Pravda.ru

Federação Russa

A História Russa do Dia-V

22.05.2018
 
A História Russa do Dia-V. 28811.jpeg

A História Russa do Dia-V

Professor de História contemporânea na Universidade de Montreal, Michael Jabara Carley conta aqui o papel da União Soviética contra o nazismo. Depois ele analisa a maneira como esta história tem sido propositadamente deformada pelos Anglo-Saxónicos e é deturpadamente ensinada no mundo Ocidental.

 

(ou a História da Segunda Guerra Mundial poucas vezes Ouvida no Ocidente)

Michael Jabara Carley

Professor de História contemporânea na Universidade de Montreal, Michael Jabara Carley conta aqui o papel da União Soviética contra o nazismo. Depois ele analisa a maneira como esta história tem sido propositadamente deformada pelos Anglo-Saxónicos e é deturpadamente ensinada no mundo Ocidental.

A cada 9 de Maio, a Federação Russa celebra o seu mais importante feriado nacional, o Dia da Vitória, "den´pobedy". Nesse dia, em 1945, o Marechal Georgy Konstantinovich Zhukov, Comandante da 1ª Frente Bielorrussa, que atacara Berlim, recebeu a rendição Alemã incondicional. A Grande Guerra Patriótica durara 1418 dias de inimaginável violência, brutalidade e destruição. Desde Stalingrado, do norte do Cáucaso e da periferia noroeste de Moscovo até às fronteiras ocidentais da União Soviética, a Sebastopol no sul, Leningrado e as fronteira com a Finlândia, no norte, o país fora devastado. Uns estimados 17 milhões de civis, homens, mulheres e crianças haviam morrido, embora ninguém jamais saiba os números exactos. Aldeias e cidades foram destruídas; as famílias foram dizimadas sem restar ninguém para lembrá-las ou chorar a sua morte.

Dez milhões, ou mais, de soldados Soviéticos morreram na luta para expulsar o monstruoso invasor Nazista e finalmente ocupar Berlim, no fim de Abril de 1945. Os mortos do Exército Vermelho ficaram sem enterro em milhares de lugares ao longo das rotas para o ocidente ou em valas comuns anónimas, não tendo havido tempo para identificação adequada e enterro. A maioria dos cidadãos Soviéticos perdeu membros da família durante a guerra. Ninguém escapou sem ser afectado.

A Grande Guerra Patriótica começou às 3h30 do dia 22 de Junho de 1941, quando a Wehrmacht Nazista invadiu a União Soviética, ao longo de uma frente estendendo-se do Báltico ao Mar Negro com 3,2 milhões de soldados Alemães, organizados em 150 divisões, apoiadas por 3.350 tanques, 7.184 peças de artilharia, 600.000 camiões (caminhões-br), 2.000 aviões de guerra. Forças Finlandesas, Italianas, Romenas, Húngaras, Espanholas, Eslovacas, entre outras, acabaram por se juntar ao ataque. O Alto-comando Alemão calculou que a Operação Barbarossa levaria apenas 4 a 6 semanas para acabar com a União Soviética. No Ocidente, as Inteligências militares dos EUA e da Inglaterra estavam de acordo. Além disso, que força tinha conseguido bater a Wehrmacht? A Alemanha Nazista era o colosso invencível. A Polónia havia sido esmagada em poucos dias. A tentativa Anglo-Francesa de defender a Noruega fora um fiasco. Quando a Wehrmacht atacou a ocidente, a Bélgica apressou-se a desistir da luta. A França colapsou em poucas semanas. O Exército Britânico foi expulso de Dunquerque, nu, sem armas ou camiões. Na Primavera de 1941, a Jugoslávia e a Grécia desapareceram em questão de semanas, com pouco custo para os invasores Alemães.

Onde quer que a Wehrmacht avançasse na Europa, era um passeio ... até aquele dia em que os soldados Alemães atravessaram as fronteiras Soviéticas. O Exército Vermelho foi apanhado (pego-br) de surpresa, a meio de medidas de mobilização, porque o ditador Soviético Joseph Stalin não acreditou nos relatórios da sua própria Inteligência avisando para o perigo, ou não quis provocar a Alemanha Hitleriana. O resultado foi uma catástrofe. Mas, ao contrário da Polónia e ao contrário da França, a URSS não desistiu da luta após as esperadas 4 a 6 semanas. As perdas do Exército Vermelho foram inimagináveis, dois milhões de soldados perdidos nos primeiros três meses e meio da guerra. As províncias Bálticas foram perdidas. Smolensk caiu e depois Kiev, na pior derrota da guerra. Leningrado foi cercada. Um velho perguntou a alguns soldados: «De onde se estão vocês retirando?» Havia calamidades por toda parte, numerosas demais para serem mencionadas. Mas, em lugares como a fortaleza de Brest e em centenas de anónimos campos e bosques, entroncamentos, aldeias e cidades, as unidades do Exército Vermelho lutaram muitas vezes até ao último soldado. Lutaram até quebrar cercos para voltar às suas próprias linhas ou desaparecer nas florestas e pântanos da Bielorrússia e no noroeste da Ucrânia para organizar as primeiras unidades de "partisans" afim de atacar a retaguarda Alemã. No final de 1941, três milhões de soldados Soviéticos tinham sido perdidos (o maior número sendo de prisioneiros de guerra que morreram em mãos Alemãs); 177 divisões foram aniquiladas da ordem de batalha Soviética. Ainda assim, o Exército Vermelho combateu, forçando mesmo os alemães a recuar em Yelnya, sudeste de Smolensk, no fim de Agosto. A Wehrmacht sentiu a mordidela (mordida-br) do combalido mas não derrotado Exército Vermelho. As forças Alemãs sofriam 7.000 baixas num dia, uma nova experiência para elas.

À medida que a Wehrmacht avançava, "Einsatzgruppen", esquadrões da morte das SS, seguiam o trilho, matando judeus, ciganos, comunistas, prisioneiros de guerra soviéticos ou qualquer um que se metesse à frente do seu caminho. Colaboradores Nazistas Baltas e Ucranianos ajudaram nos assassínios em massa. Mulheres e crianças Soviéticas foram despidas e forçadas a fazer fila, esperando por execução. Quando o inverno chegou, soldados alemães enregelados atiraram em aldeões ou obrigaram-nos a sair das suas casas, vestidos com farrapos como mendigos, roubando-lhes o lar, roupas de inverno e comida.

No Ocidente, aqueles que previam um rápido colapso Soviético, os habituais Sovietófobos ocidentais, fizeram figura de estúpidos e tiveram que engolir as suas previsões. A opinião pública percebeu que a Alemanha Hitleriana havia entrado num vespeiro, e não numa outra campanha tipo França. Enquanto o homem da rua Britânico vibrava com a Resistência soviética, o governo Britânico pouco fazia para ajudar. Alguns ministros do Governo estavam até relutantes em chamar aliada à União Soviética. Churchill recusou deixar a BBC tocar o hino nacional Soviético, a "Internacional", nas noites de Domingo, junto com os de outros aliados.

O Exército Vermelho ainda recuou, mas continuando a lutar desesperadamente. Esta não foi uma guerra comum, antes um combate de uma violência sem paralelo contra um invasor assassino pelo lar, família, país, pela própria vida. Em Novembro, o Exército Vermelho lançou um panfleto sobre as linhas Alemãs, citando Carl von Clausewitz, o teórico militar Prussiano: «É impossível aguentar ou conquistar a Rússia». Isso foi uma real bravata atendendo às circunstâncias, mas também verdadeiro. Finalmente, na frente de Moscovo, em Dezembro de 1941, o Exército Vermelho, sob o comando de Jukov, empurrou as exaustas forças da Wehrmacht para trás, para sul, até trezentos quilómetros. A imagem de invencibilidade Nazista foi desfeita em pedaços. A "Barbarossa" era demasiado ambiciosa, a "blitzkrieg" falhara e a Wehrmacht sofreu a sua primeira derrota estratégica. Em Londres, Churchill concordou, a contragosto, deixar a BBC tocar o hino nacional Soviético.

Em 1942, o Exército Vermelho continuou a sofrer derrotas e pesadas perdas, enquanto lutava quase sozinho. Contudo, em Novembro desse ano, em Estalingrado, no Volga, o Exército Vermelho lançou uma contra-ofensiva, que levou a uma notável vitória e à retirada da Wehrmacht de volta às suas linhas de partida da Primavera de 1942 ... excepto para o Sexto Exército Alemão; apanhado no bolsão de Estalinegrado. Aí, 22 divisões Alemãs, algumas das melhores de Hitler, foram destruídas. Estalinegrado foi o Verdun da Segunda Guerra Mundial. «É o inferno», disse um soldado. «Não ... isto é dez vezes pior que o inferno», corrigiu alguém. No fim dos combates do inverno de 1943, as perdas do Eixo eram assombrosas : 100 divisões Alemãs, Italianas, Romenas e Húngaras foram destruídas ou incapacitadas. O Presidente dos Estados Unidos, Franklin Roosevelt, estimou que a maré da batalha virara : a Alemanha Hitleriana estava condenada.

Decorria Fevereiro de 1943. Nesse mês não havia uma única divisão Britânica, Americana ou Canadiana lutando na Europa contra a Wehrmacht. Nem uma. Ainda passaram dezasseis meses até ao desembarque na Normandia. Os Britânicos e Norte-americanos estavam, então, combatendo duas ou três divisões Alemãs no Norte de África, um acontecimento secundário em comparação com a frente Soviética. A opinião pública Ocidental sabia quem estava a carregar o fardo da guerra contra a Wehrmacht. Em 1942, 80% das divisões do Eixo estavam cometidas contra o Exército Vermelho. No início de 1943, havia 207 divisões Alemãs na Frente Leste. Os Alemães tentaram um último sopro, uma última ofensiva contra a bolsa de Kursk, em Julho de 1943. Essa operação falhou. O Exército Vermelho lançou então uma contra-ofensiva através da Ucrânia, a qual levou à libertação de Kiev em Novembro. Mais a Norte, Smolensk tinha sido libertada no mês anterior.

O espírito do povo Soviético e do seu Exército Vermelho era formidável. O correspondente de guerra Vasilii Semenovich Grossman capturou a sua essência nos seus diários pessoais. «Noite, Tempestade de Neve», escreveu ele no início de 1942, «Veículos, Artilharia. Movem-se em silêncio. Súbitamente, ouve-se uma voz rouca. "Ei, qual é a estrada para Berlim?" Rebenta uma trovoada de risos».

Houve soldados que nem sempre foram corajosos. Às vezes fugiram. «Um comissário de batalhão armado com dois revólveres começou a gritar: "Para onde estão vocês a fugir seus filhos da p..., para onde? Para a frente, pela nossa Pátria, por Jesus Cristo, filhos da p...! Por Estaline, fdp...!"...» Eles voltaram para as suas posições. Esses tipos tiveram sorte; o Comissário podia ter atirado sobre todos eles. Por vezes fê-lo. Um soldado ofereceu-se para executar um desertor. «Sentiste alguma pena dele?», perguntou Grossman. «Como pode alguém falar de pena», replicou o soldado. Em Estalinegrado, sete Usbeques foram considerados culpados de ferimentos auto-infligidos. Foram todos fuzilados. Grossman leu uma carta encontrada no bolso de um soldado Soviético morto. «Eu sinto muito a sua falta. Por favor, venha visitar-nos ... Eu estou a escrever isto, e as lágrimas estão a cair. Papá (papai-br), por favor venha para casa visitar-nos.

As mulheres lutaram ao lado dos homens como snaipers, artilheiros, tanquistas, pilotos, enfermeiras, "partisans". Elas também mantiveram a frente interna a andar. «As aldeias tornaram-se o reino das mulheres», escreveu Grossman, «Elas conduzem (dirigem-br) tratores, guardam armazéns e estábulos... As mulheres carregam sobre os ombros o grande fardo do trabalho. Elas impõem-se ... mandam pão, aviões, armas e munições para a frente». Quando a guerra estava a ser travada no Volga, elas não censuraram os seus homens por terem cedido tanto terreno. «As mulheres olham e não dizem nada», escreveu Grossman, «... nem uma palavra azeda». Mas nas aldeias próximas à frente, por vezes elas falavam.

No entretanto, os aliados Ocidentais atacaram a Itália. Estaline havia há muito exigido uma segunda frente em França, à qual Churchill resistiu. Ele queria atacar o "ventre mole" do Eixo, não para ajudar o Exército Vermelho, mas para impedir o seu avanço para os Balcãs. A ideia era avançar rapidamente para norte até a bota Italiana, depois carrilar para leste rumo aos Balcãs afim de manter o Exército Vermelho afastado. O caminho para Berlim, contudo, era norte-nordeste. O plano de Churchill foi um fracasso; os Aliados Ocidentais só chegaram a Roma em Junho de 1944. Havia, aproximadamente, 20 divisões Alemãs em Itália lutando contra forças Aliadas superiores. No Leste, ainda havia mais de duzentas divisões do Eixo, ou seja, dez vezes mais que as da Itália. Em 6 de Junho de 1944, quando a Operação Overlord começou na Normandia, o Exército Vermelho estava nas fronteiras da Polónia e da Romênia. Uma quinzena depois dos desembarques na Normandia, o Exército Vermelho lançou a Operação Bagration, uma enorme ofensiva que incendiou o centro da frente oriental Alemã e levou a um avanço de 500 quilómetros para oeste, enquanto os Aliados Ocidentais permaneciam retidos na Península de Cotentin na Normandia. O Exército Vermelho tornara-se um imparável rolo compressor. Era apenas uma questão de tempo até à destruição da Alemanha Nazista. Quando a guerra terminou, em Maio de 1945, o Exército Vermelho fora responsável por 80% das perdas da Wehrmacht, e essa percentagem (porcentagem-br) seria ainda muito maior antes da invasão da Normandia. «Aqueles que nunca experimentaram toda a agrura do Verão de 1941», escreveu Vasily Grossman, «nunca serão capazes de apreciar plenamente a alegria da nossa vitória». Houve muitos hinos de guerra cantados pelas tropas e pelo povo para manter o moral elevado. "Sviashchennaia voina", «Guerra Sagrada» era um dos mais populares. Os Russos ainda se poem em sentido quando o ouvem.

Os historiadores discutem muitas vezes sobre o momento em que ocorreu a viragem decisiva da batalha no teatro Europeu. Alguns propõem 22 de Junho de 1941, o dia em que a Wehrmacht cruzou as fronteiras Soviéticas. Outros apontam para as batalhas de Moscovo, Estalinegrado ou Kursk. Durante a guerra, a opinião pública Ocidental pareceu mais apoiante do Exército Vermelho do que alguns líderes Ocidentais, Winston Churchill, por exemplo. Roosevelt muito melhor, um líder político mais pragmático, que reconheceu facilmente o preponderante papel Soviético na guerra contra a Alemanha Nazista. O Exército Vermelho, disse ele a um general céptico em 1942, estava a matar mais soldados alemães e a destruir mais tanques alemães do que todos os outros Aliados em conjunto. Roosevelt sabia que a União Soviética era o eixo da grande coligação (coalizão-br) contra a Alemanha Nazista. Eu chamo FDR o padrinho da «grande aliança». No entanto, nas sombras espreitavam os habituais inimigos da União Soviética, que estavam apenas esperando o momento certo antes de emergirem novamente. Quanto maior a certeza da vitória sobre a Alemanha Nazista, mais palavrosos e estridentes se tornaram os pessimistas da grande aliança.

Os Norte-americanos podem sentir-se melindrados quanto à memória do Exército Vermelho desempenhando o papel condutor na destruição da Wehrmacht. «E quanto ao "Lend-Lease"», dizem eles, «sem os nossos suprimentos, a União Soviética não poderia ter batido os Alemães". De facto, a maioria dos suprimentos do Lend-Lease só chegou à URSS depois de Estalinegrado. Os soldados do Exército Vermelho chamavam ironicamente às latas de comida "Lend-Lease" a «segunda frente», uma vez que a real chegava atrasada. Em 1942, a indústria Soviética estava já ultrapassando a Alemanha Nazista nas principais categorias de armamento. Era o T-34 um tanque Americano ou Soviético? Um Estaline diplomata sempre se lembrou de agradecer ao governo dos EUA pelos jipes e camiões Studebaker. Eles aumentaram a mobilidade do Exército Vermelho. Você contribuiram com o alumínio, nós contribuímos com o sangue ... rios de sangue, foi a famosa resposta dos Russos.

Ainda mal a guerra terminara, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos começaram a pensar acerca de uma outra guerra, desta vez contra a União Soviética. Em Maio de 1945, o Alto-comando Britânico apresentou a Operação «Impensável», um plano altamente secreto para uma ofensiva, reforçada por prisioneiros de guerra Alemães, contra o Exército Vermelho. Que bastardos, que ingratos. Em Setembro de 1945, os Norte-Americanos contemplaram o uso de 204 bombas atómicas para destruir a União Soviética. O padrinho, o Presidente Roosevelt, tinha morrido em Abril e, em algumas semanas, os Sovietófobos Americanos estavam já revertendo a sua política. A grande aliança foi apenas uma trégua na Guerra Fria, a qual começara após a tomada de poder Bolchevique, em Novembro de 1917, e foi retomada em 1945.

Naquele ano, os governos dos EUA e do Reino Unido ainda tiveram que enfrentar a opinião pública. O homem da rua na Europa e nos Estados Unidos sabia muito bem quem tinha carregado o fardo contra a Wehrmacht. Não se podia retomar a velha política de ódio contra a União Soviética à toa sem sujar a memória do papel do Exército Vermelho na vitória comum sobre a Alemanha Hitleriana. Assim, as memórias do Pacto de não-agressão Nazista-Soviético, de Agosto de 1939, foram tiradas do armário, embora as memórias da prévia oposição Anglo-Francesa às propostas Soviéticas de segurança colectiva contra a Alemanha Nazista e especialmente a traição à Tchecoslováquia fossem omitidas da nova narrativa Ocidental. Como ladrões da noite, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos assaltaram a verdadeira narrrativa da destruição da Alemanha Nazista.

Já em Dezembro de 1939, os Britânicos planeavam (planejavam-br) publicar um livro branco culpando Moscovo pelo fracasso das negociações da aliança Anglo-Franco-Soviética durante a Primavera e Verão anteriores. Os Franceses objectaram porque era mais provável que o livro branco persuadisse a opinião pública de que o lado Soviético havia sido sério quanto à resistência à Alemanha Nazista, enquanto os britânicos e os franceses não haviam. O livro branco foi metido na gaveta. Em 1948, o Departamento de Estado dos EUA emitiu uma coleção de documentos atribuindo a culpa pela Segunda Guerra Mundial a Hitler e a Estaline. Moscovo ripostou com a sua própria publicação demonstrando as afinidades Ocidentais com o Nazismo. A luta continuou no Ocidente para lembrar a União Soviética do Pacto de não-agressão e apagar o papel preponderante do Exército Vermelho no esmagamento da Wehrmacht.

Quantos de vós não viram algum filme de Hollywood em que os desembarques na Normandia são o grande ponto de viragem da guerra? «E se os desembarques tivessem falhado», ouve-se muitas vezes ? «Oh ... grande coisa», é a resposta apropriada. A guerra teria durado mais e o Exército Vermelho teria plantado as suas bandeiras nas praias da Normandia vindo do leste. Depois há os filmes sobre a campanha Aliada de bombardeamentos contra a Alemanha, como o factor «decisivo» para ganhar a guerra. Nos filmes de Hollywood acerca da Segunda Guerra Mundial o Exército Vermelho é invisível. É como se os Norte-americanos (e os Britânicos) estivessem reivindicando louros que não ganharam.

Eu gosto de perguntar aos alunos do meu curso universitário sobre a Segunda Guerra Mundial, quem já ouviu falar da operação Overlord? Todos levantam a mão. Então pergunto quem ouviu falar da Operação Bagration? Quase ninguém levanta a mão. Ironicamente pergunto quem «ganhou» a guerra contra a Alemanha Nazista e a resposta é «América», claro. Apenas uns poucos alunos -normalmente aqueles que tiveram outros cursos comigo- responderão a União Soviética.

A verdade é um trabalho árduo num mundo Ocidental onde as «fake news» ("notícias forjadas") são a norma. A OSCE e o Parlamento Europeu atiram a culpa da Segunda Guerra Mundial para a União Soviética, leia-se Rússia e o Presidente Vladimir Putin, como a mensagem subliminar. Hitler é quase esquecido nesta cacofonia de acusações sem provas. Por trás da falsa narrativa histórica estão os estados Bálticos, a Polónia e a Ucrânia, cuspindo ódio contra a Rússia. Os Baltas e a Ucrânia recordam agora os colaboracionistas Nazis como heróis nacionais e celebram os seus feitos. Na Polónia, para algumas pessoas, isso é difícil de engolir; eles lembram os colaboracionistas Nazis Ucranianos que assassinaram dezenas de milhar de Polacos (poloneses-br) em Volhynia. Infelizmente, tais memórias não impediram hooligans Polacos de vandalizar monumentos aos mortos de guerra do Exército Vermelho ou de profanar cemitérios de guerra Soviéticos. Os «nacionalistas» Polacos não conseguem suportar a memória do Exército Vermelho libertando a Polónia do invasor Nazista.

Na Rússia, contudo, a propaganda mentirosa do Ocidente não surte efeito. A União Soviética produziu os seus próprios filmes, e a Federação Russa também, acerca da Segunda Guerra Mundial, mais recentemente sobre a defesa da fortaleza de Brest e de Sebastopol, e a batalha de Estalinegrado. Todos os anos, a 9 de Maio, os Russos lembram os milhões de soldados que lutaram e morreram, e os milhões de civis que sofreram e morreram às mãos do invasor Nazista. Os veteranos, menos a cada ano que passa, saem à rua vestindo uniformes que muitas vezes não lhes caiem bem ou jaquetas surradas cobertas com medalhas e ordens de guerra. «Tratem-nos com tacto e respeito», escreveu Zhukov nas suas memórias: «É um pequeno preço depois do que fizeram por vós em 1941-1945». Como se consegue, perguntei-me a mim próprio observando-os no Dia da Vitória há alguns anos atrás, como se aguenta, vivendo constantemente com a morte e tanta tristeza e sofrimento?

Agora, em cada ano no Dia da Vitória, o «regimento imortal», o "bessmertnyi polk", marcha; Russos em cidades e vilas por todo o país e no exterior, marcham juntos carregando grandes fotografias de membros da família, homens e mulheres, que lutaram na guerra. «Nós recordamos», eles querem dizer : «e nunca nos esqueceremos de vocês».

Michael Jabara Carley

Tradução 
Alva

Fonte 
Strategic Culture Foundation (Rússia)

Fonte : "A História Russa do Dia-V (ou a História da Segunda Guerra Mundial poucas vezes Ouvida no Ocidente) ", Michael Jabara Carley, Tradução Alva, Strategic Culture Foundation (Rússia) , Rede Voltaire, 20 de Maio de 2018, www.voltairenet.org/article201181.html

 


Loading. Please wait...

Fotos popular