Pravda.ru

Ciência

Um pouco de pornografia ajudou panda

24.11.2006
 
Um pouco de pornografia ajudou panda

  “Funciona “, exclamou com  entusiasmo, Zhang Zhihe, um especialista chinês  sobre o resultado  de ter demostrado   vídeos do acasalamento de pandas a machos virgens a um panda  num  zoolôgico  para ensinar- lhe como  fazer o sexo.  Um  pouco de pornografia ajudou , disse Zhang. 

  Após anos de pesquisas exaustivas, cientistas dizem ter causado um "baby boom" entre um dos animais mais ameaçados de extinção do mundo, o panda gigante chinês.

Esta é uma das muitas técnicas testadas ao longo dos anos para levar os pandas mantidos em cativeiro - notoriamente, maus reprodutores - a transar, e a transar direito.

O esforço para entender e estimular as condições de acasalamento e de cuidado para com os filhotes deu resultado na China, o hábitat natural do panda. Agora vem o próximo teste: fazer a mágica funcionar fora da China.

O grande dia virá em janeiro, quando o pesquisador tailandês Prasertsak Buntragulpoontawee espera promover um acasalamento bem-sucedido entre o macho Chuang Chuang e a parceira Lin Hui. A abordagem audiovisual segue o mesmo princípio de "chimpanzés que vêem as pessoas fumando e então copiam", diz o cientista.

Na China, as várias técnicas usadas para levar os pandas a acasalar já geraram 31 filhotes neste ano, dos quais 28 sobreviveram, diz Zhang.

Os cientistas já aprenderam muito sobre o comportamento de acasalamento dos pandas. Na natureza, fêmeas no cio sobem em árvores, enquanto os machos, no chão, lutam por ela. Em cativeiro, sem outros machos com quem brigar, muitas vezes o panda descarrega a agressão na companheira.

Zhang explica ainda que "na natureza, eles podem escolher com quem acasalar. Mas quando os reproduzimos em cativeiro, é como pegar dois seres humanos e forçá-los" a fazer sexo.

Como os filmes ajudam?

As opiniões divergem quanto às imagens, mas Zhang e Prasertsak concordam que a trilha sonora surte efeito. "É o som do acasalamento que os estimula", diz Zhang. "Pandas são como gente. Entendem tudo".

 Estadão


Loading. Please wait...

Fotos popular