Pravda.ru

Federação Russa

Porque Putin não matou Politkovskaya e Litvinenko

26.11.2006
 
Porque Putin não matou Politkovskaya e Litvinenko

A imprensa, os governos e a opinião pública mundial têm dado muita atenção a duas mortes recentes: a da jornalista Anna Politkovskaya, no dia 7 de outubro; e do desertor do FSB (agência russa de segurança e contra-espionagem) Aleksandr Litvinenko, aparentemente envenenado por polônio, falecido no dia 23 de novembro. Essas duas mortes parecem orquestradas para manchar a imagem de Putin, principalmente no exterior.

A imprensa, os governos e a opinião pública mundial têm dado muita atenção a duas mortes recentes: a da jornalista Anna Politkovskaya, no dia 7 de outubro; e do desertor do FSB (agência russa de segurança e contra-espionagem) Aleksandr Litvinenko, aparentemente envenenado por polônio, falecido no dia 23 de novembro.

A imprensa, muito governos e grande parte da opinião pública do ocidente dão por sentado que foram assassinatos políticos, encomendados pelo presidente russo, Vladimir Putin.

À primeira vista, faz sentido: Anna Politkovskaya era a mais famosa jornalista crítica do atual governo russo (embora suas opiniões despertassem muito mais interesse no ocidente do que na Rússia), e culpava Putin por massacres, torturas e violações sistemáticas de direitos humanos na Tchetchênia e outras repúblicas do Cáucaso.

Já Litvinenko era um alto oficial do FSB que, ao desertar para a Grã-Bretanha, em 2000, divulgou muitas informações secretas das agências de inteligência e segurança da Rússia. Além disso, também era duro crítico de Putin: diz que as bombas que explodiram em edifícios residenciais em Moscou em 1999 (quando Putin era primeiro-ministro), matando mais de 300 pessoas, foram colocadas por agentes do FSB para poder culpar terroristas tchetchenos e dar início à segunda guerra nesta região. Também dizia que Putin queria matar Boris Berezovski e outros empresários russos, e chegou mesmo a alegar que o presidente russo é pedófilo.

Tudo isto confirmaria, então, o que os governos dos EUA, do Reino Unido e alguns outros, a imprensa ocidental e algumas organizações não-governamentais vêm dizendo nos últimos 3 anos: que Putin é um tirano, que quer destruir as conquistas democráticas russas da década de 90, arrasar a livre-iniciativa, e não se importa absolutamente nada com valores como direitos humanos e liberdade. Tudo afinal, se encaixa perfeitamente. Correto?

Não.

Na verdade, essas duas últimas mortes parecem orquestradas para manchar a imagem de Putin, principalmente no exterior. Alguns fatos que o demonstram são:

1- Neste ano, a Rússia assumiu a presidência do G-8 (organização que reúne os chamados “países mais poderosos do mundo”: EUA, Reino Unido, Itália, Alemanha, França, Japão, Canadá e Rússia, o membro mais recente, desde 1997). Muitos expressam sua oposição à presença russa nesta organização, principalmente nos EUA e no Reino Unido. Vários políticos norte-americanos já pediram a expulsão da Rússia desta organização, sob alegação de “não compartilhar os valores democráticos”. A morte de dois críticos do governo em nada ajuda a melhorar sua imagem.

2- Anna Politkovskaya foi assassinada no dia do aniversário de Putin. Este, em vez de receber cumprimentos, teve que passar o dia dando explicações sobre esse crime, principalmente a jornalistas, embaixadores e líderes estrangeiros.

3- A morte de Litvinenko não pode ter sido uma “queima de arquivo” por parte de espiões russos, já que nos 6 anos que ele vive na Inglaterra houve tempo mais do que suficiente para que ele divulgasse tudo o que soubesse. Se ele morria ou continuava vivo era completamente indiferente à segurança nacional e à inteligência russa.

4- Além disso, Litvinenko morreu exatamente 1 dia antes da Cúpula de Helsinki, uma reunião entre os líderes da Rússia e da União Européia para negociar novos acordos de cooperação. Graças à morte do ex-agente, e também ao veto da Polônia aos novos acordos, esta cúpula foi completamente inútil, com a assinatura de apenas um acordo pouco importante, e tanto os líderes quanto os jornalistas europeus se dedicaram mais do que nada a fazer perguntas a Putin sobre Litvinenko.

Diante de tudo isso, o que vemos é que, longe de lucrar com as mortes de seus dois opositores, Putin teve grandes problemas com elas. Tudo indica que, longe de ter sido ordenadas pelo presidente russo, elas foram cometidas por alguém que quer desestabilizar o atual governo, prejudicá-lo internacionalmente, e manchá-lo com acusações de violações de direitos humanos.

Há uma lista dos possíveis mandantes: bilionários russos como Boris Berezovski ou Mikhail Khordokovski, processados por fraude, evasão fiscal e outros crimes econômicos. O primeiro está em exílio na Grã-Bretanha (e era aparentemente amigo de Litvinenko), enquanto o outro se encontra preso. Ambos têm ainda grande poder econômico e motivos de sobra para odiar a Putin, já que este não permite mais aos oligarcas desrespeitar a lei, como seu “democrático” antecessor, Boris Yeltsin.

Outros possíveis são os governos britânicos e norte-americanos, interessados em reduzir a influência russa e impedir a recuperação de seu status de grande potência mundial; e terroristas tchetchenos, como Akhmed Zakayev, auto-proclamado ministro das relações exteriores da Tchetchênia, exilado em Londres, ligado a vários atos terroristas e cuja extradição tem sido inutilmente pedida pela Rússia há anos.

Provavelmente, nunca saberemos quem ordenou realmente os assassinatos de Politkovskaya e Litvinenko. Mas uma análise objetiva e racional, como fizemos aqui, de fatos divulgados pela própria imprensa, demonstra que certamente não foi Vladimir Putin: este não ganhou nada com suas mortes, e sofreu um revés internacional bastante duro.

Carlo MOIANA

Pravda.ru

Buenos Aires


Loading. Please wait...

Fotos popular