Pravda.ru

Ciência

Copenhaga: O caso do Atentado Climatérico

21.12.2009
 
Copenhaga: O caso do Atentado Climatérico

Gestão abominável da Dinamarca da Cúpula do Clima foi claro para todos: a repressão estilo nazista de manifestantes pacíficos, a suspensão estilo nazista da Conferência no seu último dia e subsequente abertura às 3 de manhã em 19 de dezembro depois de muitas delegações terem ido para casa e sem uma única medida concreta a ser tomada para reduzir as emissões de GEE. Washington, porém, está pelo menos sentado na mesa.


Pode-se dizer que o número recorde de limousines alugados na cidade capital da Dinamarca durante as duas últimas semanas contribuiu muito mais para as alterações climáticas do que a própria conferência. Muito mais preocupante ainda, foi a decisão tomada pelo Governo dinamarquês para suspender a Conferência no seu último dia e restringir a palavra ao Presidente Obama dos E.U.A. e 16 convidados escolhidos, enquanto aos representantes dos outros 170 Estados-membros das Nações Unidas foi negado o direito de falar. Sentem-se, calem-se e ouçam.


Péssima gestão, estilo Nazista do PM na Dinamarca
Além disso, na margem da Conferência, Lars Rasmussen (o primeiro-ministro da Dinamarca), os representantes dos 27 membros da UE e dos Estados Unidos da América, tinham cinzelado um acordo ao qual os países em desenvolvimento tinham tido acesso negado. Para Fidel Castro, em seu artigo A verdade do que aconteceu na Cimeira de Copenhaga: "Foi uma iniciativa antidemocrática e praticamente clandestina que ignorou os milhares de representantes de movimentos sociais, instituições científicas e religiosas e outros participantes da Cúpula".


Agora, o golpe de misericórdia. Depois de muitas das delegações tinham ido para casa, às 3,00 horas da manhã de 19 de dezembro, o primeiro-ministro da Dinamarca re-abriu a Cimeira, que presidiu, convocou uma reunião para concluir seus trabalhos, tentando passar um acordo que tinha sido alcançado exclusivamente pelo clique de nações centrado no eixo EUA-UE. Quando este foi bloqueado por Cuba, ALBA e do G-77 países, a presidência da reunião, em seguida, tentou coagir os países que tinham sido excluídos do acordo secreto a assiná-lo, tentando passá-lo como se tivesse desfrutado de ampla aceitação, ganhando um estatuto juridicamente vinculativo, que teria então influenciado outras negociações.


Reviravolta heróica dos países latino-americanos e G-77
No entanto, as nações em desenvolvimento não aceitaram esta imposição imperiosa, conduzida em segredo, sem ter sido apresentado à Convenção, o tipo de malandragem anti-democrático típico dos burocratas da União Européia. Claudia Salerno, da Venezuela, bateu tanto na mesa durante a sua intervenção apaixonada que ela até começou a sangrar. Cuba, Venezuela, Bolívia e o G-77, representado pelo Sudão em Copenhaga, conseguiram desvendar a tentativa de golpe climatérica e deixaram o Putsch do clique de elitistas em farrapos.


Depois de acirradas intervenções, eles se recusaram a ratificar um acordo que teria sido a morte de Quioto, sem propor nada para substituí-lo, o que permitiria um aumento na temperatura de 2 por cento (1,5 quando é suficiente para alagar países baixos) e que nada fez no sentido de garantir uma redução de 45% no GEG em 2020 e 80 a 90% até 2050.


O que o G77 esperava ver era um compromisso firme por parte dos países industrializados para tais níveis de redução de GEE, além de um fundo para permitir aos países em desenvolvimento transformar as suas indústrias. Isso não foi produzido e, portanto, a tentativa de Rasmussen para mergulhar no centro das atenções após a sua manipulação abominável da Conferência falhou tão miseravelmente quanto a própria conferência.
Nada foi conseguido.


Nota positiva
Talvez a única nota positiva é que os Estados Unidos da América esta estes dias a bordo e está começando a ter um interesse real na questão das energias verdes e redução da GEG. O facto que os E.U.A. está envolvido, juntamente com outras nações industrializadas, na criação de um fundo anual de 100 bilhões de dólares para financiar a transformação industrial nos países em desenvolvimento poderia ser visto como o primeiro passo do caminho para o México, onde este circo das alterações climáticas se convoca novamente em 2010.


Esperemos que desta vez, há clima de maior abertura nas discussões, um processo mais democrático nos debates, menos altivez, menos reuniões secretas com documentos escondidos. Afinal, é suposto que temos um Mundo Unido….ou não é?


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular