Pravda.ru

Ciência

Manipulação na Venezuela

03.03.2014
 
Manipulação na Venezuela. 19904.jpeg

"Memes" falsos são apenas ponta do iceberg. Estratégia para derrubar governo democrático inclui inventar violência e criar caos

Por Romain Migus, do Memóire des Luttes  | Tradução: Cauê Ameni

Uma mudança surpreendente produz-se no cenário internacional desde há alguns meses - e está relacionada à onda de revoltas iniciada em 2011. As táticas baseadas em enormes manifestações de rua e, muitas vezes, em ocupação física de praças, estão em disputa. Foram empregadas, a princípio, por movimentos que enfrentavam ditaduras (como no Egito e Tunísia) ou eram muito críticos ao capitalismo (15-M, Occupy). Agora, estão sendo adotadas também por grupos claramente conservadores, capazes de mobilizar parcelas importantes de suas sociedades.

É o que ocorre, por exemplo, na Ucrânia, onde três organizações de ultra-direita, participam da ocupação da Praça Maidan. Lá, segundo algumas análises, sãohegemônicas. Cresceram num cenário marcado por desgaste extremo de um governo autoritário, paralisia da esquerda, vacilações dos partidos da ordem tradicionais. Algo semelhante ocorre na Tailândia. Dezenas de milhares de jovens estão nas ruas. Fazem barricadas, bloqueiam as entradas de prédios públicos. Apoiados pela mídia e pela hierarquia do Judiciário, apresentam um programa espantoso, porque abertamente elitista e pré-moderno. Querem derrubar uma primeira-ministra que ensaia tímidas reformas sociais. Rejeitam eleições (tentaram sabotar as últimas). Exigem um governo não-eleito (sic), formado por "notáveis" e encarregado de reescrever as leis do país...

Esta tentativa de "capturar" as ruas já foi vivida, no Brasil, em junho de 2013. Dá-se agora na Venezuela, onde os setores mais extremados da oposição ao governo de Nicolas Maduro promovem atos violentos. Desta vez, incorpora um fator novo: o uso sistemático das redes sociais como arma de manipulação de informações - portanto, de produção de desigualdades simbólicas.

Os "memes" que acompanham a matéria a seguir ilustram esta "novidade". Nos últimos dias, cenas de violência policial ou de tortura, registradas em muitas partes do mundo (inclusive no Brasil...), são apresentadas, em postagens no Twitter e Facebook, como se tivessem se passado na Venezuela. Não se trata de um caso - mas de um padrão, repetido em sequência. Não é, tudo indica, brincadeira de adolescentes ingênuos.

Uma questão mais profunda sobressai. Libertadora a princípio, por permitir que seres humanos comuniquem-se sem intermediários ou hierarquias, a internet nada garante, em termos de transformações sociais. Em sociedades (auto-)oprimidas pelo preconceito, marcadas pela alienação e pela quase incapacidade de escutar o outro, "memes" falsificadores podem tornar-se virais. Quem os transmite não desejacompartilhar algo, mas impor uma forma violenta de ver o mundo - que não se abre nem à razão, nem ao sentimento. É a versão virtual dos que amarram pobres pretos aos postes.

A resposta, óbvio, não é rejeitar as redes - mas compreender que elas, por si mesmas, não são capazes de transformar nada. Podem converter-se, ao contrário, em multiplicadoras aceleradas da barbárie em que vivemos. Para mudar o mundo, continuam indispensáveis visões, lógicas, projetos e políticas... (A.M.)

 

Quem acompanha o noticiário internacional nesse fevereiro de 2014 pode acreditar que a Venezuela - novamente ela - está sob fogo e sangue. O culpado, segundo as grandes empresas de comunicação, é o mesmo, há quinze anos: o governo bolivariano massacra seu povo - mais uma vez -, como se esse fosse o passatempo favorito dos governantes, desde a ascensão de Hugo Chávez à presidência da República. São esquecidos, porém, os onze chavistas assassinados no dia seguinte à vitória eleitoral de Nicolas Maduro, em abril de 2013; a larga vitória municipal do campo bolivariano em dezembro de 2013. Tenta-se apagar o apoio popular à Revolução Bolivariana, alegando que os venezuelanos estão enfrentando uma "regime" que não hesita em disparar contra seu povo. Um olhar sobre os eventos que sacudiram a Venezuela é, por isso, necessário para compreender o que esta acontecendo agora na terra de Bolívar e Chávez.

