Pravda.ru

Ciência

Transplante de córnea cresce no país

19.04.2013
 
Transplante de córnea cresce no país. 18112.jpeg

Poluição que aumenta no outono e falta de prevenção contribuem com crescimento. Crianças e adolescentes respondem melhor ao procedimento que evita o transplante.

O registro de transplantes de córnea da ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos) aponta um crescimento de 19,49% no número de procedimentos realizados entre 2010 e 2012. Saltou de 12.788 em 2010 para 15.281 no ano passado.

De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, este aumento evidencia a falta prevenção contra o ceratocone. Isso porque, a doença que afina e deforma a córnea, responde por 70% dos transplantes realizados no Brasil, contra 15% nos EUA. Além disso, em 2010 foi normatizado no país o crosslink, única técnica capaz de interromper a evolução do ceratocone.

O médico ressalta que a estimativa é de que a doença atinge os dois olhos de 1 em cada mil brasileiros, ou seja, cerca de 200 mil pessoas. Dessas, 30% não conseguem ter boa correção visual usando óculos, lente de contato ou um anel que é implantado na córnea para achatar seu formato. "É este grupo que vai para a fila de transplante por falta de alternativa para corrigir a visão" diz Queiroz Neto.

Sinais de alerta

O especialista destaca que geralmente o ceratocone vem acompanhado de astigmatismo. Alérgicos formam o principal grupo de risco da doença. Isso porque, o hábito de coçar os olhos enfraquece as fibras de colágeno da córnea, facilitando seu afinamento e deformação, afirma. Não por acaso, no outono o aumento da poluição pode agravar a doença. Para aliviar a coceira recomenda aplicar compressas de água fria sobre os olhos. A instilação de colírio antialérgico e até a suplementação de ômega 3 para melhorar a produção da lágrima que protege a superfície da córnea só devem ser feitas sob supervisão de um oftalmologista.  Além da alergia, ele diz que o ceratocone pode ser sinalizado por:

  • Mudança frequente na prescrição dos óculos
  • Fotofobia.
  • Aumento da fadiga ocular
  • Olhos irritados.
  • Enxergar halos noturnos

Diagnóstico precoce

No início da doença alguns portadores podem ter boa visão sem usar óculos de grau. "Este é o caso deste paciente que tem irregularidades na córnea, mas ainda enxerga perfeitamente bem sem óculos", afirma Queiroz Neto, apontando para a tomografia de um menino com 13 anos de idade. Ele explica que a falta de sintomas acontece quando a córnea tem irregularidades ópticas na face anterior e na posterior que se compensam. "A tomografia da córnea oferece imagens das duas faces e torna o tratamento mais seguro e previsível do que a topografia que analisa uma só face", diz.

Evitando o transplante

O especialista explica que o crosslink ou reticulação da córnea aumenta em 3 vezes sua resistência, mas só deve ser aplicado em córneas com espessura mínima de 400 micras. "Em córneas mais finas a camada interna pode ser atingida e deixar a visão definitivamente embaçada", explica. O procedimento consiste na aplicação de vitamina B2 (riboflavina) associada à radiação ultravioleta para reorganizar as fibras de colágeno. O problema é que no Brasil 43% dos portadores descobrem a doença em estágio intermediário e muitos adiam o crosslink. O adiamento aumenta o risco de transplante que pode até melhorar a acuidade visual, mas não restitui 100% da visão e tem risco de rejeição.

Melhor resultado

Queiroz Neto afirma que a metanálise de estudos europeus sobre o crosslink mostra que em crianças e adolescentes o ceratocone tem uma evolução mais rápida, mas que a técnica tem melhor resultado entre os mais jovens.

Durante 3 anos, o acompanhamento de 66 pacientes submetidos ao crosslink, com idade entre 9 e 18 anos, mostrou que todos tiveram estabilização do ceratocone, melhora da visão e  recuperação da espessura central da córnea mais rápida que a dos adultos. Os estudos também mostram melhora da visão entre pessoas com mais de 18 anos que passaram pelo procedimento, mas o risco de complicações como ceratite microbiana é maior neste grupo.

A dica para os pais é submeter crianças que coçam os olhos com frequência a um check up da córnea para prevenir futuras complicações.  O especialista ressalta que embora o crosslink não elimine a necessidade de óculos preserva a integridade dos olhos.

Eutrópia Turazzi

LDC Comunicação

 


Loading. Please wait...

Fotos popular