Pravda.ru

Federação Russa

Rússia e os Meios de Comunicação

29.04.2010
 
Rússia e os Meios de Comunicação

Durante a visita do Presidente Dmitry Medvedev à Escandinávia, esta semana, a imagem pública da Rússia foi referida em várias ocasiões. É claro que hoje, enquanto a mídia internacional continua a tentar pintar um retrato de um saqueador, selvagem e perigoso monstro para o Oriente, essa imagem está ligada aos mitos que permanecem na névoa da guerra fria ... e da história.


A União Soviética forneceu um maravilhoso "eles" para justificar a existência do "nós", ou seja, a OTAN, aquela cabala de lacaios bajuladores que permitiram que sua política externa passasse para o controle do lobby de Washington, que por sua vez serve para enriquecer aqueles que vivem da venda de armas de destruição maciça.


A demonologia na imprensa ocidental durante o período soviético foi tão sinistra como era ridícula, com histórias sobre russos a comerem os seus bebês, atendimento rude e grosseiro, alimentos não comestíveis ("comida russa é um ovo flutuando na água morna) e um povo infeliz, desagradável e rancoroso morrendo de vontade de exterminar todos os seres vivos na parte ocidental da Cortina de Ferro (um termo Ocidental, não russo).


Aqueles que realmente se preocuparam em ir à URSS ou entrar em contato com seus cidadãos, viram que a verdade estava em outro lugar. E hoje, aqueles que seguem o que realmente acontece e não o pacote insípido chamado "Noticiário" todos os dias na mídia impressa ou na tela da televisão, sabem muito bem que a União Soviética não entrou em colapso (entrou, sim, em um processo de dissolução voluntária, de acordo com a sua Constituição). Eles também sabem que a Rússia não foi o agressor na guerra da Geórgia em 2008, e que Moscou lançou uma estratégia sensata para conter o Diabo, após o ataque feroz por parte das tropas da Geórgia (apoiada por seus consultores dos E.U.A.) contra civis russos na Ossétia.


Embora a imprensa ocidental lançou uma campanha de mentiras e ódio e, depois de um dia de guerra, afirmou que “a Rússia perdeu a guerra mediática”, houve alguns jornais internacionais, PRAVDA.Ru entre eles, que lutaram para que a verdade fosse dita . Então, a demonologia e a hostilidade continuam do lado do Ocidente.


E do lado russo?
Como Dmitry Medvedev disse, "um sorriso". Longe do urso pardo feroz, o coração e a alma do povo russo são, e sempre foram, muito mais parecidos com um urso de peluche. Divertidos, carinhosos, amáveis, orientados para a família e para as suas crianças. Felizes . Respeitosos, educados. Coloridos, cultos, competentes e capazes. Eficientes e eficazes. Belicosos e beligerentes, não. Bacanos, sim.


Para Dmitry Medvedev, a imagem da Rússia deve ser "a cara que eu tenho agora, sorrindo", como afirmou antes de sua chegada na Dinamarca. Justificando ainda mais, “sorrindo e moderno e jovem no sentido de que a Rússia é uma economia em rápido crescimento”. Para o presidente da Rússia, o ônus é criar uma sociedade na qual as pessoas podem desenvolver, ganham salários altos, organizar seu tempo de trabalho e desfrutar do seu tempo de lazer.


Quanto aos direitos humanos, é engraçado que entre os países que atiram acusações contra a Rússia são aqueles que participaram no acto ilegal de chacina no Iraque, em que o direito internacional foi desrespeitado, em que a ONU foi ridicularizada, em que cada fibra do costume internacional diplomático foi insultado. Há também aqueles que abrigam criminosos, assassinos e terroristas.


Por esta razão, quanto aos direitos humanos, Dmitry Medvedev foi sucinto: a Rússia está disposta a discutir direitos humanos com outros países, mas vai resolver os problemas existentes por sí.


Sim, é verdade que alguns jornalistas foram assassinados na Rússia em 2009. No mundo inteiro, um total de 68 jornalistas foram mortos no ano passado, três destes na Federação Russa. Ou, na verdade, dois. Ou até duas…com ligações à Chechénia. Uma delas foi a chechena Natalya Estemirova (assassinada por elementos da máfia chechena), outra foi Anastasia Baburova, também em um incidente ligado à Chechénia. (Por que é o denominador comum sempre a Chechénia? Poderia ser o vento?) Telman Alishaev, pivot num programa de TV religioso, foi baleado no Daguestão em 2008 e sua morte foi incluído nos valores para 2009.


Então, não vamos exagerar a estória acerca da liberdade de imprensa, porque a história é totalmente injustificada. Vamos lá ouvir quem sabe. O autor desta peça está conectado à imprensa russa (da Federação Russa) desde 1999, tanto on-line e impressoa, em jornais, revistas, Web-blogs, jornais de internet ... seja o que for ... e nunca recebeu uma única directiva sobre o que pode e o que não pode ser publicado , além de "A Verdade" (Pravda).

Quem conhece a Rússia, aqueles que têm incomodado a visitar a Rússia, a saber a verdade. Aqueles que leram as mentiras e meias-verdades no pacote de mídia vendida como notícia, infelizmente, levaram uma tamanha lavagem cerebral. Então, não vamos julgar a Rússia a partir de boatos, vamos visitar a Rússia e descobrir por nós mesmos. Aqueles que vêm aqui encontrarão pessoas felizes e amigáveis, terão uma estadia confortável e segura, vão descobrir as maravilhas da cozinha russa (talvez a mais variada do mundo) e, certamente, voltarão para casa com uma atitude diferente.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular