Pravda.ru

Ciência

Tripoli: Outro Airbus cai do Céu?

13.05.2010
 
Tripoli: Outro Airbus cai do Céu?

O milagre é que um jovem holandês é o único sobrevivente entre os 104 passageiros e tripulantes a bordo do Airbus A330-202 da Afriqiyah Airways voo 771 que pousou no aeroporto de Tripoli, vindo de Joanesburgo, África do Sul. Após a tragédia do Verão passado com o mesmo tipo de avião, quando o voo AF447 desapareceu no Oceano Atlântico, se levanta a pergunta: como pode um Airbus de repente cair do céu?

Os que investigam este tipo de incidente irão dizer que um acidente de aviação é normalmente causado por uma conjuntura de vários factores, envolvendo erro humano/fádiga, falha dos sistemas a bordo do aparelho, controle de tráfego aéreo, condições meteorológicas e sistemas aeroportuários. Os a eronaves não podem simplesmente cair do céu. Ou podem?


Por exemplo, mesmo no caso improvável de falha catastrófica dos motores, um avião pesado como um A330 tem uma taxa de planar de cerca de 15 km para cada km de altitude. Por exemplo, a uma altitude de 3363 pés, ou um quilômetro (1.000 metros) a aeronave deve ter uma capacidade de planar de 8,27 milhas náuticas, dando ao piloto 2,09 minutos para preparar uma aterragem forçada. No entanto, as aeronaves não voam a 1.000 metros de altitude, a menos que eles estão se aproximando para o pouso ou decolagem.


A altitude de cruzeiro de uma aeronave comercial normalmente é de 12.000 metros, o que daria cerca de 25 minutos de tempo de planar, e permitir uma distância para aterragem de cerca de 100 milhas náuticas, período durante o qual o piloto terá acesso a informações que demonstrem o aeroporto mais próximo e também indicando a pista mais comprida . Assim, analisando os dois incidentes com essas aeronaves no ano passado, podemos perguntar o que está acontecendo com o Airbus A330?


Primeiro incidente: AF447, Oceano Atlântico Junho de 2009
No verão passado, em 01 de junho de 2009, o A330, voo da Air France AF447, do Rio de Janeiro para Paris, estava em altura de cruzeiro a FL 350 (Flight Level [nível de voo] 350 = 350 x 100 pés, ou ótima altitude de cruzeiro de 35.000 pés) quando entrou no zona de convergência inter-tropical, com alguns grupos poderosos de nuvens cumulonimbos.


Às 02:10 UTC, 24 mensagens ACARS foram enviados automaticamente pelo avião durante um período de quatro minutos, mostrando falha do sistema múltiplo, inconsistências na medição da velocidade no ar, desconexão do piloto automático e modo de controlo do voo alternativo (indicando um modo de operação que prevê que a aeronave possa parar ou executar movimentos que são considerados anormais).


Desde 02.10 até 02.13 UTC, as mensagens revelaram falhas no ADIRU (Unidade de Referência Inicial sobre Dados Aéreos) e ISIS (Integrated System Standby Instruments) sistemas PRIM1 (computador principal de controle de vôo) e SEC1 (computador de controle secundário de voo) e, finalmente, às 02.14, o avião caia em direção ao oceano em alta velocidade, de mergulho vertical, embatendo contra o mar e quebrando em pedaços. Todos os 228 ocupantes (216 passageiros e 12 tripulantes) morreram com o impacto.


Parece que a decisão de voar através de poderosos grupos de nuvens cúmulonimbos, juntamente com uma falha nos indicadores de velocidade no ar, poderia ter causado uma situação em que, eventualmente, um raio de relâmpago atingiu de forma desastrosa os sistemas da aeronave. Mas o A330, AF447 na verdade simplesmente caiu do céu.


Segundo incidente: Afriqiyah Airways 771, Tripoli Maio 2010

O incidente no aeroporto de Tripoli em 12 de Maio foi o segundo acidente do A330. O Airbus A330-202 da Afriqiyah Airways, voo 771, estava a chegar a partir de Joanesburgo, África do Sul no aeroporto de Trípoli. Enquanto as investigações prosseguem, há testemunhos oculares, que afirmam que o aparelho caiu e explodiu ao tocar na pista, outros dizem que aterrou a um metro da pista e explodiu e ainda outros que tentou aterrar a meia milha da pista, e explodiu . 92 passageiros e 11 tripulantes morreram no impacto. Um rapaz holandês sobreviveu e está em condição estável em um hospital de Trípoli, com múltiplas fraturas nas pernas. Parece que ele perdeu os pais e o irmão no acidente.


O denominador comum é que a aeronave sofreu uma pane na abordagem final, o que é estranho, porque a visibilidade era de 6 km. O sol da manhã pode ter sido um fator, brilhando diretamente nos olhos dos pilotos, obrigando-os a realizar uma aterragem com instrumentos. Dois fatores podem ter contribuído aqui.
Em primeiro lugar, Tripoli não te

m um ILS (Instrument Landing System, ou Sistema de Aterragem com Instrumentos) e então os pilotos teriam contado com a VOR (rádio omnidireccional VHF). Além de relatórios feitos por pilotos que afirmam que o VOR de Tripoli é propenso a leituras falsas, também é uma possibilidade que as obras no aeroporto podem ter interferido nos sinais.
Em qualquer caso, o que é estranho é que neste acidente, mais

 uma vez, a aeronave não fez uma aterragem normal, mesmo fora da pista, mas parece ter caído do céu voando horizontalmente e bateu com barriga no chão. O GPS do Airbus teria fornecido informações sobre o ângulo da aproximação, então pode ser que alguns sistemas de segurança foram ignorados?


Quais, o s investigadores estão a tentar descobrir. A verdade é que dois Airbus A330 caíram do céu no espaço de um ano.


Timothy BANCROFT-Hinchey
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular