Pravda.ru

Federação Russa

O importante recente encontro dos BRICS

19.10.2016
 
O importante recente encontro dos BRICS. 25304.jpeg

A reunião de cúpula dos BRICS em Goa reuniu os líderes de três dos sistemas de alianças da era da Guerra Fria: o Bloco Soviético, o Bloco Chinês e o Movimento dos Não Alinhados. EUA e o bloco ocidental ficaram de fora, isolados e desarticulados.

A reunião de cúpula dos BRICS em Goa é evento que a grande mídia-empresa ocidental com certeza ignorará. Mesmo assim, marca um dos pontos altos do realinhamento em curso, do poder e da influência geopolítica.

17/10/2016, Adam Garrie, The Duran

O fato de Rússia, China, Índia, Brasil e África do Sul falarem como uma só voz sobre a Síria não é feito corriqueiro, sem importância.

Ainda que o Brasil tenha-se distanciado das questões importantes, naufragado num golpe de estado contra a presidenta Rousseff, uma declaração conjunto sobre a Síria, emitida por potências dessa importância não pode ser subestimada, por mais que políticos fracassados em alguns países se esforcem por diluí-la o mais que possam.

Mas a importância da reunião ultrapassa a declaração conjunta sobre a Síria.

Para compreender isso, é preciso compreender que, durante a Guerra Fria, as coisas nunca foram simples questão de 'Leste x Oeste', 'Oriente x Ocidente', 'URSS x EUA'. Na Guerra Fria não havia apenas dois lados: havia quatro. E hoje essas divisões são mais importantes do que em nenhum outro momento desde 1991. Explico.

Os quatro blocos eram os seguintes:


- Bloco dos Aliados dos Soviéticos; 
- Bloco dos Aliados dos Norte-ameridanos; 
- Bloco dos Aliados dos Chineses; e o 
- Movimento dos Não Alinhados.


Depois da morte de Stálin em 1953, China e URSS derivaram em direções diferentes e separaram-se cada vez mais. A cisão formal e a subsequente criação de grupos à parte foi formalizada em 1961, quando os chineses denunciaram como revisionismo e traição, as políticas anti-Stálin de Khrushchev.

Isso não levou só à criação de um novo bloco comunista centrado na China, mas, de fato, levou também à formação do Movimento dos Não Alinhados.

Os catalisadores do Movimento dos Não Alinhados têm raízes nas diferenças que se aprofundavam entre a União Soviética de Stálin e a Iugoslávia de Tito, cujas relações começaram a deteriorar já no início dos anos 1940s.

Em 1961, Tito, com Nasser do Egito, Nehru da Índia, Sukarno da Indonésia e Nkrumah de Gana, criaram o Movimento dos Não Alinhados, uma liga de estados que conscientemente decidiram construir relações globais, sem estarem ligados a nenhum dos dois blocos comunistas então emergentes, nem à OTAN.

À altura dos anos 1980s, o Movimento dos Não Alinhados já seduzira a maior parte do mundo árabe, a maior parte dos estados africanos e grande parte do sudeste asiático.

Claro que houve algumas anomalias.

Cuba alistou-se como membro fundador do grupo, apesar da relação íntima com os soviéticos.

O Paquistão, em geral aliado da OTAN, uniu-se ao grupo em 1979, como fez também o Irã, depois da Revolução Islâmica.

A Albânia, que abandonou o Pacto de Varsóvia liderado pelos soviéticos transferindo-se para o bloco chinês em 1968, permaneceu isolada do movimento, mesmo depois que rompeu relações com a China, depois da entente de Nixon com Mao.

Outra notável exceção foi a África do Sul, cujo regime do apartheid pôs o país em conflito com os emergentes estados asiáticos independentes e com grande parte do restante da África. A África do Sul afinal se uniu ao Movimento dos Não Alinhados em 1994, na presidência de Mandela.

Hoje, os BRICS representam membros chaves de cada um daqueles blocos. 

Rússia e China estão novamente próximas como aliadas, na geopolítica e no comércio.

Índia sempre foi parceira chave da União Soviética e, mediante os BRICS, Índia e China podem vir a se tornar parceiras mais próximas, em oposição a rivais regionais.

Brasil é observador no Movimento dos Não Alinhados, e é potência econômica cada vez mais importante numa América Latina que está acordando - e, isso, apesar do recente tumulto político e econômico que, circunstancialmente, infelicita aquele país.

A África do Sul moderna pós-apartheid é um farol de esperança para o continente africano, atacado sempre pela praga do subdesenvolvimento. É especialmente verdade agora, depois que a Líbia, que foi a economia mais forte da África, foi destruída por Hillary Clinton & OTAN.

Tudo isso resulta num grupo BRICS com capacidade para congregar a maioria dos povos do mundo. Hoje, os que se veem mais e mais isolados a cada dia são EUA e seus aliados na OTAN.

Claro, muito depende da vontade política dos países BRICS e de seus aliados naturais de falar a uma só voz, unificada, sobretudo em temas de segurança global.

Como já era na Guerra Fria do século 20, o mundo árabe será o fulcro em torno do qual oscilará o pêndulo do sucesso ou fracasso dos BRICS.

Se a maioria do mundo árabe não wahhabista aproximar-se mais dos BRICS que do bloco da OTAN - que se tem dedicado a dizimar um estado árabe secular depois do outro - é possível que aí se configure o triunfo definitivo, o maior triunfo, para o grupo BRICS, organização jovem, mas internacionalmente vital.

Também configurará um vasto, importantíssimo triunfo geopolítico de Vladimir Putin da Rússia.

 


Loading. Please wait...

Fotos popular