Pravda.ru

Ciência

Doença renal misteriosa da América Central pode estar ligada a agrotóxicos

12.05.2013
 
Pages: 123
Doença renal misteriosa da América Central pode estar ligada a agrotóxicos. 18197.jpeg

Pesquisas realizadas paralelamente em El Salvador e no Sri Lanka trazem resultados semelhantes em relação ao uso dos mesmos produtos


Sasha Chavkin,
de El Salvador (Center for Public Integrity)
Foto: A Pública


Uma doença renal misteriosa que atinge camponeses em El Salvador e outros países da América Central mobiliza os ministérios de saúde da região. No dia 27 de abril, foi assinada em El Salvador uma declaração conjunta qualificando o combate da doença como de alta prioridade para a saúde pública e definindo uma série de ações nesse sentido.


Nos últimos dois anos, o Center for Public Integrity tem denunciado um tipo raro de doença renal crônica (DRC) que está matando milhares de camponeses da costa do Pacífico da América Central, do Sri Lanka e da Índia. Cientistas ainda não desvendaram completamente a causa desse mal, ainda que provas recentes apontem metais pesados tóxicos contidos em pesticidas como potenciais culpados.


Depois de anos sem iniciativas oficiais dos Estados Unidos e de outros lugares, a declaração feita em San Salvador reconheceu formalmente - pela primeira vez - a existência da doença e os grupos que afeta: "comunidades agrícolas socialmente vulneráveis ao longo da costa do Pacífico na América Central", assinala a declaração aprovada pelo Conselho de Ministros da Saúde da América Central. E acrescenta: "É predominante entre homens jovens e tem sido associada a ambientes tóxicos e fatores ocupacionais de risco, desidratação e hábitos nocivos para a saúde renal".


Entre ações anunciadas estão a realização de estatísticas mais detalhadas da DRC, o desenvolvimento de planos regionais e nacionais para investigar e tratar a doença e a promoção de medidas regulatórias mais fortes para o uso de agrotóxicos.

Uma mulher segura uma foto de seu marido com colegas de trabalho do canavial pero de Chichigalpa, Nicarágua. Ele morreu de doença crônica renal; quatro de seus filhos também têm a doença - Foto: Anna Barry-Jester/Center for Public Integrity
 
Um mal que afeta os pobres
A declaração representou uma grande vitória para El Salvador e sua ministra da saúde, a Dra. Maria Isabel Rodriguez. Essa senhora de noventa anos, um metro e meio de altura e os olhos cobertos por enormes óculos, tem sido a força motriz que catapultou a doença da obscuridade para um reconhecimento formal como principal ameaça à saúde pública na região.


"Essa é uma doença de pessoas pobres", diz Rodriguez. "Uma doença de pessoas que trabalham nos campos e tem condições de vida muito ruins".


O resultado marcou uma reviravolta nos Centros dos Estados Unidos para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), que em 2011 ajudaram a derrotar um esforço de El Salvador para declarar prioridade ao tratamento da doença. O CDC diz agora que dedicou "centenas de milhares" de dólares para apoiar a investigação sobre a doença, criou uma força-tarefa multidisciplinar interna na América Central, e se comprometeu a ajudar no financiamento de uma pesquisa nacional em El Salvador para medir a relevância de doenças crônicas, incluindo a DRC.


"Nós temos o compromisso de dar apoio para acompanhar e fortalecer as investigações dos ministérios de saúde," diz Dr. Nelson Arboleda, o diretor do CDC para a Região da América Central.


A conferência de San Salvador também marcou um limiar na cooperação internacional para o combate a essa doença misteriosa. Após anos de luta de pesquisadores na América Central tentando estabelecer uma ligação entre enfermidade semelhante na Ásia, o Sri Lanka enviou uma delegação oficial para El Salvador e pediu que a América Central considerasse os resultados das pesquisas e as políticas de combate à doença no país asiático como modelos para ações futuras na América Central.


"Nós temos provas clínicas, bioquímicas e histopatológicas o suficiente para dizer que se trata da mesma doença," afirma Channa Jayasumana, representante do Sri Lanka na conferência que aconteceu em El Salvador.


No Sri Lanka, de acordo com um relatório oficial, mais de 8 mil pacientes estão recebendo tratamento por DRC de causa desconhecida, um número que representa apenas uma fração da quantidade de pessoas afetadas pela doença, que fica em estado latente até seus estágios avançados. Mais de 16 mil homens morreram de falência renal na América Central de 2005 a

Pages: 123

Loading. Please wait...

Fotos popular