Pravda.ru

Federação Russa

O conflito com a Geórgia visto pelos russos

28.01.2010
 
O conflito com a Geórgia visto pelos russos

Nós todos sabemos qual foi o pensamento ocidental sobre os 5 dias de guerra com a Geórgia no Verão de 2008, porque meios de comunicação social de repente transformaram-se em vendedores de propaganda barata, sem um pingo de verdade. Nós apresentamos uma série de ensaios emitidos pelo Centro Russo de Análise de Estratégias e Tecnologias, em Moscovo. O que realmente aconteceu no Cáucaso?


Nestes ensaios, três coisas são claras: primeiro, a discrepância entre a formação militar dada pelos E.U.A., aos georgianos para acções de contra-insurgência na guerra contra o terror e as compras do regime de Saakashvili no rearmamento para um ataque militar para retomar a Ossétia do Sul e Abkházia . Em que medida o regime de Bush sabia disso?


Em segundo lugar, o mau planejamento estratégico e a falha militar da parte dos georgianos, que perderam a iniciativa, mesmo antes do amanhecer no dia 8 de agosto.


Finalmente, o fato de que a Rússia só reconheceu a independência da Ossétia do Sul e da Abkházia, quando ficou claro que Saakashvili não tinha intenção de abordar a questão do ponto de vista de uma solução negociada internacional (que foi a obrigação da Geórgia nos termos da Constituição soviética em caso de dissolução voluntária da União).


Anton Lavrov no seu ensaio fala dos eventos anteriores ao conflito. Depois de dias de escalada das tensões na área, Mikheil Nikolayevich Saakashvili, Presidente da Geórgia deu a ordem para um ataque em larga escala às 14h30 em 7 de agosto de 2008. Depois de não conseguir ganhar qualquer terreno com seu ataque usando tanques, foguetes e artilharia auto-propelida, ordenou um cessar-fogo unilateral, na TV, à noite. Durante esse tempo, 12.000 tropas do Ministério da Defesa e do Ministério do Interior da Geórgia concentraram nos arredores de Tskhinval (capital da Ossétia do Sul) e às 23h30, receberam a ordem para atacar novamente, ao abrigo do cessar-fogo, para tomar controle do túnel Roki e cortar a principal estrada, a Trans- Cáucaso.


No entanto, o Estado-Maior russo teve longas suspeitas sobre Saakashvili e suas intenções, e tinha colocado dois batalhões de infantaria motorizada prontos para mover-se para as proximidades do túnel, como uma força de reacção rápida. Eles receberam ordens para implantar cerca de 03.00 em 8 de agosto, depois de ter sido emitida uma ordem para alinhar na formação duas horas antes. Ao amanhecer, os georgianos não tinham conseguido implantar as suas unidades de forças especiais em Tskhinval, nem tinham conseguido desalojar as forças russas ou travar o seu avanço. A iniciativa foi perdida.


O ensaio de Viacheslav Tseluiko concentra-se no reforço militar da Geórgia antes do conflito. O armamento foi adquirido com o propósito expresso de retomar a Ossétia do Sul e Abcásia e em seu ponto de vista, as Forças Armadas georgianas haviam superado as capacidades das forças de defesa nesses dois territórios, enquanto a melhor unidade georgiana, a 1 ª Brigada de Infantaria, foi mobilizada no Iraque e a melhor unidade militar na região foi a da Rússia, o 4 º Exército no Distrito Militar do Cáucaso Norte.


Os países que forneceram armamento à Geórgia, foram Ucrânia, a República Checa, Bulgária, Bósnia-Herzegovina, Uzbekhistan, Turquia, Grécia, Israel e os Estados Unidos da América.


Finalmente, o ensaio escrito pelo Ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, explica o rescaldo diplomático do conflito, em que a Rússia sugeriu uma conferência internacional a realizar em Genebra, enquanto os detalhes do plano Medvedev-Sarkozy estava a ser elaborado, insistindo que este deve abranger tanto questões de segurança e também o status da Ossétia do Sul e da Abkházia (já que nunca tinha sido abordado pela Geórgia, apesar de ser claramente estabelecido na Constituição soviética de que Tbilisi tinha a obrigação vinculativa de realizar referendos nos territórios em caso de dissolução da União).


Depois da agressão da Geórgia ser suprimida, afirma Sergei Lavrov, a Rússia sugeriu que o futuro estatuto destes dois territórios deveria ser discutido no âmbito de um formato internacional, sendo prova que a Rússia na época não tinha a menor intenção de ocupar essas regiões, nem mesmo para reconhecer unilateralmente sua independência.


Foram as repetidas declarações de Saakashvili, que ele iria se recusar a discutir Sukhum ou Tskhinval sob um formato internacional e que a integridade territorial da Geórgia seria restaurada, que deixou claro que a Geórgia estava mais uma vez planejando mais incursões militares e atos de agressão e, portanto, para proteger suas cidadãos contra o extermínio, a Rússia tinha decidido sobre o curso de ação que seguiu.
Preocupações humanitárias, sim. Agressão militar, não. O agressor, desde o início, foi a Geórgia.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular