Pravda.ru

Federação Russa

Choque de gerações ou manipulação da mídia?

20.02.2011
 

Não pode haver dúvida de que algo está acontecendo no Médio Oriente onde uma juventude descontente reivindica uma maior distribuição de riqueza e grita contra a corrupção, a favor do emprego e de um futuro. No entanto, na ausência de fontes confiáveis de informação, será que a Mídia Comprada nos vende sua própria versão dos acontecimentos?

O que acontecerá a seguir no Médio Oriente ainda é uma incógnita. O que está acontecendo agora é visivelmente um choque de gerações, o Poder do Povo gerado por anos de corrupção e má governação orquestrada por campanhas online e na vida real ... ou será que não? Enquanto os regimes do Médio Oriente tentam controlar a mídia, aqueles fora da região decidem o que está sendo mostrado?

A experiência indica que a verdade está algures no meio e que no meio ao caos que parece estar em curso na Líbia e Bahrein, depois do que aconteceu na Tunísia, Egipto, Jordânia, Djibuti e Iémen, vem também uma tendência para a histeria se apresentar como notícias, afirmações falsas a passarem como a verdade, fornecendo uma riqueza de material inflamável para aqueles que controlam a mídia incendiarem, alimentando as chamas que fazem e vendem uma boa história ... e aumentam a tiragem dos jornai$.

Por exemplo, a história principal que sai da Líbia é o alegado massacre de manifestantes em Benghazi; no entanto, onde está a informação sobre o grande comício em Al-Jufra, a favor do coronel Muamar Al-Gathafi, no suposto "dia de fúria"? E como é possível que uma fonte de imprensa publicou

uma afirmação de um porta-voz da Irmandade Muçulmana no Egito, afirmando que a onda de descontentamento popular foi devido principalmente a fúria contra Israel?

O património colectivo de campanhas eleitorais em todo o mundo tem provado a veracidade das palavras de Bill Clinton: "É a economia, estúpido" A política externa não importa quando as pessoas têm acesso a informação, que lhes mostra que seu padrão de vida é muito inferior ao seus pares em outros países, e quando vêm as práticas de governança despótica retirando a riqueza de suas nações, deixando um futuro com pouca ou nenhuma esperança para a próxima geração.

Por repulsivo que a política externa de Israel e seu tratamento dos árabes possa ter sido, e continua a ser (atentados à bomba de fósforo contra uma escola em Gaza, por exemplo), parece que nada poderia estar mais longe nas mentes dos manifestantes nas ruas hoje. As palavras-chave que saem trabalho e habitação, dinastias e corrupção.

Entre as campanhas de desinformação e a ausência completa de fontes equilibradas e credíveis, no entanto, algumas conclusões podem ser tiradas. Em primeiro lugar, os meios de comunicação atualmente permitem que as pessoas sejam informadas, que formem suas próprias opiniões e se comuniquem quer internamente, organizando seus comícios quer externamente, passando a mensagem para o mundo exterior, apesar das tentativas de controlar o acesso ao Internet e às redes de telecomunicações.

Em segundo lugar, a acumulação de riqueza por parte das facções dominantes nesses países virou o povo contra eles. A corrupção e a má governação são impossíveis de se esconder e são injustificáveis.

Em terceiro lugar, a reação de mão pesada das forças de segurança demonstra uma perda significativa de contacto com a realidade. Um dia antes que foi forçado a sair do cargo,  Presidente Hosni Mubarak estava falando de "punir" os responsáveis pelos tumultos.

Dito isto, apesar de estarmos falando de uma mesma região geográfica, também estamos falando de diferentes realidades sociais e políticas que podem ser encobertas na tentação de apresentar esses países e povos como uma única unidade. Os programas sociais e de previdência do Coronel Muammar Gathafi na Líbia, por exemplo, são muito maiores do que os que são implementados nos países vizinhos.

Infra-estruturas modernas surgiram nos últimos anos que visam atrair investimento e trazer riqueza acrescentado e desenvolvimento sustentável para os cidadãos da Líbia; o programa Gathafi de alfabetização viu a educação universal tornar-se realidade e desde que ele assumiu o poder em 1969, a expectativa de vida dos cidadãos da Líbia aumentou 20 anos, enquanto a mortalidade infantil diminuiu drasticamente.

Gathafi representa o controle dos recursos da Líbia por líbios e para líbios. Dez porcento da população era alfabetizado quando ele chegou ao poder. Hoje, são cerca de 90 por cento. As mulheres, hoje, têm direitos - podem ir à escola e conseguir um emprego. O padrão de vida é de cerca de 100 vezes maior do que era no tempo do domínio do rei Idris I.

Se isso é suficiente para o povo líbio, só eles podem decidir.

Na Líbia, as grandes questões de momento são por quê razão a agitação se concentra em Benghazi, quem são os manifestantes e quem ou o quê está por trás deles. Uma coisa é certa: Benghazi é a história que está a ser vendido hoje. Mas a moeda tem dois lados.

Os acontecimentos que se desenrolarão nos próximos dias mostrarão se Benghazi foi um caso isolado e mostrarão exatamente o que aconteceu lá. Curiosos são os relatórios de TV de um "massacre contra civis desarmados" e, uma hora depois "massacre contra civis desarmados, em grande parte" e duas horas depois, vemos cidadãos "desarmados" a carregarem armas pesadas. Isto, no canal que apresentou foguetes georgianos a caírem sobre cidadãos russos verdadeiramente desarmados, afirmando que os russos estavam a atacar sem razão.

Em qualquer caso, o uso excessivo da força só pode ser considerado no mundo de hoje como um grande erro e um erro muito grave de julgamento, que poderia selar o destino do período de governação do Coronel Gathafi, que não era de tudo ruim para os cidadãos da Líbia, ao contrário de outros governantes despóticos na região que têm entregue muito menos ao seu povo.

Até que ponto o que está acontecendo na Líbia e na República Islâmica do Irão tem a ver com os movimentos nos restantes países da região - ou se é uma agitação popular com raízes e manipulações completamente diferentes, ficará mais claro nos dias que seguem.

Aconteça o que acontecer, a pior coisa que poderia surgir seria os extremistas agarrarem as rédeas do poder no vazio e seqüestrarem os movimentos populares para implementar a sua própria agenda. Se a história recente nos ensinou alguma coisa, então a linha de fundo é que o extremismo não cria empregos, destrói vidas ... e nós estamos falando de uma região em que Osama Bin Laden é mais popular nas ruas do que todos os líderes juntos.

Timothy Bancroft-Hinchey
Pravda.Ru

 


Loading. Please wait...

Fotos popular