Pravda.ru

Ciência

Carta aberta para Maria Bethânia

16.03.2016
 
Carta aberta para Maria Bethânia. 23972.jpeg

Prezada Maria Bethânia,

Tomo a liberdade de escrever esta carta em protesto contra sua participação na campanha "A Natureza está falando"  da Organização Não Governamental Conservação Internacional (CI). Percebo que a senhora se entende como uma pessoa espiritualmente ligada à natureza. Recentemente assisti uma entrevista sua na TV. Nesta entrevista a senhora falou que, antes de aceitar ser enredo da Mangueira, consultou seus guias espirituais para obter autorização. A principio considero muito boa esta atitude. Entretanto sinto que sua participação na campanha supracitada pareceu-me contraditória com a referida atitude. A seguir exponho as razões desse estranhamento que motivou a lavra desta Carta.

Inicio compartilhando algumas informações que possam ajudar esclarecer em que consiste na minha avaliação o propósito desta Organização Não Governamental (ONG). Tendo trabalhado algum tempo com uma ONG, hoje entendo que tem três principais perguntas que podem revelar os interesses que movem uma ONG: Quem a dirige? Quem a financia? Quais as relações entre dirigentes e financiadores? Vejamos, através de alguns exemplos, como estas questões se comportam no caso da CI.

A maior parte das receitas da CI provem de empresas e fundações, sendo grande parte destas fundações por sua vez ligadas às corporações, ricos empresários ou bancos (por exemplo Fundo Filantrópico Goldman Sachs, Fundação Walt Disney, Fundação Coca Cola, Fundação Margaret A. Cargill etc.).

A maior empresa do mundo - Walmart - é uma das principais parceiras da CI. O ex-presidente e filho do fundador desta empresa, o multibilionário Rob Walton ao mesmo tempo é presidente do comitê executivo da CI. Walmart vem sendo veementemente criticado por violar direitos trabalhistas no mundo inteiro, por explorar trabalho forcado na China e por causar uma gigantesca pegada ecológica.  A parceria com este gigante das ONGs é estratégica para Walmart por duas razões. Primeiro o melhoramento da imagem publica da empresa.   Segundo, os projetos conservacionistas da CI (principalmente os projetos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação florestal - REDD) em grande parte objetivam a emissão de certificados de "emissões de carbono evitadas". Estes certificados podem ser usados por empresas como Walmart, para "compensar" as emissões por ela causadas. Ao invés de mudar suas praticas ambientalmente destrutivas, a empresa pode - com relativamente pouco dinheiro - "apagar" sua pegada ecológica e tornar-se "carbono neutral".  Através de um dos projetos facilitados pela CI no Brasil, por exemplo, Walmart pretende "evitar" a emissão de 458 milhões de toneladas de carbono na floresta Nacional do Amapá.

De fato, estes projetos tendem a resultar em criminalização e até expulsão dos povos da floresta, que são forçados a abandonar suas tradicionais praticas de subsistência. Em Botswana, por exemplo, onde a CI apóia o governo na implementação de políticas conservacionistas, centenas de indígenas foram espancados, presos e expulsos de áreas de proteção ambiental. Trata-se de uma reserva, onde o governo do país quer explorar minas de diamantes e extrair gás de xisto (fracking).  A CI se defendeu contra as acusações com uma nota, alegando que não teria envolvimento em tais ocorrências, mas que não poderia ser responsabilizada por eventuais evicções promovidas pelo governo de Botswana. Entretanto, a nota não menciona o fato que o Sr. Ian Khama - o próprio Presidente deste país africano - integra a diretoria da ONG (CI) .

A CI ainda promove pesquisas e atividades de bioprospecção em terras indígenas e em regiões de grande Biodiversidade (biodiversity hotspots), frequentemente em parceria com empresas, tais como Monsanto e Novartis. Estas atividades são percebidas por ONGs críticos e comunidades indígenas e como biopirataria e biocolonialismo. Eles acusam a CI, alem de criminalizá-los, de roubar seu conhecimento tradicional e de se apropriar de recursos biológicos, monopolizando e mercantilizando-os.

Empresas petrolíferas, exploradoras de carvão e empresas de energia, cientes do fato que a queima dos combustíveis fosseis são a principal causa da crise climática, hoje tem grande interesse no melhoramento da sua imagem e na possibilidade de compensação de emissões, que deve permitir que eles continuam seu negocio como sempre. Por isso não é de estranhar que encontramos nomes como BP, Shell, Cerrejon Coal,  etc. na lista dos parceiros da CI. A organização justifica suas parcerias com as empresas poluidoras, argumentando que ela trabalharia para melhorar as práticas ambientais das mesmas. Na pratica não podemos ver muitos resultados deste trabalho da ONG. Ela parece mais viabilizar meios para que as corporações possam comprar seu caminho fora da responsabilidade e continuar com suas práticas destrutivas.

No Brasil, a Petrobras é parceira da CI. Aqui o entrelaçamento de interesses entre os dois obviamente vai além da sua parceria oficial. O multibilionário brasileiro André Esteves preenche (juntos com o ator Harrison Ford) o cargo de vice-presidente do conselho da CI. Em 1992 Esteves foi acusado de ter pagado R$ 6 milhões em propinas para Fernando Collor. A quantia teria sido repassada a Collor para que a BR Distribuidora - subsidiária da Petrobrás - cedesse sua bandeira para uma rede de 120 postos de combustíveis controlada pelos empreendimentos de Esteves. Uma das empresas de Esteves ainda vende equipamentos para exploração de petróleo para a Petrobras. Acusado de ter pagado propina na compra de ativos da Petrobrás na África e de ter tramado contra a operação Lava Jato, Esteves foi preso em novembro do ano passado e responde por processo criminal. A CI apresenta seu vice-presidente Esteves no seu site como "conservacionista", sem maiores explicações. Temos que perguntar: como Esteves chegou a ter esta posição na CI? Que faz dele uma "conservacionista"? Em que consiste este conservacionismo da CI?