Guerra interna na oposição

A oposição venezuelana não é um bloco monolítico. Embora todos os partidos compartilhem de um programa comum (1), as estratégias para tomar o poder, e sobretudo a ambição pessoal, sempre reavivam tensões. A liderança que Henrique Crapriles Rodanski construiu desde sua vitória na principal coalizão opositora (Mesa de Unidade Dmocrática - MUD), em fevereiro de 2012, sofreu erosão ao longo de suas quatro derrotas eleitorais. Nas eleições municipais de dezembro de 2013, o partido de Leopoldo Lopez, Voluntad Popular, ganhou mais prefeituras que o Primero Justicia, organização de Capriles.

Os questionamentos internos, em sequência a repetidas derrotas nas urnas e reviveram os velhos demônios de uma oposição pronta para considerar legitimo qualquer caminho possível para conquistar o poder.

Aproveitando-se do descontentamento compreensível de uma parte da população, diante de uma guerra econômica que afeta os venezuelanos cotidianamente (3), o setor mais radical da oposição decidiu passar ao ataque. Nos primeiros dias de 2014, Leopoldo Lopez, Maria Corina Machado ou Antonio Ledezma apelam ao "levante" como meio "democrático" para derrubar o governo (4). A Constituição venezuelana prevê, como dispositivos democrático, a convocação de um referendo revogatório, na metade dos mandatos, para confirmá-los ou não. No caso de Capriles, em abril de 2016, Leopoldo Lopez não ficará por ai. Em meio a um encontro, em 2 de fevereiro de 2014, disse a seus apoiadores: "Os problemas que o povo sofre têm um culpado. O culpado é o poder nacional (...) nós não podemos dizer que o problema é apenas Nicolas Maduro. O problema, são todos os poderes públicos nacionais" (5). Golpe de Estado?

 

No decorrer do mesmo encontro, Maria Corina Machado afirma que "a única resposta possível é a rebelião (...) Alguns dizem que temos que esperar as eleições em não sei quantos anos (...) Mas a Venezuela não pode mais esperar" (6). A mensagem de confronto foi lançada contra o governo, mas também ao MUD e a Capriles. A tentativa de controle da oposição pelo setores mais antidemocráticos do antichavismo foi confirmado por Leopoldo Lopez, quando convocou uma manifestação para 12 de fevereiro de 2014: "Nossa luta passa pela rua (...) eu tenho certeza que, no dia 12 de fevereiro, nós veremos Henrique Capriles na rua. Eu lanço uma chamada [a todos os dirigentes da oposição] mas sobretudo à Henrique, que tem grande responsabilidade, para que se junto a esse clamor de mudanças" (7).

Dito e feito

Dia 12 de fevereiro, a manifestação dirige-se contra a sede do Poder Judiciario (Ministério Publico, na Venezuela), situada no centro popular da capital. A maioria dos dirigentes da oposição, incluindo Henrique Capriles Radonski, está ausente. A pequena procissão é composta principalmente de estudantes de classe média alta de universidades privadas. No local, Leopoldo Lopez e Maria Corina Machado inflamam a multidão com falas semelhantes às de alguns dias atrás. Antes de dispersar o evento, enquanto a maioria dos estudantes deixam o local sem ser perturbados, grupos extremistas tomam o lugar. Sinais pacifistas dão lugar a pedras e coquetéis molotov. E tudo muda.

 

No meio do confronto, tiros. Juan Montoya ("Juancho"), um militante chavista presente ao local, e Basil da Costa, um estudante da oposição, morrem assassinados com um tiro na cabeça. A policia nacional consegue repelir os provocadores, que se reagrupam em Chacao, bairro chique de Caracas, cujo prefeito, Ramon Muchacho, é membro do partido Primeiro Justicia. Algumas horas depois, os confrontos deslocam-se para esta região da cidade. Roberto Redman, um militante da oposição, que trouxe o corpo do jovem Basil, é também assassinado. A maquina midiática internacional se anima. O governo é acusado de ter originado a sangrenta repressão, embora as forças policiais não utilizem qualquer arma letal para lidar com facções armadas da oposição (8).

