Pravda.ru

Federação Russa

Assad fala, Rússia age

27.05.2013
 
Assad fala, Rússia age. 18267.jpeg

Asia Times Online
http://www.atimes.com/atimes/World/WOR-01-200513.html
 
Bashar al-Assad falou com exclusividade ao jornal argentino El Clarin[1] (a diáspora síria é imensa na Argentina, como também no Brasil).


Avançando contra o nevoeiro gerado pela histeria ocidental, Bashar destacou alguns pontos importantes. Há provas, sim, de que o governo sírio declarou várias vezes que concordava com conversar com a oposição; mas os muitos grupos 'rebeldes', que sequer falam uns com os outros, que não têm liderança unificada, sempre recusaram qualquer conversa. Assim sendo, não há como implementar algum cessar-fogo que, eventualmente, venha a ser 'acordado' na próxima Conferência de Genebra, entre EUA e Rússia. Assad faz sentido, quando diz que "Não podemos discutir cronogramas, sem sabermos com quem discutimos."


Sim, mas... qualquer pessoa que acompanhe o desenrolar da tragédia síria sabe quem são, todos eles, ou quase. Sabe-se que os Nada-Livres Canibais Sírios, digo, o 'Exército SírioLivre' [ing. Free Syrian Army, FSA)] é um bando esfarrapado de senhores-da-guerra, gângsteres e oportunistas de várias marcas & griffes, em interessecção-somatório com jihadistas linha-duríssima da espécie Jabhat al-Nusra (mas também de outros grupos e subgrupos ligados à, ou inspirados pela, al-Qaeda).


A Agência Reuters demorou meses, mas, afinal, teve de admitir que os jihadis comandam o show em campo.[2] Um comandante 'rebelde' até reclamou à Reuters: "Nusra agora é duas: uma segue a agenda da al-Qaeda, que luta por uma maior nação islamista. A outra é síria, com agenda nacional, para ajudar a derrubar Assad." O que não disse é que a Nusra que realmente faz diferença é a ligada à al-Qaeda.


A Síria está convertida em Inferno das Milícias; em tudo semelhante ao Iraque de meados dos anos 2000s, parecidíssima com a Líbia-estado-fracassado 'libertado' imposto ali pelo Ocidente. Essa afeganistização/somalização da Síria é consequência direta da ação do eixo de intervenção CCGOTAN-I (Conselho de Cooperação do Golfo-Organização do Tratado do Atlântico Norte & Israel). Portanto, Assad acerta, quando diz que o ocidente está jogando gasolina ao fogo, e só se interessa por 'mudar o regime' custe o que custar.
 
O que Assad não disse
Assad não é político brilhante - e desperdiçou uma oportunidade de ouro para explicar à opinião pública ocidental, ainda que resumidamente, por que Arábia Saudita e Qatar, petromonarquias do Conselho de Cooperação do Golfo, mais a Turquia, estão doidas para pôr fogo, de vez, à Síria.


Poderia ter falado do desejo do Qatar, de entregar a Síria à Fraternidade Muçulmana; e de a Arábia Saudita acalentar o sonho de fazer ali um cripto-emirado-colônia. Poderia ter falado do pânico que acomete Arábia Saudita e Qatar, que veem os xiitas do Golfo Persa abraçarem legítimos ideais do Despertar Árabe.


Poderia ter apontado as ruínas nas quais jaz hoje a política turca de "zero problema com os vizinhos": um dia, Ancara-Damasco-Bagdá colaboram, unidas; dia seguinte, Ancara quer 'mudança de regime' em Damasco; e todos os dias antagoniza Bagdá. Acima de tudo, a Turquia atrapalha-se cada dia mais com os curdos que se vão fortalecendo, do norte do Iraque ao norte da Síria.


Poderia ter detalhado o modo como Grã-Bretanha e França, dentro da OTAN, para nem falar dos EUA e de suas petromonarquias-fantoches, estão usando a desintegração da Síria, para atingir o Irã - e como todos esses atores que fornecem armas e muito dinheiro dão importância-zero ao sofrimento do "povo sírio". Só os alvos estratégicos interessam.


Enquanto Bashar al-Assad falava, a Rússia agia. O presidente Vladimir Putin - bem ciente de que as conversações de Genebra já estão sendo desencaminhadas por vários agentes e atores, bem antes, até, de começarem - deslocou navios de guerra russos para o leste do Mediterrâneo; e ofereceu à Síria um carregamento de ultramodernos mísseis terra-mar Yakhont, mais vários mísseis S-300 antiaéreos - o modelo russo equivalente ao míssil Patriot dos EUA. E nem é preciso lembrar que a Síria já tem mísseis antiaéreos russos, os SA-17.


