Pravda.ru

Ciência

As drogas legais e as ilegais

21.04.2010
 
As drogas legais e as ilegais

PEDRO VALLS FEU ROSA

Há poucos meses a ONU divulgou um relatório acerca do consumo de drogas ilícitas no mundo durante o ano de 2007. Concluiu-se que 208 milhões de pessoas, ou 4,8% da população adulta do mundo, usaram drogas ilícitas pelo menos uma vez naquele ano. Apurou-se, ainda, que aqueles usuários classificados como dependentes químicos correspondiam a 26 milhões de pessoas, ou 0,6% da população. E, finalmente, divulgou-se que 200 mil pessoas morreram no mundo durante o ano de 2007 em função do uso de drogas ilícitas.

Por conta deste quadro chocante movimenta-se, e como, o aparato estatal. No mundo inteiro lá estão as autoridades à cata dos traficantes, cujas capturas passou a ser prioridade em nossas políticas de segurança pública.

Há poucos dias li que em nosso planeta morrem três milhões de pessoas a cada ano, algo em torno de seis por minuto, em decorrência do fumo. A Organização Mundial de Saúde prevê que, se nada for feito, em 2020 o vício do cigarro levará mais de 10 milhões de pessoas à morte por ano.

O pior é que o tabagismo não mata só os viciados (sim, viciados, dada a dependência química que o fumo induz), mas também quem está perto dele. E estas vítimas involuntárias não são poucas – segundo a Organização Mundial de Saúde, o tabagismo passivo é considerada a 3ª maior causa de morte evitável no mundo.

O problema do cigarro é tão grave que, segundo um estudo divulgado pela revista Newsweek, só nos Estados Unidos ele acarreta 420 mil mortes por ano, ou 50 vezes mais que o número de mortes causadas naquele país pelo uso de drogas ilegais.

Diante destes números, fica difícil de entender a lógica da política mundial de combate ao uso de substâncias tóxicas. De toda sorte, segue firme a indústria do fumo, que já tem 1,1 bilhão de clientes que garantem um faturamento anual de US$ 285 bilhões. Só no Brasil o faturamento desta atividade chega a US$ 4,5 bilhões, e o número de clientes a 35 milhões.

O cigarro não é a única droga legal largamente consumida. Há também o álcool, que igualmente causa dependência química. Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 2 bilhões de pessoas no mundo consomem bebidas alcoólicas, e 76 milhões delas são viciadas.

Há uma relação causal entre o álcool e mais de 60 tipos de doença. Consta que pelo menos 2,3 milhões de pessoas morrem por ano em função de problemas relacionados ao consumo de álcool, o que totaliza 3,7% da mortalidade mundial. Vamos a um dado chocante: entre 1986 e 1993, das 19.000 autópsias feitas no Brasil para mortes não naturais, 95% mostraram a existência de álcool no sangue. O alcoolismo está associado a 50% de todos os homicídios e mais de 30% dos suicídios.

Apurou-se que em 50% das mortes causadas em acidentes de trânsito houve alcoolemia positiva para a vítima ou para o motorista. Demonstrou-se também que 22% dos óbitos decorrentes de doenças cardiovasculares e 20% dos de câncer podem ser atribuídos ao álcool. Vamos ao preço disso: estimou-se, em 2002, que o custo total relacionado ao consumo nocivo de álcool chegou na casa dos US$ 655 bilhões, ou incríveis 2% do Produto Interno Bruto mundial! Apenas para que se tenha uma idéia, um estudo mundial publicado pela revista médica The Lancet demonstrou que cerca de 4% das verbas destinadas à saúde em todo o mundo são dedicadas ao tratamento de doenças relacionadas ao álcool. Só para que se tenha uma noção do que isso significa, outros 4,1% destas verbas são gastas em função de doenças relacionadas ao tabaco e 4% à hipertensão.

Diante dos números relativos ao consumo de cigarros e de álcool, salta aos olhos que falta algo na política mundial de combate às drogas. Dizem alguns que esta deficiência se deve a motivos de ordem geopolítica. Outros denunciam que o motivo principal são os impostos que estas atividades geram. Eu não acredito. Recuso-me a acreditar. Não, a humanidade não pode ter chegado a um nível tão baixo!

PEDRO VALLS FEU ROSA é desembargador do Poder Judiciário


Loading. Please wait...

Fotos popular