncias a preconceitos vês que a história deste filme é encantadora. Muito terna, muito original e muito bem contada, com ritmo e bem desenhada. Para além disso, pode chegar facilmente ao público”, disse.

Por sua vez, Regina Pessoa afirmou que o prémio representa “a confirmação de que não estava errada ao optar por fazer animação”.
A curta-metragem de 2005 recebeu já “mais de vinte” prémios entre os quais se encontra o Grande Prémio Annecy 2006, o mais prestigioso do género. Segundo Regina Pessoa, o reconhecimento tem acontecido, “sobretudo, a nível internacional”. “Portugal ainda não reconhece este tipo de arte. O público está mais habituado às artes clássicas”, referiu. Regina Pessoa considerou, no entanto, que a nível de produção os realizadores portugueses de curtas-metragens são “privilegiados” porque contam com o apoio regular do ICAM, que garante o financiamento parcial de alguns filmes, “o que não acontece em todos os países”. A autora explicou também que optou por uma co-produção internacional por motivos “financeiros” e “técnicos”. “Não há muitos animadores em Portugal”, comentou.

A obra foi animada e finalizada em França, onde se desenvolveu uma técnica própria. As imagens foram gravadas num papel especial coberto com tinta-da-china preta. O desenho dos intervalos foi feito em Portugal. Depois da montagem de imagens, o filme foi enviado ao Canadá, para a realização da banda sonora e da mistura de áudio. Portugal foi o país convidado da nona edição do MECAL, o que se traduziu na projecção de outras 13 curtas-metragens portuguesas dos últimos 11 anos. A selecção foi feita em colaboração com a Agência da Curta-Metragem Portuguesa.
Entre as escolhidas esteve o primeiro trabalho de Regina Pessoa, «A Noite» (1999). Portugal esteve ainda representado na secção Oblíqua, com «Um Homem», de Laurent Simões, e em Ok Computer, com a animação «Subterrain Atraction», de Alexandre Manuel Dias Farto, ambas de 2005.
O júri atribuiu o prémio de Melhor Curta-metragem espanhola a «La Guerra», de Luiso Berdejo e Jorge C. Dorado (2005). «El Cerco», de Ricard Iscar e Nacho Martín (Espanha, 2005), foi o galardoado da secção Oblíqua.

Os prémios do público foram atribuídos a «Heavy Metal Jr», de Chris Waitt (Espanha, 2006, melhor documentário), e a «Zapatos Limpios», de Oriol Puig (Espanha, 2005, melhor curta-metragem). Este ano, o Festival Internacional de Curtas-metragens saiu do Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona (CCCB) para apostar em novos espaços: a praia da Barceloneta, a Sala Apolo, e o Parque do Fórum.

Outras novidades desta nona edição foram a reintegração no programa da Mercè – as festas da cidade de Barcelona, das quais se tinha desvinculado – e o facto de se ter tornado um festival com entrada gratuita.

Segundo "O Primeiro de Janeiro"


Loading. Please wait...

Fotos popular