Pravda.ru

Federação Russa

O império norte-americano, Ucrânia e a nova guerra fria

15.03.2014
 
O império norte-americano, Ucrânia e a nova guerra fria. 19982.jpeg

O império norte-americano, Ucrânia e a nova guerra fria
10/3/2014, Marco Aurelio Cabral, Blog Dogmas e Enigmas, Brasil
http://dogmaseenigmas.wordpress.com/2014/03/10/o-imperio-norte-americano-e-a-invasao-da-asia/


Um dos debates mais importantes do século XX se deu no interior do Estado norte-americano quanto à estratégia geopolítica a ser adotada no imediato pós-guerra. À época, formuladores dividiam-se entre duas propostas não necessariamente substitutas.

A primeira veio da NASA e compreendeu o que prevaleceu na história como "estratégia de retaliação total", centrada na distribuição de ogivas nucleares em mísseis balísticos intercontinentais (Classes Titan e Atlas) e submarinos (Classe Polaris), bem como bombas termonucleares apoiadas em aeronáutica supersônica. Claramente, nesse contexto, na "missão à Lua" permitiu-se justificar perante a opinião pública vultosas inversões públicas em tecnologias com emprego apenas indireto para aumento de bem-estar.

A segunda proposta, aparentemente derrotada, previa emprego de rede de satélites de baixa órbita com objetivo de monitorar ameaças e identificar alvos, tal como adotado a partir dos anos noventa pelos EUA. Esta segunda proposta foi defendida por pesquisadores do RAND (instituto sem fins lucrativos criado em 1948 a partir de equipe da Douglas Aircraft), sendo reunidos desde então no RAND cientistas e engenheiros para assuntos de defesa.

Desde o final dos anos setenta até a queda do muro de Berlim (1989), o esforço militar empreendido por EUA e Rússia foi revisto por onda financeira liberalizante que impôs progressivamente restrições para gastos públicos. Com isso, acentuou-se necessidade de revisar a estratégia externa norte-americana, adaptando-se à configuração até então inesperada - a condição de ausência de desafiadores diretos ao projeto expansionista dos EUA.

Com o avanço das tecnologias de informação, a serviço da montagem de um "cassino" internacional real time on line nos anos 90, tornou possível ao complexo industrial-militar atualizar estratégia proposta pelo RAND, potencializada com capacidade de  processamento e integração de informações colhidas através de diferentes artefatos, incluindo-se satélites e telefones celulares.

Além do usual acesso discricionário a recursos públicos subsidiados para pesquisa e desenvolvimento, a partir de 2000 o complexo industrial-militar passou também a participar dos benefícios diretos da função inteligência para o sucesso na concorrência internacional.

A partir dos documentos históricos secretos revelados por E. Snowden, tornou-se possível aos demais Estados Nacionais, incluindo-se potências ocidentais e asiáticas, perceberem imbricações existentes entre o poder, o dinheiro e o novo imperialismo norte-americano. Desta vez com pretensões a império global.

No entanto, o sucesso o projeto de poder norte-americano pressupõe consolidação de alianças mais ou menos estáveis com elites locais, pressupostas para ocupar alto comando das maiores empresas em cada país. Bancos e firmas industriais nacionais passam a disputar acesso privilegiado a dólares e tecnologias superiores, respectivamente.

Enquanto esse é o caso dentro das fronteiras ocidentais do império, o mesmo não acontece na Ásia. Rússia e China, as quais dispõem de recursos para se configurarem como ameaça, defendem territórios da invasão norte-americana. Essa, por sua vez, tem sido executada em diversas frentes, dissolvendo-se resistências para o desembarque da cultura consumista ocidental.

Atacam-se formas de organização política distintas da "democracia-modelo" dos EUA, cuja aderência aos interesses do grande capital é quase irrestrita. O resultado encontra-se na cooptação de países do leste europeu para a OTAN, bem como nas desordens sociais que depuseram líderes autocráticos (nacionalistas) na primavera árabe.

Enquanto as fronteiras do império avançam em direção à Ásia, as elites russas e chinesas parecem não compreender exatamente qual papel terão as maiores corporações nacionais em jogo de xadrez em que pesam assimetrias de informação importantes. Enquanto isso, as elites industriais ocidentais têm interesse no aumento das tensões militares, como oportunidade para novo ciclo de crescimento baseado em keynesianismo bélico.

Naturalmente, as projeções de banqueiros para recuperação mundial não levam em consideração as importantes relações circulares entre crises econômicas e políticas propagadas assimetricamente pelo sistema internacional.  Insistem em narrativas com ceteris paribus, sem conflitos ou rupturas, o que soa patético se considerado ex post.

Conclusivamente, a crise política que se anuncia na Ucrânia deve desempenhar papel de acelerador das tensões internacionais, ao ponto de ignição de gastos militares extraordinários, principalmente na Europa. Não há necessidade de explicar o quanto uma ameaça militar na Europa pode justificar mudança nas políticas até aqui favoráveis aos interesses financeiros na região (metas fiscais). Neste contexto, dificilmente prevalecerá o contracionismo na Alemanha pós-Merkel ou a integridade do arcabouço supranacional da União Européia. Isso sem, necessariamente, mover os EUA na direção de uma guerra real, tal como ocorrido durante o período da guerra fria.

Como todo processo de longo prazo, contudo, demora-se o tempo a passar, antes que hipóteses como esta possam ser testadas em bases ex post. É esperar e conferir.


Loading. Please wait...

Fotos popular