Pravda.ru

Federação Russa

Os 10 maiores inimigos da Rússia

16.04.2014
 
Os 10 maiores inimigos da Rússia. 20170.jpeg

A votação na Assembleia Geral da ONU sobre a legitimidade do referendo na Crimeia deixou claramente evidentes os amigos e inimigos da posição russa. Primeiramente vamos analisar o grupo dos maiores russófobos que desde já muito tem tentado falar com a Rússia a partir de uma posição de força ou juntam -se ao coro deles.

Em 27 de março dos 193 países membros da ONU,100 votaram a favor da resolução, os outros 93 votaram contra, abstiveram-se ou não votaram. Referendo na Criméia no documento referido avalia-se como " não vinculativo ", enquanto a resolução pede aos países para não reconhecerem a "anexação" da Criméia para a Rússia.

Os elaboradores da resolução foram: Alemanha, Canadá, Costa Rica, Lituânia, Polónia e Ucrânia. Em seguida, pediram coautoria: Austrália, Áustria, Bélgica, Croácia, República Checa, Dinamarca, Estónia, França, Geórgia, Suécia, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos , Islândia, Itália , Japão, Noruega . Pela primeira vista surpreende como é que entre os iniciadores se encontra a Costa Rica, especialmente porque passados três dias, o governo da Costa Rica aboliu os vistos para os russos a entrarem no país como turistas. O facto mais uma vez mostra que força de "persuasão " têm os EUA sobre os governos "soberanos", especialmente no Caribe. Portanto, retiremos a Costa Rica do grupo de inimigos.

O Governo alemão, dirigido pelo chanceler Angela Merkel (nasceu e viveu na República Democrática Alemã), sempre foi racional, pragmático e grato à Rússia por Alemanha ter reunificada na época de Mikhail Gorbachev. Aliás, esta reunificação alemã foi feita sem sanções , ameaças , com fortes intenções por parte russa a aderir à UE e até à NATO e " democratizar " o país segundo os normas ocidentais. Merkel como uma política experiente não podia estar inconsciente quanto à escalada do conflito na Ucrânia, no entanto seguiu este caminho. As declarações contraditórias dela a favor das sanções e em seguida contra, demonstram a chanceler não ser independente na tomada de decisões. Depende dos sinais enviados do outro lado do Oceano.

Merquel preferiu não participar de forma evidente da Parceria Orienta, engoliu os insultos em forma de escutas telefónicas do seu celular e declarações obscenas da secretária de Estado adjunta dos Estados Unidos, Victória Nuland. É incrível como é que o Ocidente persiste na opinião de a Rússia ficar uma "potência regional ", fraca e derrotada na Guerra Fria. Até os alemães permanecem contaminados por etal propaganda. "A Rússia não é um país rico, e daqui a dois ou três anos vai ficar derrotada pelas sanções ", - disse a ministra da Defesa alemã Ursula von der Leyen.

Dois outros iniciadores da resolução - a Lituânia e a Polónia . Seus governos são histericamente anti-russos sem possibilidade para dar a outra característica. Polónia iniciou a Parceria Oriental com o objetivo de envolvimento da Ucrânia na órbita de seus interesses. O fato é que os poloneses e a Uniate igrejas desde o século 15 têm implantado o ódio contra os russos e ortodoxos nas regiões ocidentais da Ucrânia. É por isso que hoje temos o que temos - poder fascista dos seguidores de Stepan Bandera ( pró-nazi ucraniano, indómito e irremediavelmente anti-semita e anti-russo) em Kiev.

Em 1989 na nova Constituição polonesa foi escrita a definição do Estado como a Terceira Rech Paspalitaya (uma união do reino polonês e o Grão-Ducado da Lituânia, formada em 1569 e liquidada em 1795, ficando dividida entre a Rússia , Prússia e Áustria ). No contexto do passado isso significa que os territórios da Ucrânia, Bielorrússia e Lituânia mais uma vez começaram a ser percebidos na Polônia como a parte do mundo polonês. Têm aguardado hora a entrarem no jogo e organizarem a Quarta Rech Paspalitaya. Portanto, com esse objetivo tornaram-se um "cavalo de Tróia " dos Estados Unidos da Europa.

Detestando todo russo os líderes do governo da Polônia comportam-se inadequadamente. Por exemplo, permitiram a remoção do monumento para o general russo Ivan Chernyakovskiy na cidade de Pieniezno , a ex-cidade alemã Melzak que a Polónia tinha recebido após a Segunda Guerra Mundial devido aos acordos de Yalta e a boa vontade da URSS. Lembremo-nos também dos nacionalistas poloneses que com a conivência das autoridades locais invadiram a embaixada russa em Varsóvia, bem como a histeria desnecessária promulgada ao redor do acidente de avião presidencial perto de Smolensk . O primeiro-ministro Donald Tusk disse na última cimeira da NATO que a Polónia deve colocar duas brigadas pesadas da Aliança de 5000 intgrantes cada uma para proteger habitantes contra a agressão da Rússia . A Polónia faz parte do sistema de defesa de mísseis dos EUA na Europa, ou seja vai envolvendo em toda a campanha anti-russa do Ocidente.

A Lituânia foi a primeira a reconhecer o governo ilegítimo da Ucrânia. Há provas documentais que os militantes de Maidan estavam preparando na Polónia e na Lituânia. Lituânia organizou reunião informal do Conselho de Segurança com os membros da minoria tártara da Criméia ( a China e a Ruanda não participaram) que a Rússia chamou de "inapropriado" , uma nova tentativa internacional para distrair a atenção "da grave situação na Ucrânia". A presidente da Lituânia Dalia Grybauskaite tem pronunciado os discursos com slogans russófobos . Em uma entrevista sobre "O Direito de Saber "da televisão LRT disse que algumas das ambições do presidente russo, Vladimir Putin podem ser consideradas como " insalubres " , e a Rússia se tornou "um país imprevisível. "

Refiramo-nos agora para o Canadá e a lista dos co-autores. É o lugar onde se encontram os principais inimigos da Rússia. São anglo-saxões - os EUA , Austrália , Reino Unido. Estes países formam a cabeça da Comunidade Britânica da qual 52 países votaram segundo lhes tinha sido dito. Os anglo-saxões gostam de fazer guerra usando como bucha de canhão os outros, recordemo-nos da Costa Rica. Com este mundo anglo-saxão é impossível fazer uma amizade ou acordo , como se trata de um profundo confronto civilizacional e religioso.

No entanto , até Vladimir Putin tentou fazê-lo. Ele fechou as bases militares russas em Camranh ( Vietnam) e Lourdes (Cuba) , apoiou os Estados Unidos no Afeganistão e após o ataque terrorista em Nova York em 11 de setembro contra a luta deles contra Al-Qaeda. Mas todos seus esforços foram, eventualmente, frustradas pela política do Ocidente por agir exclusivamente a partir de uma posição de força , aplicando padrões duplos.

Estados Unidos têm desenvolvido e implementado um novo plano da "revolução laranja" na Ucrânia. Para isso, segundo Victoria Nuland , tinha sido gasto US $ 5 bilhões. E o objetivo principal não é a Ucrânia, mas é a Rússia, a sua desestabilização e colapso. Barack Obama fez uma declaração , após a qual aparecem as dúvidas quanto a sua conformidade ao serviço. Ele caracterizou o único país capaz de destruir os Estados Unidos na guerra nuclear como um "país regional " e lamentou o fato de que " os ideais ocidentais foram desafiados com a autodeterminação da Crimeia" . Isso apesar do fato que Washington tem 300 bases militares nas proximidades da fronteira com a Rússia.

A posição de Stephen Harper o primeiro-ministro do Canadá, seguindo os passos da política dos EUA é compreensível, mas por que tanta raiva? Na televisão canadense furioso Harper acusou Putin de revanchismo e pediu para parar o presidente russo a qualquer custo. "O comportamento do Canadá sobre a questão da Ucrânia , é devido ao fato de que lá há uma presença séria da emigração ucraniana , e geralmente da Ucrânia ocidental ( os descendentes dos militantes de Bandera-Red.) e esta comunidade russófoba está funcionando . O Canadá também está tentando marcar pontos políticos , com a oportunidade de aparecer no papel de um importante jogador global que possa decidir o destino de tal gigante como é a Rússia " , - disse ao Pravda .Ru o doutor em Filosofia Leonid Polyakov , o chefe do Departamento da Ciência Política da Escola Superiur da Economia.

Não fica muito atrás dos amigos anglo-saxões e o primeiro-ministro britânico David Cameron. Também depende do "big brother" americano . A retórica de Cameron é marcante em sua avaliação inadequada das realidades: "É inaceitável usar a força para mudar as fronteiras russas baseando no falso(!) referendo realizado sob a mão armada(!) russa. Que o Presidente Putin não duvide(!) a Rússia receber consequências mais graves " - disse Cameron. Enquanto isso, o próprio premié britânico tem relacionamento muito difícil com a Escócia. Escoceses não insistiriam na autodeterminação , se se tivessem dado bem com David Cameron.

Quanto à Austrália , então por que ela de repente se perguntou sobre a participação da Rússia nas reuniões do G20 , onde atualmente está fazendo a presidência ? Onde perdeu a sua soberania , o Sr. primeiro ministro Tony Abbott ?


Analisando a lista de patrocinadores da resolução , pode-se entender por que nela se encontram República Checa, Dinamarca , Estónia, França, Geórgia , Suécia, Bélgica eoutros. Em alguns casos há problemas nas relações com a Rússia ou conotações negativas históricas ( República Checa, Geórgia , Estónia ) , outros ' problemas de separatismo ( Bélgica , a Dinamarca, França ) . Mas, por que a lista inclui a Croácia, Turquia e Suécia ?

A Suécia é o coparceiro da Polônia na Parceria Oriental , o seu ministro das Relações Exteriores , Carl Bildt, especializa-se em declarações anti- russas. Até os mesmos suecos sofrem com o implacável russófobo . "Nós temos que nos perguntar , onde é que cometemos um erro, está reinando um tipo de cansaço sobre a expansão infinita da EU. Muitos europeus já não querem fornecer aos países da Parceria Oriental o direito de se tornarem os membros da UE , em parte, isso temos devido às mentiras e falhas de Carl Bildt " - disse o deputado parlamentar social-democrata sueco Urban Christian Ahlin. As pessoas como Bild estão sendo buscados pelo Departamento dos EUA por anos e ficam apreciados por Washington.

A Croácia está reconsiderando sua origem eslava. Portanto, distanciamento da Rússia, de todo o leste, todo o não- europeu é muito característico para a Croácia depois dos anos 1990 , disse ao Pravda . Ru Elena Guskova , a diretora Instituto de Estudos Eslavos, da Academia Russa de Ciências. "Este Estado não tem história , seus interesses estão determinados, acima de tudo, pelos os interesses da UE e da NATO , é por isso que demonstra tais sentimentos subservientes . É daqueles países que sempre vão jogar juntos , sempre vão concordar. E da Rússia os governos deste tipo só vão se lembrar e pedir ajuda quando aparecer uma ameaça e necessidade de fazer alguma ação junta " - disse Elena Guskova.

E, finalmente, o décimo inimigo - a Turquia ( o membro da NATO ) . A Turquia é o primeiro número de jogar segundo a conjuntura da situação . " Os turcos estão vinculados à trama com a comunidade tártara da Criméia , e o comportamento dos seus líderes comunitários fazem levantar suspeitas de estarem encabeçados pelo governo turco. A Turquia está minando a situação na Crimea por dentro, pelo menos , está criando problemas deste sentido. Os turcos estão incluídos no contexto geral da condenação, mas acho que é um jogo independente , eles não estão envolvidos no concerto pan-europeia russófobo. Têm os seus interesses particulares , não descarto que em algum momento vão simplesmente mudar de posição ", - disse Pravda. Ru Leonid Polyakov .

A situação moderna da Rússia não pode ser considerada próxima do ideal , mas tem um potencial de desenvolvimento histórico que irrita o Ocidente , forçando cada vez mais considerar os interesses da Rússia o que categoricamente não quer, e não pode. Precisamos entender que o Ocidente nega à Rússia o direito da existência soberana e reeducá-lo impossível , só precisa fazer todo o possível para ter os amigos no número maior do que os inimigos.

Lyuba Lulko

 Leia original em russo

 


Loading. Please wait...

Fotos popular