Agora, elementos da gangue CCGOTAN, tentem aí, tentem, qualquer um, 'contornar' a ONU, e aparecer com alguma operação "Mini Choque e Pavor", contra Damasco. Ou metam-se a implantar alguma zona aérea de exclusão. Em termos militares, o Qatar e a Casa de Saud são piada. Britânicos e franceses sentem-se seriamente tentados, mas não têm os meios - ou estômago. Washington tem os meios - mas não o estômago. Putin sabe, com absoluta certeza, que o Pentágono já entendeu seu recado.
 
E não esqueçamos o Oleogasodutostão
Assad também poderia ter falado - e do que poderia ser? - do Oleogasodutostão. Bastar-lhe-iam dois minutos para explicar o significado do acordo para o gasoduto Irã-Iraque-Síria, de US$10 bilhões, assinado em julho de 2012. Esse entroncamento crucial do Oleogasodutosão exportará gás extraído do campo Pars Sul, no Irã (o maior do mundo, partilhado com o Qatar), cruzando o Iraque, para a Síria - com uma possível extensão para o Líbano, com clientes já assegurados na Europa Ocidental. É situação que os chineses descrevem como "ganha-ganha".


Mas nada de gás para - adivinhem! - nem Qatar, nem Turquia. O Qatar sonha com um gasoduto rival, de seu campo Norte (contíguo ao campo Pars Sul, do Irã), que atravesse a Arábia Saudita, Jordânia, Síria e finalmente Turquia (que espera faturar sobre a licença de passagem da energia, entre Oriente e Ocidente). Destino final: mais uma vez, a Europa Ocidental.


Como em tudo que tenha a ver com o Oleogasodutostão, o xis da questão é 'contornar' o Irã e a Rússia. É o que faz o oleogasoduto qatari - freneticamente apoiado pelos EUA. Mas, instalado o gasoduto Irã-Iraque-Síria, a rota de exportação só poderá começar em Tartus, porto sírio no Mediterrâneo leste, que dá hospedagem à Marinha russa. Claro que a gigante russa Gazprom entrará nesse quadro - do investimento à distribuição.


Que ninguém se engane: o Oleogasodutostão, mais uma vez obrigado a 'contornar' Rússia e Irã - explica muita coisa sobre por que a Síria está sendo destruída.


O esquema Petróleo-para-a-Al-Qaeda, da União Europeia
Enquanto isso, o exército sírio real - com o apoio do Hezbollah - está metodicamente reconquistando Al-Qusayr, retomando dos 'rebeldes' o controle desse ponto estratégico. O passo seguinte será olhar na direção leste - onde a frente Jabhat al-Nusra alegremente enriquece, lucrando com mais uma trapalhada típica da União Europeia: a decisão de levantar as sanções que impedem que a Síria compre petróleo.[3]


Joshua Landis, blogueiro de Syria Comment, já extraiu as conclusões óbvias: "Quem puser a mãos no petróleo, na água e na agricultura, prenderá pela garganta os sunitas sírios. No momento, quem faz isso é a Frente al-Nusra. A abertura do mercado de petróleo para a Europa força a barra nessa mesma direção. Portanto, a conclusão lógica dessa loucura só pode ser uma: a Europa logo estará financiando a al-Qaeda." Pode-se chamar de "o esquema Petróleo-para-a-Al-Qaeda, da União Europeia".


O Sudoeste da Ásia - que o ocidente chama de "Oriente Médio" - deve permanecer como espaço privilegiado da irracionalidade em ação. No pé em que andam as coisas na Síria, mesmo sem zona aérea de exclusão, o que se verá partindo dali, para sempre, voo rápido, é a paz - com todos e mais alguns, todos, todos, envolvidos: EUA, Rússia, União Europeia, mas também o Hezbollah, Israel e, claro, o Irã - como o ministro russo de Relações Exteriores Sergei Lavrov já deixou bem claro.[4]


Muito distante do que exige a obsessão ocidental por 'mudança de regime', a já difícil próxima Conferência de Genebra poderá obter, no máximo, um acordo que considere os termos da Constituição Síria - a qual, por falar dela, é absolutamente legítima, adotada em 2012, aprovada por maioria de votos do verdadeiro, real, sofredor "povo sírio".  Pode acontecer até que Assad não concorra à presidência, em eleições previstas para 2014. Mudança de regime, sim. Mas por meios pacíficos.


E o eixo de intervenção CCGOTAN-I (Conselho de Cooperação do Golfo-Organização do Tratado do Atlântico Norte & Israel) permitirá que alguma paz aconteça ali? Não.


[1] Em espanhol, em http://www.clarin.com/mundo/renuncio-pueblo-queda-debe-EEUU_0_921508165.html [NTs]
[2] 17/5/2013, Reuters, em Insight: Syria's Nusra Front eclipsed by Iraq-based al Qaeda, Reuters, May 17, 2013
[3] 19/5/2013, Guardian, EU decision to lift Syrian oil sanctions boosts jihadist groups
[4] 16/5/2013, Reuters, Russia says Iran must take part in proposed Syria talks


Loading. Please wait...

Fotos popular