Pravda.ru

Federação Russa

Propaganda gay é uma questão política

31.03.2012
 

Propaganda gay é uma questão política. 16755.jpeg

Depois de Assambleia de S. Petersburgo ter aceitado a lei que impõe multas por "propaganda gay" a menores, um grupo de legisladores russos decidiu promover essa iniciativa na Duma de Estado, onde há dias foi apresentado um projecto de lei sobre matéria. Os "democratas ocidentais" já chamaram-na de atitude descabida e preconceituosa. Os ativistas gays de S. Petersburgo ameaçam protestar contra lei local, até organizar piquetes perto das estabelecimentos infantis.

A nível federal o projeto da lei foi introduzido na Duma Estatal (câmara baixa do parlamento russo) pelos deputados da cidade de Novosibirsk, na Sibéria. Se for aprovada, vai impor multas de até 5 000 rublos (cerca de US $ 170) para pessoas físicas e 250 a 500 mil rublos (cerca de 8 a 17.000 dólares) para as empresas que divulgam propaganda gay entre menores de idade.

A iniciativa provocou indignação de militantes dos direitos humanos que defendem os direitos das minorias sexuais. Estes asseguram que a lei visa reprimir a comunidade gay. Segundo o principal defensor dos direitos gays russo, Nikolai Alekseev, a lei, entrada em vigor em S. Petersburgo,  deve ser cancelada, pois, proíbe a promoção da homossexualidade e nada fala de heterossexualidade. De acordo com ativistas gays, esta formulação tem sinais evidentes de discriminação, o que é fácil de provar no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

A reação da comunidade gay russa não termina aí. Anunciou a sua intenção de serem realizadas em S. Petersburgo "piquetes de natureza educacional". E não mais nem menos, perto de escolas e bibliotecas infantis. Há pouca dúvida que passará a ser realizada, aparentemente, desde jeito os gays decidiram irritar parlamentares "intolerantes".

Claro, que imediatamente, entre outros, o Departamento de Estado americano, o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido, o governo da Austrália e o Parlamento Europeu demonstraram grande preocupação com a lei. A Corte Europeia lembrou que não deve existir ambiguidade sobre o "direito individual de se identificar como gay, lésbica ou qualquer outra minoria sexual, e de promover seus direitos e liberdades".

Hugh Williamson, diretor do Human Rights Watch para Europa e Ásia Central, disse que "29 de fevereiro foi um dia obscuro para São Petersburgo e para a Rússia".

Mas a maioria dos russos não faz parte das preocupações dos democratas ocidentais. Bloggers e outros usuários da Runet, na sua maioria esmagadora, apoiam a iniciativa, uma vez reconhecendo o direito dos adeptos de homossexualismo de praticá-lo em cama, mas não publicamente. A maioria dos russos, entrevistados por centro de pesquisa Levada Centro em 2010, recusou a considerar a prática homossexual como as relações normais. 74 por cento acreditam que gays e lésbicas são as pessoas moralmente frouxos ou com deficiência mental (em 1998 — 68 por cento). Apenas 10 por cento reconhece a homossexualidade ser igual a tradicional orientação sexual.

A Igreja Ortodoxa Russa também aprova a lei. Hieromonge Dmitry Pershin, popular líder da Igreja Ortodoxa Russa, fez um apelo à Duma para que a norma seja adotada em todo o país. Segundo ele, a lei deve entrar em vigor "sem atrasos" para impedir a "promoção da homossexualidade a menores"."A lei aprovada em São Petersburgo vai ajudar a proteger crianças de informações manipuladas por minorias que querem promover a sodomia", disse Pershin. " A persistência dessas minorias indica que essa lei local é muito necessária e deve ser urgentemente aprovada em âmbito federal".


Quanto a opinião do governo russo, pode-se citar o primeiro-ministro russo Vladimir Putin, que em geral defende tolerância, mas permanece sendo criticado por não ajudar paradas- gays do declínio da população russa. "Minha atitude está relacionada com minhas obrigações de serviço e reside no fato de que um dos maiores problemas na Rússia é o problema demográfico", ironizou Putin. " Mas eu respeito, vou respeitar a liberdade do indivíduo em todas as suas manifestações ", continuou.

Por sua parte, Maksim Shevchenko, o jornalista russo e activista político, disse: "A propaganda homossexual no mundo moderno é uma questão política. Toda esta promoção da homossexualidade é uma tentativa de alterar a profundidade da natureza humana e ética humana. Portanto, a luta contra esta propaganda pública não é homofobia e intolerância dos outros, mas a luta contra um ataque político asfixiante, realizando contra nós como pessoas com identidade sexual, étnica, política, religiosa, e seres humanos no sentido clássico da palavra. A luta contra a propaganda homossexual é combater aqueles que dizem que vão espalhar a homossexualidade, que querem que deixemos de ser homens, soldados, de amar mulheres. Nós não nos permitiremos mudar. Vamos resistir. Esta resistência será de natureza política".

Lyuba Lulko

Pravda. Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular