Pravda.ru

Federação Russa

MNE russo aprende a criticar família real saudita

17.07.2012
 
MNE russo aprende a criticar família real saudita. 16921.jpeg

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo torna-se mais ativo e começa a fazer política ao invés de se adaptar a ela. Em 12 de julho no site oficial foi publicado o comentário do representante russo para os direitos humano, Konstantin Dolgov, na qual ele pediu que as autoridades sauditas  tomassem medidas para normalizar a situação nas regiões orientais. Foi a reação à morte de dois jovens da minoria xiita em confrontos com a polícia em 9 de júlio.

Protestos têm ocorrido na Província Oriental, e estão a intensificar-se após a prisão de um dos maiores críticos do governo, o Imã e Sheikh xiita, Nimr al-Ninra. As últimas vítimas levaram para 10 o número de mortos na Arábia Saudita desde os eventos da "primavera árabe". Todas elas são da minoria xiita, que representa um décimo da população de 29 milhões de pessoas.

A família  real de Al Saud tem sido assombrada por Sheikh Nimr desde há muito. Um mandado de prisão foi emitido pela primeira vez em 2009 depois de  Nimr ter dito que se o Estado não permitisse os xiitas a "viverem com dignidade", a Província Oriental sairia do reino. Essa ideia de separatismo é muito irritante para  Riad, uma vez que a maioria dos campos de petróleo do pais está localizada no leste.

Naquela altura Sheikh Nimr  não foi preso, talvez, por forças de segurança em todos os momentos lembrarem -se que alguns dos armazens na sua cidade natal, Awamiyeh, estavam cheios de armas contrabandeadas do Iêmen e Iraque. No entanto, a irritação aumentou após um recente discurso dele na ocasião da morte do ministro do Interior, príncipe Naif bin Abdul Aziz Al-Saud, que desde 1975 tem sido responsável pela polícia religiosa a violentamente reprimir todas as tentativas de protesto.

De fato, a descriminação dos xiitas em massa do país  é oficial. Eles não tomam posições responsáveis ​​em as autoridades do governo e de direito. Os xiitas sauditas acreditam que eles são tratados como cidadãos da segunda classe no estado do Islã sunita, que considera o wahabismo a sua ideologia oficial. A posição dos três por centro dos cristãos ainda é mais difícil. Eles não têm liberdade de cumprir seu culto religioso.

Ministério do Interior da Arábia Saudita qualifica distúrbios na Província Oriental como "ingerência estrangeira" do Irã, apesar de os xiitas sauditas são muito influenciados pelos imãs iraquianos,  e não iranianos. Mas a família real acredita que o homem comum no Ocidente não vai entender: Washington ordenou culpar por tudo o Irã e eles o fazem.

O príncipe Naif foi sucedido por seu irmão e deputado, o príncipe Ahmed bin Abdulaziz, que começou com a prisão de líder da oposição. Sheikh Nimr após a morte de Naif apelou através do YouTube aos seus apoiantes para tomarem as ruas. Sheikh disse que não tinha medo da prisão, e até estava pronto para morrer se o seu povo fosse defender o direito a uma vida digna. Foi um chamado à revolta. Depois as fotos em roupas ensanguentadas brancos de Nimr foram distribuídos em sites de redes sociais, xiitas jovens da Arábia Saudita foram às ruas para pedir justiça. Duas pessoas foram mortas. Mas Washington que reage com raiva a quaisquer outros conflitos parecidos, o presente deixou em silêncio.

Mas Moscou não o fez. "Os incidentes parecem colocar em risco de impacto negativo a estabilidade e a harmonia da sociedade civil na Arábia Saudita", escreveu o representante do MNE russo, Dolgov. Reino Saudita respondeu imediatamente, chamando-o de interferência na opinião dos assuntos internos do país. "O Reino condena esta afirmação, considerando-a hostil. Riad quer lembrar para representante russo, que continua a esforçar-se para respeitar as leis, a soberania e a independência dos Estados e distanciar-se de interferir em seus assuntos internos, incluindo o caso da Rússia e sua política na resolução de conflitos em seu território ", — disse em um comunicado, o Ministério do Exterior saudita.

Permitimo-nos contradizer. Foi a Arábia Saudita que havia insistido para a Rússia elevasse os preços da energia a nível mundial para dificultar-lhe a adesão à OMC. Interferindo nos assuntos internos de outros países, especialmente no Iraque e no Afeganistão, fornecendo apoio financeiro e militar para "Taliban" e wahabitas no Cáucaso (por vários fundos, como "Al-Haramain"), Arábia Saudita contribui para aumento da tensão e instabilidade na Rússia e na fronteira com o Tajiquistão. Ela ensina constantemente o governo russo como agir. Assim, em 7 de julho, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Arábia Saudita, príncipe Saud al-Faisal al Saud disse que a Rússia deveria deixar de apoiar o regime de Bashar al-Assad.

O governo saudita prega os valores da democracia em outros países árabes, enquanto mesma sonha com a criação do "Califado Grande" e suprime os direitos das minorias em seu território. Este paradoxo em breve será a causa da segunda onda de revoltas árabes que varrerá o regime mais autoritário no Oriente Médio. E não a ajudará a intercessão de os EUA ou o controle "da torneira do petróleo." A Rússia tem que revelar os direitos humanos e o extermínio de xiitas na Arábia Saudita e os levantar a nível mais alto do ministro e representante para o Conselho de Segurança da ONU.

Lyuba Lulko

Pavda.Ru

 

 


Loading. Please wait...

Fotos popular