Pravda.ru

Federação Russa

Grupo criminoso de baqueiros russos sustentou Tbilissi

19.10.2006
 
Grupo criminoso de baqueiros russos sustentou Tbilissi

Pelo menos dez bancos russos tomaram parte da lavagem do dinheiro a ser enviado a Tbilissi. O grupo dos dirigentes de bancos foi liderado por um criminoso georgiano, conhecido como Djuba, 32.

O Ministério do Interior da Rússia e o Serviço da Investigação Financeira interceptaram as atividades dessa sociedade criminosa que ilegalmente desde abril de 2004 até fevereiro de 2006 converteu em liquidez e transferiu às contas bancárias no extrangeiro cerca de 7  bilhões de dólares .

 Nota-se  diariamente o grupo ter recebido o lucro de 500 mil dólares.

 Grande parte destes recursos foi retirada da Rússia através das organizações falsas. Nas investigações desse crime foi estabelecida a interação com os órgãos de segurança da Alemanha, Áustria, Letônia, Lituânia, Israel e Suíça. Em resultado um tribunal austríaco bloqueou as contas bancárias dos “figuranertes” do processo.

A sociedade criminosa era composta por dirigentes e funcionários duma serie de bancos comerciais e organizadores de credito. Entre esses são os bancos “ Novyi vek“ (Século Novo, foto), Novaya ecomicheskaya positsiya (Nova Posição económica), Rodnik, AKA-bank, PRINT-bank, Investkombank, Belkom, Centurion, e outros. Grupo foi liderado pelo criminoso georgiano , conhecido como Djuba.

O próprio Djuba vanglorizava-se num dos casinos moscovitas que seu dinheiro serve para sustentar “pequena vitoriosa guerra”.

Em 8 de outubro, Djuba, com passaporte falso partiu para Nice, França, com objetivo de adquirir bens imóveis. Djuba, através dos altos funcionários do ministério das Finanças e Banco Central, tinha recebido e desviado o dinheiro orçamental de 3 bilhões de rublos no âmbito de uma programa agrícola. Alem disso os patrocínios de Djuba eram os altos funcionários dos serviços da segurança .

O ministério do Interior declara que dispõe dos dados de investigação para solicitar a detenção de Djuba no extrangeiro.

Em 2006 cerca de 30 bancos russos perderam as licenças por serem envolvidos na lavagem do dineiro . A versão essencial na investigação do assassinato do vice-presidente do Banco Central russo, Andrey Koslov, é a da vingança de um banco a ser privado da licença.

Com Interfax 


Loading. Please wait...

Fotos popular