Pravda.ru

Federação Russa

Quo Vadis, Viktor?

24.02.2010
 
Quo Vadis, Viktor?

O novo presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, está o centro das atenções entre os observadores da Europa de Leste, que estão tentando categorizá-lo como sendo pró-Rússia ou pró-Ocidente. Esta abordagem cheira a referências à Guerra Fria. Duas perguntas: Quando é que eles vão deixar cair a Guerra Fria no caixão da História, e suponhamos que Viktor Yanukovich nem vire para Ocidente nem oriente, ou então para ambos os lados?


Por l amentável que possa parecer papa muitos formadores de opinião ocidentais que ganham a vida a atacar Moscovo e em seu Governo, a Federação Russa não é a antítese ou o Nemesis da União Europeia, a Europa Ocidental ou dos Estados Unidos da América. Portanto qualquer conversa sobre o recém-eleito presidente da Ucrânia Viktor Yanukovich balançando na direção de Moscovo e fora da Europa é tão absurda como é a noção de que se você estiver com Moscovo, é contra o Ocidente.


O atual presidente Viktor Yushchenko terminou seus últimos dias no cargo com o tipo de disparate que viu ele a ganhar 5 por cento dos votos, declarando que Yanukovich é um projeto do Kremlin. Yushchenko, o querido Laranja, se tivesse passado mais tempo concentrando-se na economia de seu país e menos com movimentações histéricas e provocantes contra a Rússia, o seu legado político poderia ter sido um pouco mais feliz do que o seu epitáfio: nomeadamente, um fracasso abjeto que conduziu o seu país para um período de cinco anos vazios e ocos e que terminou seus dias com a escolha de um fascista e racista, colaborador nazista, como um herói nacional. Ele pode também ter reclamado que Himmler era ucraniano e ter dedicado uma estátua a ele na Praça da Independência.


Em primeiro lugar, Viktor Yanukovich foi eleito Presidente da Ucrânia pelos ucranianos, e ao invés de virar para o Ocidente ou Oriente, ele promete, nas suas próprias palavras, a seguir "uma política exterior equilibrada e pragmática". No entanto, é na política doméstica, onde os corações e mentes dos eleitores jazem, e como o presidente Clinton assinalou, "It's the economy, stupid!"


Cinco anos de brigas entre Yushchenko e Yulia Timoshenko levaram ao impasse político num momento em que a Ucrânia menos precisava, num momento em que a liderança sensata e de reaproximação estão na ordem do dia, não a construção de cercas.


Na sua política interna, Viktor Yanukovich promete evitar o confronto e trabalhar para a unificação do capital político ucraniano para trabalhar em conjunto para o desenvolvimento da economia. Em uma entrevista ao Wall Street Journal, Europa, o novo Presidente da Ucrânia declarou que sua campanha eleitoral "Ucrânia para o Povo" é "um plano abrangente e aprofundado que claramente especifica como alcançar o progresso social e econômico".


É aqui onde vai começar e uma vez que o caos político morreu (esperemos) e o país começa a se mover para a frente, a Ucrânia pode tirar vantagem da sua posição geográfica entre a Rússia e a Europa ocidental e se tornar um jogador muito importante em ambos os campos, estabelecendo laços fortes sem se inclinar para nenhum dos dois.


Para fazer isso, uma Presidência Yanukovich irá concentrar-se na construção da economia, criando empregos, estabilizar os preços, a fixação de níveis razoáveis de salários e pensões, atacar a corrupção e preparar o terreno para atrair investimento estrangeiro.


Tendo estabilizado a economia, em um segundo mandato, ele pode rever as pretensões da Ucrânia de aderir à União Europeia, enquanto ao mesmo tempo, tornando-se uma ponte entre o Ocidente e o Oriente, mas colocando a Ucrânia e os ucranianos em primeiro lugar. Afinal, foi isso que ele foi eleito para fazer e é isso que ele vai expor logo na sua inauguração, prevista para 25 de fevereiro.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru


Loading. Please wait...

Fotos popular