Pravda.ru

Federação Russa

Desastres, o circo da mídia e responsabilização

26.01.2010
 
Desastres, o circo da mídia e responsabilização

Desastre bate, repentinamente, em algum canto pobre e esquecido do mundo em que a maioria das pessoas nunca tinha ouvido falar. O circo da mídia desce, os órgãos disputando uns com os outros para mostrar as imagens mais chocantes. O circo da ajuda internacional segue, promessas de ajuda por parte dos governos a seguir e, finalmente, as histórias, estudos profundos e perfis começam a fluir na Net e nos jornais. Uma semana depois, a história começa a deslizar. Duas semanas depois, ele está por trás dos Oscares e depois da terceira semana, é... história.


Então o que acontece?


A ajuda prometida pelos governos simplesmente não aparece (a menos que seja para salvar alguns banqueiros irresponsáveis) e os alimentos, água e medicamentos chegam demasiado tarde para salvar muitos (a menos que seja uma invasão militar, quando milagrosamente, tudo é feito na hora). Os perfis lançando culpas, acenados nos rostos das antigas potências imperiais ou coloniais, culpando-os pela situação da nação visitada pelo Armagedon e o Apocalipse caem no esquecimento e o mundo inteiro volta para a soneca confortável a ver fotos de bebés salvos após dez dias, senhoras de idade, após 11 dias e homens idosos depois de 12, porque (risos) beberam cerveja (diga lá isso à mulher!!) Aqueles que se preocuparam em doar algo podem se sentir satisfeitos, assim como deveriam, porque é a doação voluntária feita pelos trabalhadores que se esforçam tanto para pagar seus impostos, que acaba pagando a conta.


Afinal, alguém tem de pagar aos bancos pela sua irresponsabilidade, alguém tem de pagar os triliões da guerra da OTAN. Certo, também é o contribuinte, mas não contem a ninguém. (Eles poderiam ficar irritados).


Então, quando tudo está dito e feito, e esquecido, quem é responsável para quê? E sobre os relatos da mídia, as histórias em profundidade, por exemplo, sobre o Haiti? Essas histórias envasadas em que lemos que o espanhol exterminou a população inteira de Hispaniola (a ilha em que o Haiti está situado), só para começar, e depois o país inteiro foi transformado em uma plantação, uma colônia, governado por europeus a milhares de quilômetros de distância. Aquelas histórias que nos contam que a riqueza do país foi despojada, seus bens roubados, que os ditadores foram impostos do exterior e dirigentes democraticamente eleitos foram sequestrados e levados para a República Central Africana, aquelas histórias que nos informem que o país era um destino de turismo sexual, que a primeira revolução de escravos não foi reconhecida durante décadas pelas nações que ficaram aterrorizadas que seus próprios escravos revoltar-se-iam e então impuseram um embargo contra o novo país como punição.


E um pacote de indenizações que Haiti for forçado a pagar à França, que basicamente significava o Haiti nnunca conseguiria arrancar com uma pedra financeira maciça pendurada no seu pescoço para reembolsar a dívida. E juros. Para quê? Bem, porque queria ser independente. Os safados, eh? Essas histórias, em seguida, dizem-nos que Haiti teve de contrair empréstimos junto de Washington para dar a Paris. Plus ça change, plus c'est la même chose.


Direito. Aquelas histórias que, então, informam-nos que o E.U.A. massacrou 2.000 haitianos no início da sua invasão militar em 1915, esta foi depois da França, em seguida, a Alemanha terem interferidos, as histórias que nos dizem que hoje Haiti ainda está pagando os biliões da dívida em dólares contraída pelos ditadores Papa Doc e Baby Doc. As histórias nos dizem que o Haiti, uma vez que auto-suficiente em arroz e um exportador de açúcar, teve sua agricultura destruída por partes estrangeiras (Banco Mundial e FMI), teve sua sociedade rural rasgada até ao ponto de ruptura, que depois se transformou em moradores de favelas no principais cidades e depois o país começou a importar tudo, a preços exagerados e crescentes taxas de juros, é claro.


E, finalmente, estes perfis detalhados que de repente surgiram, contando histórias de golpes militares apoiados do exterior e da suspensão de centenas de milhões de dólares em ajuda humanitária dos Estados Unidos da América em 2002 - a ajuda que estava destinada para a reconstrução e programas de saúde e educação.


Assim quando passar o circo fazemos o quê? Encolhemos os ombros? Ou será que alguém tem de responder a estas histórias e acusações? E que comentário lamentável, repugnante e revoltante sobre a Humanidade se Haiti não se torne um ponto de partida para uma mudança real, uma folha nova e um novo começo.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular