Pravda.ru

Ciência

Não existe um método funcional de limpar o espaço

12.02.2009
 
Não existe um método funcional de limpar o espaço

Desde o início da navegação espacial em 1957, com o lançamento do satélite russo Sputnik, a humanidade encheu o espaço  de lixo em excesso. Se calcula que desde então mais de 110.000 peças , a maioria - menores que um calhau, rodeiam a Terra.

O lixo espacial procedeu, sobre tudo de 180 explosões de foguetes e satélites, segundo as estimativas da Nasa. Aos componentes de naves espaciais somam-se as coisas perdidas pelos astronautas e cosmonautas. Esta bagunça rodeia o nosso planeta e se movimenta com a velocidade de 28.000 quilômetros por hora.

Entretanto, não existe um método funcional de limpar o espaço. As autoridades de vigilância espacial russa e norte-americana controlam somente cerca de 10.000 peças de diâmetro maior que 10 sentimentos para evitar colisões com satélites.

Mais de 17.000 objetos chocaram contra o nosso planeta desde o ano 1962. Assim, em 2002 a parte do foguete Ariane, lançado em 1985, caiu sobre uma casa na Uganda. A estação espacial “Mir”, depois de 15 anos em funcionamento, caiu no Oceano Pacífico no litoral na Nova Zelândia.

A área mais lotada de fragmentos encontra-se entre 885 km e 1005 km de altitude e isso representa um risco menor para os vôos espaciais tripulados. A Estação Espacial Internacional orbita a 402 quilômetros e o alcance do ônibus espacial não supera os 603 . Mas o depósito de lixo orbital poderá representar um perigo para vôos comerciais e científicos.

 Por Lyuba Lulko


Loading. Please wait...

Fotos popular