O rompimento da represa em Mariana em novembro de 2015 é considerado o maior desastre ambiental que já teve no Brasil. A mineradora Samarco que é responsável pelo desastre é propriedade da Vale S.A. (50%) e da empresa anglo-australiana BHP Billiton (50%). Ambas as corporações tem parceria com a CI. Houve um laudo independente do instituto Pristino em 2013, que apontava para o perigo de rompimento, e que foi ignorado pela Vale e pela BHP Billiton. Mas por que a CI ignorou este laudo? Sendo ela parceira ambiental destas Multinacionais, não teria sido sua responsabilidade de pressioná-las para que tomem medidas? Ou seja, a CI não poderia ter evitado este desastre? E depois do desastre: enquanto a população brasileira (juntos com algumas organizações financeiramente independentes das empresas) protestava para que as corporações se responsabilizassem, a CI (assim como outras ONGs que recebem dinheiro da Vale) ficou praticamente quieta, se restringindo a analises técnicas sobre o ocorrido.

Assim como as indústrias poluidoras, as empresas petrolíferas e as grandes instituições financeiras, a indústria de armas também tem seus interesses entrelaçados com os da CI.  Wes Bush, o presidente da empresa Northrop Grumman é tambem membro da diretoria da CI. Produtos da Northrop Grumman são, por exemplo, o bombardeiro "Stealth B-2" e o drone "Global Hawk", utilizadas entre outros, nas guerras que os EUA promoveram em Afeganistão e no Iraque para manter seu controle sobre o petróleo nestas regiões. Neste momento estes mesmos equipamentos efetuam bombardeios na Síria.  Em 2011, a corporação faturou com seus produtos acima de 26 bilhões de dólares. Neste mesmo ano, a Fundação Northrop Grumman doou 2 milhões (menos que um milésimo do faturamento) para a CI. Em contrapartida, a ONG confere à empresa a reputação de responsabilidade ambiental. No site da CI consta: "CI colabora com Northrop Grumman [...] para permitir que a empresa possa demonstrar impactos positivos de suas operações comerciais. As atividades específicas incluem uma análise das melhores práticas, protocolos recomendados para a medição de áreas de impacto (energia, água, resíduos e ecossistemas) [...]".  Impactos positivos?!

Novamente: em que consiste afinal o conservacionismo da CI? O que ela realmente conserva? Sinto que - mais que a conservação da natureza - o propósito fundamental da CI é a conservação de um sistema. Ela contribui na conservação de estruturas de poder e de interesses particulares de indústrias e do capital financeiro. Estes mesmos interesses e estruturas querem levar nosso planeta à destruição. Lutar contra eles hoje é uma questão de sobrevivência. Não podemos consentir ou colaborar com a maquiagem verde que organizações como a CI vendem para estas corporações!

Os povos indígenas andino-amazônicos levam muito a sério a idéia da natureza como ser vivo e sujeito falante. Em 2010 representantes destes povos proclamaram na Bolívia os Direitos Universais da Natureza e desde então se reúnem anualmente para ouvir denuncias de crimes contra a natureza. Praticas da CI, tais como os mencionados projetos REDD que visam a mercantilizarão da natureza e o encobrimento de crimes contra ela estão sendo denunciados e julgados neste fórum, e um grande número dos parceiros da CI está na banca dos réus.

O "ambientalismo dos conservadores do sistema" que vem sendo praticado pela CI e outras grandes ONGs tende a produzir em suas propagandas imagens da natureza selvagem, intocada, sem gente. Estas imagens condizem à pretensão deste sistema de transformar florestas, rios e oceanos em capital disponível sem interferência humana (sumidouros de carbono, serviços ecossistêmicos comerciáveis etc.). Ignorando as intimas ligações, os inúmeros processos de co-evolução entre comunidades, plantas e bichos, imagens como estas nos vídeos da CI acabam afirmando nossa separação da natureza. Assistindo-os, sentimos por um curto momento uma espécie de admiração por uma natureza irreal e romantizada, enquanto de fato ela nos escapa ainda mais. Esta comoção superficial faz que continuemos cegos diante as atrocidades muito reais que o sistema produz,  tanto contra a natureza, quanto contra as pessoas que dependem dela.

Acredito firmemente que, quando nos re-conectamos com a natureza dentro de nos nós (sendo nós parte dela), ela cobra de nós um grau cada vez mais elevado de discernimento, de vigilância e de disposição de lutar por ela. Peço que a senhora faça esta consulta, tanto no mundo dos fatos, quanto no mundo espiritual, para reavaliar sua participação na mencionada campanha e considerar a retirada do seu apoio a ela!

Espero que minhas palavras não a tenham ofendido. Certamente esta não foi minha intenção. Ao contrário, quero convidá-la para conhecer melhor os movimentos populares que se criam em reação à crise planetária, em defesa dos direitos da natureza e em oposição contra as falsas soluções do ambientalismo de mercado. Seria um grande ganho para esta luta contar com seu apoio e solidariedade.

Atenciosamente,

Michael F. Schmidlehner

Pesquisador independente e ativista

Rio Branco, março 2016

 


Loading. Please wait...

Fotos popular