Os meios privados de comunicação passam a denunciar a censura governamental depois que um canal a cabo colombiano, NTN24, foi retirado do ar pelos próprios operadores privados, por ter infringido a lei venezuelana que proíbe a retransmissão ao vivo de imagens de violência na rua. Não se trata de uma censura orquestrada pelo poder: a mídia internacional e nacional cobriu vastamente a parte pacifica da manifestação. Em contrapartida, nenhuma mídia internacional denunciou os ataques com armas de fogo contra a sede da televisão pública VTV, em que uma funcionária foi atingida por um tiro nas costas. Liberdade de expressão com dois critérios?

 

Na noite do dia 12 de fevereiro, havia um saldo de três mortos e diversos feridos, inclusive entre a polícia e os funcionários do metrô de Caracas, apanhados pelos grupos extremistas da oposição. Havia também seis carros da policia queimados, escritórios de instituições públicas destruídos, sem levar em conta os danos colaterais sofridos pelos habitantes da cidade.

Estas atitudes são criticadas mesmo entre a oposição. Um jornalista do El Universaldenuncia a irresponsabilidade e a falta de liderança de Leopoldo Lopez quando ele abandonou os estudantes, assim que os confrontos começaram (9). O prefeito de Chacao publica um tweet contundente: "Nós reconhecemos a falta de liderança da oposição. Só a anarquia reina. É isso que queremos?" (10). Henrique Capriles ecoa, "garras de grupos violentos sobre uma manifestação pacifica" (11).

 

Uma investigação revelará, conforme o ministro do Interior e da Justiça, Miguel Rodriguez Torrez, que as duas pessoas assassinadas nas proximidades do Ministério Público foram alvejadas com a mesma arma, o que reforça a hipótese de infiltração de mercenários paramilitares da oposição, com objetivo de criar o caos e de atiçar as tensões entre os venezuelanos. Um cenário similar ao vivido durante o golpe de Estado de 11 de abril de 2012 (12). Os mais vulneráveis, diante desta estratégia, são, infelizmente, os jovens estudantes, que pensam poder destituir um governo apoiado pela maioria da população e pelo exército.

Henrique Capriles Radonski solidarizou-se, na sequência, com Leopoldo Lopez, mas insistiu sobre a diferença de estratégia que o opõe a seu antigo aliado (13). O antigo candidato presidencial chegou a convocar para uma manifestação contra a violência e o "paramilitarismo", esperando atrair os manifestantes dos dias anteriores. Cúmulo da ironia por quem deveria assumir a responsabilidade intelectual pelo assassinato de onze militantes chavistas, logo após sua derrota eleitoral nas eleições presidenciais de abril de 2013 (14).

 

 

A mão do Império não é fantasia

Nicolas Maduro recebeu mensagens de solidariedade - e de critica à violência da oposição - enviadas por diversos governos do mundo a União das Nações Sulamericanas (Unasur). Enquanto isso, o governo dos Estados Unidos adotou um tom de ameaça. Num discurso pela TV, o presidente Maduro denunciou as propostas do subsecretário de Estado adjunto para América Latina, Alex Lee. Este havia apresentado uma série de exigências (libertação dos responsáveis pela violência, fim dos processos contra Leopoldo Lopez, diálogo imediato com a oposição), sob ameaça de "gerar consequências negativas em nível internacional" (15)

Esta chantagem, apenas agora, revelada, resulta da participação ativa dos Estados Unidos nos eventos recentes que sacodem a Venezuela. Em resposta, o presidente Maduro decide expulsar do país três diplomatas norte-americanos, por sua participação ativa no financiamento e formação de estudantes em técnicas de golpe de Estado soft(16).

Na nebulosa de informações sobre a situação atual, manipulações mediáticas grosseiras tentam legitimar o discurso da oposição, que fala de tortura e de repressão sangrenta por parte do governo. Este ciberataque é, sobretudo, um meio de desacreditar a Venezuela em plano internacional, de agitar os espíritos dos partidários da oposição, para gerar uma situação de ingovernabilidade.

 

 


Loading. Please wait...

Fotos popular