Pravda.ru

Ciência

Coquetel anti-Aids ganha novo medicamento

07.10.2008
 
Coquetel anti-Aids ganha novo medicamento

O Ministério da Saúde incluirá o medicamento Raltegravir na lista de anti-retrovirais fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento da Aids. A decisão da Comissão de Incorporação de Tecnologias (Citec) já foi ratificada pelo ministro José Gomes Temporão.


Em meados de setembro, o Comitê Assessor de Terapia Anti-retroviral de Adultos, ligado ao Programa Nacional de DST e Aids, já havia avaliado e recomendado a inclusão do medicamento. A partir de agora, iniciam-se as negociações com o laboratório Merck Sharp & Dohme para a aquisição dos comprimidos importados. A expectativa é de que o Raltegravir esteja disponível para os pacientes que vivem com Aids já no início de 2009.


O Raltegravir faz parte de uma nova classe de agentes anti-retrovirais, chamada de inibidores de integrase. Ele impede a inserção do DNA viral do HIV no DNA humano. Trata-se de um novo mecanismo, que reduz a capacidade do vírus da Aids de se replicar e infectar novas células. “Essa é uma alternativa para melhorar a qualidade de vida de quem já não responde ao tratamento disponível”, afirma o diretor-adjunto do Programa Nacional de DST e Aids, Eduardo Barbosa. Os beneficiados serão os que já desenvolveram multirresistência a outros remédios e, por isso, estão em falência imunológica. Até o fim de 2009, mil pacientes devem ter a droga no tratamento. A prescrição será feita a cada pessoa por seu próprio médico.

TERAPIA ANTI-RETROVIRAL
– Desde 1996, com a publicação da Lei 9.313, o tratamento da Aids é assegurado gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a qualquer cidadão com Aids. Atualmente, 185 mil pessoas recebem o tratamento. O Brasil fornece 17 drogas – dez importadas, de nove companhias farmacêuticas; e sete nacionais, produzidas por uma indústria privada e seis laboratórios públicos. O Raltegravir será a décima oitava. Entre 1997 e 2007, foram investidos mais de R$ 6 bilhões na aquisição de anti-retrovirais.


Para 2008, a previsão é de pouco mais de R$ 1 bilhão. O coquetel anti-Aids, como é popularmente conhecida a terapia, é responsável pela melhoria da qualidade de vida dos pacientes de Aids. Considerando a média de internações por paciente/ano em 1996 (1,65 internação/ano), seria esperado um total de aproximadamente 1,6 milhão de internações relacionadas ao HIV e à Aids no SUS, entre 1997 e 2007, se não houvesse tratamento. Porém, nesse período, foram registradas 293.074 internações – redução de 82% em relação às expectativas anteriores. Com acesso à Terapia Anti-retroviral (TARV), estima-se que mais de 1,3 milhão de internações foram evitadas.


Medicamentos anti-retrovirais distribuídos no SUS:


Nacionais - Zidovudina (AZT), Lamivudina (3TC), AZT+3TC, Estavudina, Indinavir, Nevirapina e Saquinavir.


Importados - Abacavir, Atazanavir, Darunavir, Didanosina, Efavirenz (em produção nacional a partir de 2009), Enfuvirtida, Fosamprenavir, Lopinavir/Ritonavir, Ritonavir e Tenofovir.


Ministério da Saúde


Loading. Please wait...

Fotos popular